terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Milhões são investidos para saber se Ervas Naturais de fato funcionam

Americanos pretendem acabar com os mistérios sobre os populares suplementos alimentícios.

Em agosto deste ano foi aprovado um fundo de 37 milhões de dólares para cinco centros interdisciplinares e colaborativos de suplementos alimentares. Esta pesquisa vai avaliar os efeitos desta medicina natural, pois produtos são usados por milhares de consumidores, mas seus efeitos ainda são desconhecidos.

No século 20 médicos começaram a contar cada vez mais com drogas cientificamente testadas para tratar de seus pacientes. No entanto, hoje em dia as ervas medicinais e os suplementos estão voltando com força total. Só em 2009 os americanos gastaram U$5 bilhões em suplementos botânicos e a base de ervas.

Estes suplementos não são regulamentados tão estritamente quanto os produtos farmacêuticos, logo existem questionamentos sobre a pureza e a consistência dos mesmos. Alguns testes foram efetuados e alguns produtos estavam promovendo uma quantidade maior do que o que realmente foi encontrado na cápsula, enquanto outros estavam contaminados por pesticidas ou metais pesados.

Esta semana o FDA advertiu fabricantes que qualquer empresa que estiver fabricando produtos contaminados será processada criminalmente. A agência está focando principalmente produtos que promovam a redução de peso, aumento da capacidade sexual ou ganho de massa muscular. Estes produtos estão muitas vezes disfarçados de suplementos e em alguns casos estão usando os mesmos ingredientes de drogas aprovadas ou são cópias próximas destes remédios.

O outro lado da moeda são os grandes benefícios que os fitoterápicos podem gerar. Estes benefícios só precisam ser testados em laboratório.

No Brasil, a Anvisa alerta aos consumidores que quando for comprar um fitoterápico, é preciso observar se a embalagem possui o número de registro da Anvisa, os dados da empresa (CNPJ, razão social, endereço, etc.) e o número do Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC). Há perigos em se utilizar medicamentos que não tenham registro, pois além de serem ilegais, não há um controle e não se sabe qual a composição e a origem desses produtos, ou seja, não há como garantir a segurança e a qualidade em seu uso.

Em março deste ano a Anvisa divulgou uma tabela com mais de 60 drogas vegetais e a forma correta de preparar cada uma delas. Eles destacam que a ação terapêutica desses fitoterápicos é totalmente influenciada pela forma de preparo.

Veja alguns exemplos:
- Chá de quebra-pedra para inflamações urinárias e para evitar a formação de pedra nos rins;
- Boldo é indicado para o fígado e famoso por curar ressacas;
- Semente de sucupira funciona como um antiinflamatório que combate reumatismo e artrite;
- Folha de alcachofra e a semente de girassol reduzem os níveis do mau colesterol no sangue.

Para ver a tabela na íntegra, clique aqui.


Fontes:
HealthDay.com
Anvisa

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Mais Autonomia para o Trabalho dos Médicos Brasileiros

Há uma discussão permanente sobre o relacionamento médico-plano de saúde. O ilustre médico Dr. Dráuzio Varella escreveu um artigo tratando desse assunto e replicado no site do Conselho Federal de Medicina e o ex-presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), Dr. Antonio Celso Nunes Nassif, também abordou o tema.

Resolvemos contribuir também e reforçar que somos uma ferramenta que auxilia o profissional de saúde, qualquer que seja sua especialidade e estágio da sua carreira:

1) O profissional que está fora dos planos de saúde (por não conseguir viver ganhando o valor negociado com o plano por consulta, por exemplo)  tem o Help saúde como aliado para formar sua clientela.

2) O profissional credenciado a algum plano de saúde aumenta sua clientela mais rapidamente com o Help Saúde e passa a ater mais poder de barganha para negociar uma remuneração por consulta maior.

3) O profissional que já saiu do plano de saúde ou que não tem interesse em entrar num plano encontra no Help Saúde a ferramenta mais eficiente do mercado para conseguir mais clientes.

Enfim, o artigo é feito especialmente para os profissionais de saúde mas também é de grande valia para nós pacientes entendermos mais um pouco como funciona a relação entre os profissionais  e os planos de saúde. Espero que gostem!


Mais Autonomia para o Trabalho dos Médicos Brasileiros

Uma grande dificuldade no trabalho do médico atualmente é alcançar um equilíbrio positivo no saldo entre as consultas particulares e as atendidas por meio dos planos de saúde. Tanto os recém-formados, que iniciam a carreira e precisam de visibilidade, quanto os mais experientes, que possuem credibilidade mas se vêem reféns de certas práticas, recebem um valor pequeno das operadoras por consulta realizada.

Nesses casos, muitos abandonam os convênios e investem no atendimento particular. Para impulsionar as consultas e também manter a reputação construída ao longo dos anos, uma das saídas para os médicos é buscar soluções que mantenham a proximidade com o paciente e dispensem o intermédio de terceiros. E, para isso, uma das melhores saídas é a internet, o meio em que a grande maioria das pessoas está inserida e que não necessita de interlocutores, garantindo maior independência para qualquer indivíduo.

Os motivos para os médicos terem mais autonomia são muitos. Basta observar que, além da dependência que existe no relacionamento entre os profissionais e os planos de saúde, a interferência no trabalho do médico que atende pelo plano é cada vez mais perceptível.
Outro problema são os repasses financeiros por cada consulta realizada. A baixa remuneração do plano força o médico a complementar os ganhos com mais atendimentos, quando o tempo de trabalho continua mesmo. Essa prática acaba impactando o maior interessado nos serviços do profissional da área de saúde: o paciente.

Para se ter ideia de como é a relação médico-plano de saúde, o médico Dr. Dráuzio Varella revelou em um artigo números preocupantes: levando em conta que é pago cerca de R$ 20,00 por consulta, para que o médico possa cobrir os custos do seu consultório e ganhar cerca de R$5.000,00 mensais, precisaria atender 4,5 consultas por hora. Ou seja, cada consulta teria em média menos de 15 minutos de duração!

Os dados reforçam a ideia de que os médicos precisam de mais independência para impulsionar e desenvolver a própria carreira, tendo a opção de ter seu trabalho reconhecido e mais bem remunerado. Uma das soluções para sanar esse problema seria criar uma vitrine para que o profissional pudesse divulgar dados de seu trabalho e os serviços que oferece, estabelecendo um contato direto com o paciente. E não há espaço mais democrático para isso do que a Internet.

O portal Help Saúde, o maior buscador de profissionais da área de saúde do Brasil, e o Google realizaram monitoramentos recentes sobre o comportamento dos usuários de internet interessados em questões de saúde. As pesquisas dos dois sites mostram que tantos os pacientes quanto os médicos já possuem uma rotina virtual, com horas diárias de acesso à rede. Um outro dado que ficou em evidência por meio do levantamento é a necessidade de um espaço onde eles possam interagir com o propósito de facilitar o contato.

Embora sejam poucos, no Brasil começam a surgir sites especializados que estão atendendo essa demanda e facilitando a vida do médico. O Help Saúde é um dos poucos portais que já oferece um diferencial: o tráfego de pacientes. Em menos de dois anos de existência, ele disponibiliza para os médicos, gratuitamente, um tráfego de um milhão de usuários por mês.

O contato direto paciente-médico é fundamental para equilibrar essa relação entre os profissionais e seu público. Além de saber exatamente quem terá à sua frente no consultório, o paciente também pode checar o currículo do especialista e sua formação profissional. Para o médico, representa uma vitória que encurta o caminho que leva da sala de espera até o paciente que está em casa, precisando de ajuda.

Ajude seu médico e divulgue o Help Saúde!

Berços com laterais móveis são proibidos nos EUA


Esta semana o governo americano baniu todos os berços com laterais móveis. Esta decisão foi tomada depois de uma década com inúmeros recalls e a morte de várias crianças.

Estes berços são populares pois facilita com que adultos coloquem e retirem suas crianças do berço. No entanto eles tem apresentado sérios problemas de segurança. O risco está na lateral que pode parcialmente sair dos trilhos e formar um "V" entre o berço e o colchão, espaço onde uma criança pode ficar presa e sufocada.

Desde o ano de 2000 este tipo de berço foi acusado da morte de 32 crianças e são suspeitos da morte de outras 14. Nos últimos 5 anos foi feito o recall de mais de 9 milhões de unidades.

A partir de junho todos os berços deverão ser fabricados com laterais fixas. Hotéis e creches terão 1 ano para de adaptar a nova lei.

Tenha bastante cuidado na hora de escolher um berço para o seu filho. Os grandes problemas são relacionados a erros na montagem e peças com defeito.

Fonte: HealthDay

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Cigarro - Uma Verdade Conveniente [Smoke - The Convenient Truth]

Veja a seguir uma apresentação considerada a melhor do ano pelo serviço Slideshare. Trata dos números alarmantes do cigarro no mundo. Vale a pena conferir!


Para combater o vício do tabagismo, procure um especialista no Help Saúde.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

INÉDITO: Homem na Alemanha é curado da AIDS


Pela primeira vez, um homem foi oficialmente declarado curado da infecção por HIV. Timothy Ray Brown, além do vírus do HIV tinha leucemia mieloide aguda e por isso passou por um tratamento que consistiu em uma quimioterapia que destruiu a maior parte de suas células imunes e um transplante de células-tronco no qual cerca de um terço dos pacientes não sobrevivem - mas que parece ter curado Brown completamente da infecção por HIV.


Para ajudá-lo os médicos escolheram um doador que tinha uma mutação genética que conferia uma resistência natural ao HIV. A expectativa era que o vírus voltasse a ser detectado à medida que o sistema imunológico se normalizasse devido ao tratamento contra leucemia afetar essa defesa do corpo. Mas três anos depois do procedimento, os médicos constataram que o paciente não tinha sinais de câncer ou da AIDS.

Especialistas explicam que esse é um caso isolado. A terapia pode não apresentar os mesmos resultados em outras pessoas, além do risco que representa este transplante por apresentar uma alta taxa de mortalidade. No entanto, a descoberta abre portas para uma série de pesquisas que podem levar a cura da AIDS. Descobrimos que a AIDS pode ser curada, não só tratada.

Esta notícia foi divulgada no Blood Journal.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Depressão nas festas do final de ano


As festas de final de ano são grandes potencializadoras das emoções. Assim, facilmente leva a um quadro depressivo nas pessoas que estão mais fragilizadas emocionalmente. Ou podem agravar os sintomas naqueles que já convivem com a depressão. Parece estranho como festividades e suas expressões reconhecidamente felizes são capazes de “maltratar” as pessoas.



O natal está cheio de fatores afetivos fortíssimos como a reunião de família, prestígio entre as pessoas, expectativa dos presentes (que compramos e vamos receber), recordações da infância, os próprios enfeites de natal, as nossas realizações e tantas frustrações do ano. As festas do final de ano são, de todas comemorações, a mais emocionante. Por conta disso, precisamos estar atentos como estamos vendo e sentido as nossas emoções nesses dias.

Cada vez mais o espírito natalino não é visto como o nascimento de Cristo e, sim, como mais uma data onde não se pode esquecer de comprar o presente do filho, dos pais, do companheiro, do amigo e assim por diante. Ir às compras, ao invés de ser um prazer, pode ser um grande estresse. Seja pela quantidade de gente comprando, seja comparando o que os outros compram que não podemos comprar. Quer dizer, o que importa é o bem material, o que você pode oferecer financeiramente, o quanto você vale em dinheiro, e não o que se tem de sentimento, de amor e companheirismo. Isso causa angústia e ansiedade, frustração e depressão. Chega-se ao ponto das pessoas ficarem exaustas e mal humorados já alguns semanas ou dias antes do natal. Assim, facilmente um quadro depressivo se instala. A pessoas passam a não querer participar das comemorações do final de ano, tornam-se isoladas, facilmente choram, pedem para que o natal e ano novo passem logo e que ninguém ligue para elas. Acha que no ano seguinte tudo irá melhorar.

Em Janeiro, a depressão só vai piorar, precisando logo iniciar um tratamento médico.
Nesses casos, deve-se procurar um médico-psiquiatra para uma avaliação o mais breve possível.
Geralmente as pessoas demoram muito para procurar o psiquiatra pelas crenças da população de que “a depressão não é uma doença” ou deve-se “a fracasso pessoal”.

Além disso, a pessoa com depressão tem desesperança, falta de energia para procurar ajuda, insegurança, medo e é sensível às criticas de que é um “fraco” ou “preguiçoso” pois não consegue mais realizar as atividades como antes.

É importante saber que a depressão é uma doença muito comum. É considerada um grave problema de saúde pública pelas suas consequências e prejudicam a qualidade de vida dos indivíduos, mais do que qualquer outra doença.

Quando as pessoas tem depressão e não são tratadas podem tornar a depressão crônica, evoluindo com invalidez. Não raramente a tristeza e a vida torna-se um tormento e as pessoas cometem suicídio.

Apesar de grave, a depressão, quando bem diagnosticada e tratada nos seus estados iniciais, geralmente recupera-se rapidamente.

Procurar ajuda profissional nos estágios iniciais da depressão não somente tem-se logo a melhora do quadro, como também evita a cronificação, agravamento e as conseqüências da depressão.



Abraços Dr. Tárcio Carvalho



Se você é profissional de saúde e gostaria de colaborar com o nosso blog envie um email para renata@helpsaude.com

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

A deficiência visual muitas vezes tem cura

No dia 13 de dezembro comemora-se o Dia do Cego. Existem vários tipos de cegueira dependendo do grau e tipo de perda de visão, como a visão reduzida,a cegueira parcial (de um olho) ou o daltonismo.

A deficiência visual é uma categoria que inclui pessoas cegas e pessoas com visão reduzida. Catarata e a falta de óculos são as duas principais causas de cegueira que poderiam ser curadas ou evitadas na América Latina e no Brasil.

O Brasil tem cerca de 1,4 milhão cegos.Este número inclui crianças, sendo 35mil cegas e 140 mil com baixa visão. Isto poderia ser evitado apenas com o “Teste do Olhinho”, exame simples que pode detectar qualquer alteração que cause obstrução no eixo visual, como catarata, glaucoma congênito, retinoblastoma (câncer no olho) e outros problemas. A identificação precoce dessas doenças possibilita o tratamento e o desenvolvimento normal da visão. Este exame deve ser feito logo que o bebê nasce e durante as consultas com o pediatra de acordo com o período de tempo que ele achar necessário.

Apesar das dificuldades que sofrem os deficientes visuais, o mais interessante são os casos de superação. Pessoas que são exemplos de vida, como o craque argentino, Lucas Rodriguéz que é cego e inspira Conca, o melhor jogador do Brasileirão.

Lucas teve quatro participações em Mundiais pela seleção, dois títulos da competição e duas medalhas olímpicas, é referência em sua modalidade. Cego desde o nascimento, o ala da seleção argentina de futebol (para cegos) há 13 anos realmente é um exemplo de determinação. Atuando em equipes da modalidade desde os 10, jogava de improviso. Diante da paixão do pai e dos irmãos pelo futebol, resolveu matar a curiosidade enrolando a bola com sacolas plásticas para segui-la pelo som. Não parou mais.

Conca foi cativado pela dedicação de Lucas: “isso mostra que o sonho pode ser real, todos os jogadores de futebol passam por momentos difíceis, mas ele é exemplo para todos nós. O maior exemplo de superação que já conheci. Sempre vou torcer pelo Lucas. Ainda mais com tanta humildade e simpatia. Às vezes reclamamos de uma coisa ou outra, e ele está mostrando que a vida não é assim. Espero algum dia jogar metade do que ele joga.”

As informações sobre deficiência visual foram obtidas através noticias do site do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e de matérias feitas pelo site do globo esporte e globo.com.

Para encontrar um oftalmologista busque no Help Saúde.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Vai tirar férias? Veja algumas dicas de saúde antes de embarcar

Na hora de viajar, preocupar-se apenas com a vacinação obrigatória de determinadas regiões está fora de questão. O planejamento da viagem deve incluir preocupações com a saúde.
Para evitar grandes transtornos os turistas estão procurando a Medicina do Viajante. Esta área é voltada aos cuidados médicos relacionados aos deslocamentos entre cidades e países, é um instrumento para uma a viagem sem risco.

Os cuidados com a saúde devem ter início com uma consulta que se analise o roteiro planejado, incluindo uma avaliação individual das atuais condições de saúde do passageiro, os locais pelos quais irá passar, os tipos de hospedagem contratados e os meios de transporte utilizados.

Além deste processo o paciente deve tomar certos cuidados, como os indicados abaixo por profissionais especializados:
  • A consulta médica deve ser feita quatro semanas antes da viagem, pois muitas vezes as pessoas viajam com condições patológicas pré-existentes;

  • Seguros de saúde costumam encaminhar seus clientes para hospitais comuns, o que pode causar erros de diagnóstico no caso de uma doença inexistente naquele país;

  • É recomendado fazer uma consulta médica após a viagem para diagnosticar doenças adquiridas nos locais visitados;

  • Um profissional da medicina do viajante pode orientá-lo sobre possíveis doenças emergentes, como são chamadas as enfermidades que não existiam como a gripe causada pelo vírus influenza;

  • Quando for para países africanos, tenha cuidado com a Malária, doença transmitida pela picada de inseto que causa morte. Usar perfume ou repelente com aloe vera e usar roupas coloridas ou escuras atraem os mosquitos transmissores;

  • Na Ásia, a poliomielite e a encefalite japonesa, uma infecção aguda responsável por um quadro neurológico gravíssimo, são algumas das preocupações para quem visita esse continente que muitas vezes apresentam condições higiênicas insatisfatórias;

  • Na Bolívia e Peru os cuidados devem estar na alimentação de rua, febre amarela em algumas regiões de floresta e o clássico “mal de altura” que acomete os que visitam cidades altas. Ainda assim, cada roteiro exige uma orientação diferente;

  • Recomenda-se não voar em até 24 horas após a realização de atividade marítima. Mergulho e avião são duas combinações mortais, devido aos altos riscos de uma embolia gasosa;

  • Na Europa os cuidados são em relação aos Alpes e as estações de esqui, pelo risco de enjôos em altas altitudes, e também pela possibilidade de queda. Tombos em geral são as principais causas de acidente entre os que viajam;

  • Certas regiões rurais da Europa sofrem também com a brucelose, doença causada por uma bactéria encontrada em laticínios caseiros.
Durante o vôo também se deve ter cuidado. Segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM), algumas precauções devem ser tomadas antes de voar.
  • Evite viajar se estiver com complicações cardiovasculares ou problema respiratório ativo como pneumonia ou sinusite;

  • Faça uma avaliação médica caso tenha passado por alguma cirurgia;

  • Não viaje com fraturas recentes;

  • Gestantes com mais de 36 semanas de gravidez, ou 32 semanas no caso de gestação múltipla, devem ter autorização médica;

  • Bebes só viajam com mais de duas semanas de nascimento;

  • Leve medicação com a quantidade exata para ser usada no vôo, e também a receita, as dosagens e os horários de uso. Em caso de haver fuso pergunte ao médico sobre os horários de ingestão;

  • Evite consumir líquidos em excesso ou comidas gordurosas, para não ter enjôos;

  • A região próxima as asas costuma ser menos turbulenta.
As informações a cima foram retiradas do site da UOL em matéria feita no dia 2/12/10.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Dores no peito - Saiba se esta dor é oriunda de uma doença cardiovascular

Aproveitando este final de ano, com a chegada das festividades e as últimas rodadas do campeonato brasileiro de futebol, discutirei sobre dor no peito !!!
Seja durante um jogo de futebol ou na espera do resultado de um teste, seja por uma desventura amorosa ou discussão acalorada, uma grande parcela da população já sentiu um desconforto no peito !!!

Um fato interessante sobre a dor torácica é que quando a sentimos logo levantamos questionamentos e procuramos atendimento médico (“Será que estou infartando?), mas quando temos uma dor de cabeça não nos preocupamos se é um derrame cerebral ou um tumor, apenas tomamos um analgésico!

Mas da onde vem tanta precaução com a dor torácica ?

Alguém poderia pensar que talvez seja pelo fato de que muitos de nós já ouvimos falar que um tal “fulano” teve dor no peito e verificou-se que era um infarto. Poderia ser a estatística, a todo momento se noticia que a doença cardiovascular é a principal causa de óbitos no Brasil e em todo o mundo ocidental.

Mas afinal dor no peito é igual a infarto ? Tenho dor no peito frequentemente, quer dizer que tenho angina ?

No tórax temos várias estruturas além do coração, temos os pulmões e suas pleuras, temos o esôfago, as costelas, clavículas e os omoplatas, temos os grupamentos musculares e a coluna. Portanto, existem outros órgãos e tecidos que podem gerar uma dor torácica, sem contar com os quadros piscossomáticos (síndrome do pânico, ansiedade, etc..) e, até mesmo, doenças em órgãos que estão fora do tórax (estômago, pâncreas, etc..).

Sem dúvida a dor torácica relacionada com problemas cardíacos ou vasculares é a mais temida e relacionada com um desfecho desfavorável, porém nem todos irão desenvolver estas doenças ao longo de suas vidas. Existem situações e circunstâncias que aumentam a chance de desenvolver a famosa angina pectoris, que é a dor no peito relacionada com doença cardiovascular.

Mas como se faz para saber se minha dor no peito é relacionada com o coração ?

Infelizmente não há uma “receita de bolo”, na qual se você apresentar determinado sintoma você tem isto ou aquilo, entretanto, existem algumas características que são mais peculiares à doença cardiovascular.

Sabe-se que alguns hábitos ou estilos de vida são mais relacionados ao desenvolvimento da doença cardiovascular, pode-se citar: obesidade, sedentarismo, tabagismo, etilismo, uso de entorpecentes. Algumas doenças também têm estrita relação, como: diabetes, hipertensão, dislipidemias (alteração colesterol), insuficiência renal, alguns casos de disfunção erétil, entre outras, e não posso deixar de citar também a idade e histórico familiar de infarto do miocárdio.

Mas como já disse não é “matemática”, ou seja, não é por que você não possui nenhum dos fatores relatados que você não poderá evoluir com infarto, na realidade, isto só nos diz que você não é um forte candidato. Devemos sempre lembrar da individualidade, fator que não se pode mensurar !!!

O mais importante da dor torácica é a sua caracterização. É de extrema importância que o paciente seja capaz de relatar para o médico todo o processo de desenvolvimento da dor, como por exemplo: definir o momento exato de seu início, a atividade física que se estava desempenhando no momento de início da dor (assistindo televisão, subindo uma escada, discutindo ao telefone, etc...), a intensidade da dor em relação a outras já vivenciadas, se ocorreu irradiações (para o braço, pescoço, etc..), se houve algum fator de alívio (determinada posição ou medicação), o tipo da dor (queimação, peso, choque, etc..) e a sua duração. Quanto mais detalhado for o relato do paciente, maior a chance do médico acertar o diagnóstico com a utilização de uma menor quantidade de exames e menor tempo para estabelecê-lo.

Dispõem-se de várias modalidades de exames para se definir a causa de uma dor torácica, exatamente quais deverão ser realizados dependerá dos indícios clínicos e das características da dor .

Se o julgamento clínico do médico levá-lo a pensar em doença esofageana, poderá ser realizada uma endoscopia, se for de origem pulmonar/pleural poderá ser realizado uma radiografia ou tomografia de tórax, se for de origem cardíaca temos a disposição eletrocardiograma, ecocardiograma, dosagem sanguínea de enzimas cardíacas, etc...

No final das contas o importante é ter noção do seu histórico familiar, conhecer seu corpo e o seu estado de saúde, fazer acompanhamento médico regular e ter seus hábitos de vida os mais saudáveis possíveis dentro do contexto de nossa vida cotidiana.

Lembre-se: Se apresentar dor no peito procure atendimento o mais rápido possível !!!



Abraços Dr. José Márcio




Se você é profissional de saúde e gostaria de colaborar com o nosso blog envie um email para renata@helpsaude.com

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Saiba mais sobre o tratamento e prevenção de varizes


A partir desta semana estamos convidando profissionais de saúde para colaborarem com o blog do Help Saúde.

A proposta é enriquecer a experiência do leitor a promover o conhecimento dos milhares de profissionais de saúde que temos no nosso Brasil.

Nosso primeiro post é do Cirurgião Vascular Felipe Silva da Costa.Vamos aprender um pouco sobre VARIZES.



VARIZES DE MEMBROS INFERIORES

Para explicarmos melhor sobre varizes, vamos começar com uma pequena noção sobre a anatomia e funcionamento das veias normais, ok?

Nossas veias, em sua grande maioria, apresentam válvulas que funcionam como comportas no seu trajeto. Essas válvulas são responsáveis por manter o fluxo do sangue em uma única direção, sem que aquela quantidade que passou por uma delas não retorne ao segmento anterior, ou faça um movimento de refluxo (que alguns de vocês lerão principalmente em laudos de Eco Doppler – exame solicitado para melhor visualização desses vasos através de ultrassom). Quando essas válvulas se tornam doentes, ou insuficientes, acontece o refluxo, que sobrecarrega o segmento anterior, dilatando aquela região. A outra parte da causa do aparecimento de varizes é o enfraquecimento da parede das veias que, com o passar do tempo, perdem sua elasticidade, tornando-se dilatadas constantemente.

Bom, e por que as varizes aparecem normalmente nas pernas? Depois do que foi escrito acima, acho que fica um pouco mais fácil de entender. Nosso corpo sofre a Lei da Gravidade dentro dele também. Então, aquele sangue que foi em direção ao pé e às pernas terá mais dificuldade em retornar. Ele terá que “brigar” com a gravidade para subir, o que levará, em qualquer um, à dilatação das veias para acomodá-lo melhor nesse processo. Com o passar do tempo, as veias das pernas começam a perder esta capacidade de dilatação e retorno ao seu tamanho normal, e começam a ficar constantemente dilatadas, evoluindo para a formação das varizes.

Em meu consultório, eu comparo sempre com uma bermuda de elástico! Uma bermuda de elástico novinha, nós podemos puxar suas laterais e ela voltará para a mesma posição. E quando ficam velhas? O que acontece? Começa a sanfonar a cintura, a não prender mais no quadril... É mais ou menos isto o que acontece com a veia após muito tempo de trabalho, digamos assim. As válvulas e as paredes se tornam insuficientes, retendo o sangue, dilatando as veias e levando a inchaços em consequência a este processo, o que provoca dor, coceira (prurido), “formigamento”, “queimação”. E tudo isso acontece mais em que período do dia? Após a jornada de trabalho – um dia inteiro de pé, sentado ao volante ou em sua mesa do escritório, dificultará o retorno do sangue, iniciando o ciclo citado acima.

“Ah, doutor, minha mãe, minha tia, minha avó, todo mundo lá em casa tem varizes! Eu vou ter também?” É, realmente, neste caso, a chance é grande! A hereditariedade é um fator um pouco complicado de se avaliar em uma doença como as varizes porque ela é muito comum em quem tem história familiar, mas também em quem não tem. Como não é rara, alguém normalmente tem um parente próximo que tem. Mas sim, aumenta a chance.

O que se pode dizer com maior certeza é que quanto mais velho (tempo de trabalho) e o tipo de profissão (de pé, carregando peso, dirigindo...) aumentam bastante a incidência das varizes. Além disso, mulheres têm mais tendência do que os homens, sugerindo a existência de um fator hormonal feminino (quatro mulheres para cada homem, estatisticamente, mas as mulheres procuram mais o tratamento que os homens, acredito que por causa da interferência estética). Pacientes obesos apresentam também mais varizes devido à sobrecarga de peso nas pernas.

O tratamento de varizes se baseia em cinco pontos-chave: exercícios físicos, repouso com pernas elevadas, medicação, uso de meia elástica de compressão e cirurgia.

Os exercícios físicos regulares melhoram a circulação, visto que, quando praticados, a musculatura da panturrilha (a “batata-da-perna”) contrai, ordenhando o sangue ali retido para cima, colaborando com sua luta contra a gravidade! Com isso, diminui a sobrecarga sobre as veias da região. O uso de saltos altos pelas mulheres não aumenta a chance de ter varizes, mas piora os sintomas, já que a musculatura da panturrilha permanece contraída, não fazendo o mecanismo de ordenha como falamos.

O repouso com as pernas elevadas também auxilia nesta briga, facilitando o escoamento do sangue, utilizando-se a gravidade a seu favor.

As medicações receitadas, conhecidas como flebotônicas, melhoram a capacidade destas veias voltarem a seus calibres normais e não dilatarem tanto. Porém, o uso delas não livra ninguém dos pontos anteriores! Como digo, elas dão um “empurrãozinho” na melhora, principalmente diminuindo o inchaço (edema) e consequentemente as queixas de dor, queimação, formigamento, etc.

As meias elásticas de compressão têm uma função simples e eficaz: comprimem as veias, não as deixando dilatar e não criando espaço, digamos assim, para formação de edemas também.

E, por fim, o tratamento cirúrgico. Este tem como objetivo a retirada daquelas veias já doentes, que levam às queixas. A cirurgia não pode ser encarada como fim do tratamento. A Insuficiência Venosa é uma doença crônica, ou seja, acompanha seus portadores praticamente por toda a vida depois de instalada. Portanto, o paciente que foi operado não deve de forma alguma interromper os outros quatro pontos citados, com destaque para os exercícios físicos, para o repouso com pernas elevadas e, para aqueles que fazem sua jornada de trabalho muito tempo de pé ou sentados (quase todas as profissões, não é?!), o uso da meia.

O objetivo do tratamento é a prevenção do aparecimento das varizes. A evolução desta doença leva a inchaços cada vez mais difíceis de tratar e mais dolorosos, ao escurecimento e endurecimento da pele das pernas (próximo aos tornozelos na sua maioria), ao aparecimento de úlceras nesta região, à maior chance de trombose e de flebites (inflamações das veias).

Lembrem-se: Não temos o intuito de substituir o seu médico. Portanto, não deixem de procurar o Angiologista ou o Cirurgião Vascular para ser examinado e ter seu tratamento iniciado de forma adequada.

Um grande abraço, Dr. Felipe

Se você é profissional de saúde e gostaria de colaborar com o nosso blog envie um email para renata@helpsaude.com