sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Ansiedade de Fim de Ano

Ansiedade? Adicione bom humor ao fim de ano!

Natural nos sentirmos ansiosos no final do ano. Sim, é natural. Mas, escute a si mesmo. De que adianta cumprir com tanto rigor o ritual de fim de ano (compras, comemorações, resoluções) se isso lhe obriga a perder noites de sono, a não ter tempo para compartilhar despreocupadamente com a família e amigos? Enfim, a se distanciar tanto do que deveria ser o propósito deste período especial do ano.

E para quem está longe dos seus, trabalhando ou estudando, impedidos de alguma forma de voltar para casa. Há ainda a possibilidade de sermos tomados por algum sentimento pessimista ao rever o ano, ao perceber que não atingimos todas as nossas metas.

Também há aqueles que perderam entes queridos; que estão doentes, cuidando de doentes ou sentindo-se muito solitários por alguma razão.

Parece mesmo que não vai dar tempo para nada. Tudo que se vê ao redor são pessoas correndo para realizar tarefas e obter sucesso no trabalho, na vida afetiva, lutando interiormente para se sentir melhor e mais bem sucedido nos últimos momentos do ano. Comprometidos em realizar aquele sonho de anúncio de margarina. A tal ponto que se perde de vista tudo o que já foi conquistado. Nenhum resultado parece suficiente.

Há para alguns uma obrigação de serem felizes. Uma angústia por realizar grandes feitos no último mês do ano. E todo um corre-corre para cumprir metas.

É só o fim do ano!!

Então, o quê fazer? Quantas questões norteiam nossos sentimentos nessa época: Quem sou eu nesta família? O que é Sucesso? O quê eu poderia ter feito melhor?

Quanta pressão podemos sentir diante desses dias finais do ano.

É verdade que muito depende de como levamos este ano que termina. Assim, como também de como levamos a vida. Afinal, é igualmente importante como nos sentimos e como encaramos os desafios e as frustrações que fazem parte da vida.

Então, quando a vida familiar fica em evidência, os sentimentos comumente se misturam a uma angústia. As mães brasileiras são realmente especiais. Mas, muito rigorosas consigo mesmas. É comum seguirem a máxima de que tendo seus familiares (filhos, marido, demais entes queridos) felizes, então estarão felizes. Geralmente, isso as deixa satisfeitas, mas também exaustas nessa época do ano.

Os pais separados tendem a sofrer com a negociação de quem fica com os filhos nas festas. Invariavelmente, as crianças sofrem, digamos, respingos dessa angústia.

Os namorados também ficam divididos literalmente sobre quem passa o natal com quem.
E os pais e avós angustiam-se porque os adolescentes, os jovens querem passar o ano novo com os amigos.

Para tudo isso há um simples remédio: diálogo. A proposta é exercitar a tolerância e a empatia (habilidade humana de se colocar no lugar do outro) para resolver estas questões.

Vale lembrar que a HARMONIA não pode ser originada exclusivamente do trabalho abnegado e constante das mães. Participe, observe e contribua para a harmonização de fim de ano.

Vamos lembrar também de perdoar e esquecer as mágoas e desentendimentos, ao menos por alguns instantes para experimentar estarmos todos juntos. TOLERÂNCIA E CONCILIAÇÃO podem ser mais fáceis de exercer do que se imagina. E quem sabe podem até ser incorporados para o ano seguinte?

“O que será o amanhã?”

A mera constatação de que estamos chegando a mais um final de ano, ao fim de um ciclo, nos impulsiona a fazer uma revisão, um balanço de como fomos em 2011.

Geralmente, encaramos nossos resultados como uma avaliação final. E como, nestes momentos, tendemos a ser rigorosos, muitos de nós tendem a se sentir mal-sucedidos ou incapazes na vida como um todo. Sentem-se “INFELIZES PARA SEMPRE”.

É um fato já constatado em pesquisas médicas que esta época do ano tem os maiores índices de tentativas de suicídio e altos índices de depressão.

Vamos, então nos lembrar que se trata de uma PAUSA AGRADÁVEL para saborear o que somos, o que temos e o que amamos. Basta de tanto rigor e pressa. Estamos aqui hoje. Em breve seguiremos em frente. O ano de 2012 chegará sozinho. Não precisamos buscá-lo.
Como pode ser agradável apenas saborear esta pausa de fim de ano!

Descansar e compartilhar momentos que nos mostram de forma simples e mágica como um pouco de calma, tolerância e uma pitada de silêncio para ouvir os outros nos renovam para um novo ano.


FELIZ 2012!


Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Dermatite atópica

O que é dermatite atópica?
Doença inflamatória crônica que ocorre na pele e causa o surgimento de lesões e coceira. A doença também é conhecida como eczema atópico. Em geral, pode afetar indivíduos com histórico familiar de asma, rinite alérgica ou dermatite. A doença é hereditária, e não é contagiosa.

Uma criança em que pelo menos um de seus pais seja asmático, apresente rinite alérgica ou a própria dermatite atópica, possue 25% de chances de vir a apresentar a doença. No caso de ambos os pais possuírem uma das doenças, as suas chances dobram(50%).

Ainda não se conhecem as causa exatas da dermatite atópica. Certas condições como a convivência com algumas substâncias (poeira, conservantes,certos produtos de limpeza), determinados tipos de tecido, frio severo, ar seco, calor, transpiração e estresse podem iniciar uma crise.

É uma doença comum, que ocorre em todo mundo, principalmente nas grandes cidades. Estudos indicam que os casos registrados têm aumentado nas últimas décadas. Desta forma, entre 10% a 15% da população poderão apresentar a doença em algum momento durante a vida.

Quais são os sintomas da dermatite atópica?
A pele apresenta placas avermelhadas, com muita coceira no local, e que podem apresentar descamação. A transpiração (suor) no local das lesões aumenta a coceira, e as lesões podem apresentar feridas. Quando ocorrem em crianças, as lesões surgem no rosto, tronco e membros.
Em crianças mais velhas e em adultos, as lesões tendem a se localizar nas dobras como pescoço, cotovelo e joelho. Há, raramente, casos mais graves em que a dermatite atópica se espalha por todo o corpo.

A dermatite atópica costuma ocorrer no primeiro ano de vida, e em cerca de 60% dos casos. A criança afetada, então, apresenta redução na incidência das lesões ou mesmo o desaparecimento completo da doença até o 5 anos de idade.

Como é feito o diagnóstico da dermatite atópica?
O diagnóstico é feito pelo exame médico realizado por um dermatologista.

O que esperar do tratamento da dermatite atópica?
A partir do exame das lesões, o dermatologista poderá escolher que tipo de tratamento é o ideal para o paciente. Em termos gerais, são usados cremes ou pomadas nos locais das lesões.
Estes irão agir na irritação, hidratar a pele e prevenir ou tratar infecções bacterianas que se coloquem sobre as lesões.

Quais as recomendações devem ser seguidas?
1. A pele seca é um importante fator para a piora da dermatite atópica. Então, durante o banho, deve se evitar a água muito quente.
2. O banho deve ser rápido, minimizando o uso do sabonete e buchas ou esponjas de banho. Deve-se usar um hidratante neutro, dê preferência ao recomendado pelo médico, imediatamente ao sair do banho, para aproveitar a umidade que ainda se encontra na pele.
3. Mudanças bruscas de temperatura devem ser evitadas, sempre que possível.
4. Durante a prática de exercícios físicos, a transpiração pode causar uma leve irritação e aumento da coceira. Não é contra-indicada a prática de exercícios, mas a natação tende a ser a mais recomendada, e após a prática, deve se retirar todo o cloro da pele durante o banho.
5. Prefira roupas de algodão, e evite as de tecido sintético ou lã que retém o suor e impedem a ventilação.


Precisando de algum dermatologista em sua cidade?

Fonte: Editoria HelpSaúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

BEBERMORAR

O álcool está presente na história da humanidade há tempo suficiente para ter participado de rituais com animais e pessoas mortas, para ser o centro de milagres e rituais de sucesso nas colheitas e caças, casamentos e vitórias de toda sorte.

Infelizmente, ele é coadjuvante assíduo também em conflitos familiares, em brigas de trânsito, em acidentes de trabalho, conflitos armados e em mortes trágicas de vários tipos. A coragem, a sorte e a aventura costumam estar associadas a ingestão de álcool.

A culpa é ou não da bebida?
A culpa pode não ser de ninguém, mas alguém deve ser responsabilizado, certamente.

Bebemos, não só porque é líquido. Bebemos também porque é uma delícia, faz casquinhas na garganta (dizem) e o bem estar que provoca no início é ótimo. Combina mesmo com ocasiões alegres e festivas. Sua presença é uma constante em todos os eventos realmente importantes na vida das pessoas.

Em doses moderadas e nos momentos certos, pode mesmo fazer bem à saúde, manter o colesterol em níveis seguros e diminuir o estresse. As doses moderadas são as mesmas para quase todos nós, maiores de 18 anos. Há os que não podem beber por restrições de saúde (diabéticos, alcoolistas, pessoas em uso de alguns medicamentos e outras situações). Há também os que estão trabalhando ou que irão dirigir ou operar máquinas de precisão, cuidar de crianças ou enfermos, enfim. Sabem que não é o momento.

O problema mesmo está na dificuldade de se encarar os limites, especialmente em momentos de festa e descontração.

Medidas simples para não pagar mico e poder relaxar e se divertir sem precisar ficar abstêmio (se você não tem restrições médicas quanto a beber):

• Água! Beba líquidos como água, sucos, água de coco;
• Alimente-se corretamente. Coma de 4/4h refeições leves e de fácil digestão;
• Não abuse de alimentos gordurosos e massas;
• Um clássico: não misture destilados com fermentados. De fato, escolha as bebidas pelo teor alcoólico e dê preferência às misturas com água, gelo e frutas;
• Faça pausas. Espace o tempo entre a ingestão de álcool, associando sempre à refeição.

Há um cuidado especial em relação aos excessos neste período. O EXEMPLO. Há estatísticas que comprovam que o início do uso de bebidas alcoólicas antes dos 18 anos, em especial dos meninos, se dá em festas e comemorações dentro de casa, dentro das reuniões de família. Esta é mais uma razão para termos responsabilidade em meio à diversão. Precisamos estar cientes de como apresentamos as bebidas alcoólicas aos nossos filhos.

Não se trata simplesmente de repreendê-los ou censurá-los, mas, em especial, de nos darmos conta de que eles aprendem com o que fazemos muito mais do que com o que falamos. Saúde!


Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Bronquite

O que é bronquite?
Quando respiramos, nossos pulmões buscam o oxigênio do ar para que este chegue ao sangue, de onde irá oxigenar nossas células. No pulmão, existem os brônquios, que são canais que conduzem o ar inalado até os alvéolos pulmonares. Bronquite é a inflamação nos brônquios, e se instala quando os minúsculos cílios que revestem o interior dos brônquios deixam de eliminar o muco existente nas vias respiratórias, fazendo com haja uma acúmulo de secreções e com isso permanecem inflamados e contraídos.

A bronquite pode ser aguda ou crônica, e a diferença consiste na freqüência das crises, duração e agravidade. Quando são mais curtas, em torno de uma a duas semanas, temos a bronquite aguda.

No caso da bronquite crônica, os sintomas não somem, se agravam pela manhã, e as crises duram em torno de três meses ou mais por pelo menos dois anos seguidos.

Quais são as causas da bronquite?
A bronquite aguda normalmente é provocada por vírus. Mas, existem casos em que ela surge como resultado de uma infecção bacteriana. Fatores alergênicos do ambiente como:

• ar poluído,
• poeira,
• ácaros e
• produtos químicos como inseticidas e tintas, além dos ácaros podem desencadear uma crise.

O cigarro é um grande responsável pelo agravamento da doença.

A bronquite crônica potencializa o risco de outras infecções respiratórias, principalmente a pneumonia. A doença pode surgir com uma evolução da bronquite aguda, mas o principal causador é a fumaça do cigarro.

É uma doença comum entre os tabagistas, mas que é mais rara entre os não fumantes.

Quais os sintomas da bronquite?
Seja na forma aguda ou crônica da doença, o principal indicador da doença é a tosse. Na bronquite aguda a tosse se manifesta de forma seca ou com secreção. Na bronquite aguda, a tosse vem sempre acompanhada de secreção, sendo de aspecto claro no início e com a evolução da doença, a secreção torna-se amarelada e espessa. Falta de ar e chiado são sintomas característicos da doença.

Como é feito o diagnóstico?
Quando apresentar tosse persistente por mais de 10 dias, procure um clínico geral e passe por um exame clínico. Eventualmente, ele poderá pedir exames para confirmar seu diagnóstico. Poderá também encaminhá-lo a um pneumologista para tratar bronquite alérgica por exposição aos itens já citados (poeira e etc).
Como é feito o tratamento da bronquite?
A bronquite aguda tem curta duração, no máximo dez a quinze dias, e não existe um tratamento específico para agir nos episódios em que a doença é provocada por vírus. Recomenda-se uma hidratação adequada, o uso de analgésicos e descongestionantes e evitar o contato com fatores de risco como forma de prevenção da crise e alívio dos sintomas.

No caso da bronquite crônica, a principal recomendação é abandonar o tabagismo, quando fumante.

Deve se evitar ambientes onde exista fumaça de cigarro. Medicamentos somente devem ser utilizados após rigorosa avaliação médica.

Também pode ser necessário seguir uma investigação médica quanto à presença de alergias respiratórias que facilitem a inflamação dos brônquios. Nestes casos, geralmente há gripes freqüentes, sinusites e outros sintomas respiratórios que ocorrem com freqüência também.

Medidas saudáveis para prevenir problemas respiratórios:

• Deve ser beber sempre bastante liquídos (facilitando a expectoração e desentoxicando o organismo);
• As mãos devem ser lavadas sempre;
• O uso de máscara ou proteção deve ser adotado e se estiver sujeito a ambientes cujo ar possua elementos que possam causar irritação.
• É recomendável que se evite o contato com pessoas resfriadas, com gripe ou demais doenças que possam ser transmitidas por vias aéreas.
• A tosse com secreção não deve ser contida ou evitada, e deve se evitar sempre que possível permanecer muito tempo em ambientes com ar condicionado ou ar seco demais.
• Tenha o hábito de lavar as vias aéreas (o nariz) com soro fisiológico, ao menos 2 vezes ao dia, mesmo quando não estiver em crise alérgica, tosse ou bronquite.


Já consultou algum pneumologista em sua área?

Conhece algum otorrinolaringologista em sua cidade?

Fonte: Editoria HelpSaúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

COMERMORAR

Então chegaram as festas. É época de esquecer tudo que foi chato, triste ou difícil e comemorar!

Interessante como algumas pessoas conjugam este verbo: comermorar...

Há muito tempo atrás, as festas de fim de ano, na Europa, por exemplo, tinham um significado a mais. A refeição farta, colorida que ainda servimos, com algumas adaptações, também significava o sucesso da colheita e a sobrevivência às intempéries.

Não temos mais estes problemas, certo? A fartura agora é puro luxo. Regozijo inclusive de estarmos juntos no dia seguinte para comer as sobras, que já fazem parte do dia 26 de dezembro.

É sempre reconfortante cozinhar, servir, comer os mesmos pratos que são feitos na família há gerações. Não é exatamente uma época de surpresas, ao menos para os adultos (as crianças esperam seus presentes e geralmente nem se preocupam com a comida).

E o que pode haver de errado nisso?!

Pois é, épocas de excessos de massas, álcool e açúcar são estatisticamente momentos de picos de surgimento de diabetes tipo I ou II. Também de crises de vesícula, coma alcoólico, crises renais, intoxicações alimentares e hepatites alcoólicas surgindo até três semanas a seguir. Por que isso? Excessos, que poderíamos ter facilmente evitado.

MEDIDAS SIMPLES QUE TORNAM ESTES MOMENTOS MAIS LEVES

• Beber bastante líquido (água, sucos, água de côco, mate) no dia anterior, no dia de natal, ou ano novo e no dia seguinte;
• Caminhar ou nadar 30 minutos ao menos, nesses dias;
• Adicionar um bom prato de salada (coloque frutas frescas ou secas, também castanhas) colorida e fresca antes do prato principal;
• Tempere suas saladas com molho de iogurte ou iogurte com maionese (3 de iogurte para 1 de maionese) e use limão ou vinagre de arroz para turbinar a digestão;
• Evite abusar de álcool, escolha vinho branco e champagne ou similar;
• Imagine o que costuma servir de massa nessa refeição e corte pela metade.
• Coma sem pressa, saboreando toda explosão de sabores que só encontramos esta época do ano (boa parte dos excessos vem de não nos darmos conta do quanto estamos comendo durante a refeição).

Afinal, de onde vem toda essa euforia à mesa?

A Euforia vem de termos chegado até aqui novamente. Cada ano com conquistas e perdas, mas com a satisfação de termos retornado a este momento. Estão todos em suas melhores roupas, cheirosos, arrumados, reunidos para mais esta confraternização especial.

Em meio a tantos preparativos: a decoração, as músicas, os presentes, a reunião das pessoas, dispostas a se confraternizar, a comida é mais uma das delícias destes momentos especiais.

Vamos, então, saborear. Demorar um pouco mais nas garfadas, mas também nos abraços, nas conversas, nas danças (dançar ajuda muito na digestão!). Vamos fazer uma pausa entre os petiscos, a refeição e a sobremesa. Não se esqueça de conversar com todos, tenha mais calma.

Há sempre aqueles parentes que só vemos nessa época do ano. Que será que trazem de novidades. Compartilhar é o lema.

Ah, não se esqueça também que dormir logo após comer é receita certa para uma má digestão. Demore mais umas duas horas com a sua família e amigos. Divirta-se!!!


Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

sábado, 24 de dezembro de 2011

Espírito Natalino e Saúde

A Caridade e a Tolerância. São estes os princípios que fundamentariam o famoso Espírito Natalino. No entanto, com toda a correria de final de ano, o quê realmente sobra de Espírito Natalino? Muitos responderão: “Dar presentes!”

Então, preparem-se para mais correria. No meio de todas as tarefas para fechar um ano de trabalho, serão necessários alguns sacrifícios a mais para garantir uma noite de natal tranqüila em família. Vamos aproveitar o horário de almoço ou entrar em shoppings lotados no final de um dia de trabalho para comprar lembrancinhas e presentes. Apenas para, no dia seguinte, descobrir que nos esquecemos de mais alguém e ter que enfrentar essa loucura toda novamente.

O final do ano acaba se tornando mais uma enorme tarefa?

As reuniões de trabalho, as reuniões de amigos, as reuniões de família. Um corre-corre barulhento e colorido toma conta das cidades e dos lares. Crianças e adultos sonhando com os presentinhos e agrados que estão liberados nestes dias.

E o tal Espírito Natalino, aonde foi mesmo?

Bom, a caridade é a forma mais sublime de amor. Um amor abnegado, que nada pede em troca. Será que de fato ela existe?

Ao menos de relance, em especial nesta época do ano, ele pode ser visto sim. Se por algum instante conseguimos nos distanciar desde murmurinho consumista, poderemos ouvir o som das canções natalinas, das avós cuidadosas e dos brinquedos que tivemos. E sorrir!

Mesmo porque, o milagre, a mágica, e mesmo a saúde, estão nos detalhes.
Maquiavel, aquele italiano ambicioso, famoso por sua forma de conquistar poder, não entendeu nada da vida, não é? Afinal, não é o Fim que justifica os Meios. São os Meios que gratificam a nossa vida.

Não é o presente, é a intenção, o gesto. Assim, corra menos e pense mais. Esforce-se para estar realmente lá na hora da confraternização de fim de ano no seu trabalho. Ser afetuoso e atento durante os momentos que passará com as pessoas com quem trabalhou (e até se estressou) durante todo esse ano. Procure escolher suas palavras.

Evite:
• Ficar no celular;
• Falar de trabalho;
• Exagerar na comida;
• Exagerar na bebida;
• Fazer críticas (mesmo que construtivas).

Aproveite o momento!

Na sua casa, em meio à sua família, procure realmente estar lá. Estar com as pessoas. Ouví-las. Participar.

Claro, que olhando superficialmente, tudo acontece do mesmo jeito todos os anos. Mas, olhe novamente. Estamos todos juntos, bem vestidos, alegres, dispostos a compartilhar um momento especial por ano em que tudo pára para estarmos aqui. Unidos. Saboreie estas poucas horas com alegria.

E o quê pode ter a ver a saúde com estes momentos?!

Acontece que Caridade faz bem à saúde! Existem realmente pesquisas que comprovam como há liberação de endorfinas, diminuição do estresse e melhoria no bem estar físico e mental, nestes momentos. Assim, dar pode mesmo ser melhor ainda do que receber.

Então, saia um pouco da sua rotina, da sua vida pessoal, da sua família. Olhe ao redor.
Pense em quem não tem e precisa de um afago no final do ano para acreditar que o próximo ano, que o futuro pode ser melhor.

Quer contribuir para o Espírito natalino?

Procure os correios. Escolha uma das inúmeras cartas de crianças que precisam de ajuda para receber o Papai Noel em casa e participe do Espírito Natalino que circula por nós esta época do ano.

Não importa a sua religião, neste momento. É a caridade, o bem estar entre as pessoas, a comunhão presente nos pequenos gestos.

Doe! E receba mais do que esperava.


Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Furúnculo

O que é furúnculo?

Trata-se de uma doença de pele razoavelmente comum. Ela surge quando existe inflamação nos folículos pilosos, que são as cavidades onde nascem os pelos. Este poro aonde surgiu inflamação acaba sendo contaminado por bactérias que costumam colonizar a pele. O resultado é o acúmulo de pus e tecido morto dentro do poro. Com a expansão da infecção, a pele ao redor vai sendo atingida. Forma-se um orifício maior com o seu contorno bastante doloroso, avermelhado e inchado.

Costuma ser causado pela bactéria estafilococos. Pode ocorrer em diversas áreas do corpo. Mas, surge principalmente em locais de maior atrito ou transpiração como axilas, virilhas, nádegas, face interna das coxas ou pescoço.

Quando a bactéria entra no folículo, se espalha e forma-se uma lesão dolorosa, com tamanho variando de acordo com a profundidade do folículo atingido. A lesão tem aspecto enrijecido, quente e de coloração avermelhada.

O centro da lesão tem tom amarelado, devido à necrose causada pela infecção, e popularmente, é chamada de carnegão.

Nos casos em que vários furúnculos se “interconectam”, formando o que se chama de carbúnculo.
Em casos mais graves, podem resultar em abscessos.

Quais são os sintomas apresentados?

Inicialmente o paciente percebe um nódulo na pele, avermelhado, bastante doloroso e com inflamação. O local da lesão fica quente e endurecido, e pode ou não ter um ponto central com pus.

Conforme o furúnculo evolui (poucos dias), o nódulo se rompe e elimina pus e uma massa esbranquiçada (carnegão), resultando em uma ferida, que quando cicatriza pode deixar uma mancha escura na pele.
Algumas pessoas podem apresentar episódios repetidos de ocorrência de furúnculos, aos quais se dá o nome de furunculose. Esta evidencia uma deficiência do organismo em combater a infecção do folículo piloso (do pelo encravado, por exemplo).

Como é feito o tratamento do furúnculo?

O médico, durante a análise clínica, irá avaliar os sintomas e o aspecto da lesão. Não são necessários exames mais específicos ou detalhados, a não ser no caso de furunculose, onde deverá ser investigada qual a deficiência que o paciente possui e que o deixou vulnerável à doença. A partir daí, ele irá traçar uma estratégia para melhorar a sua imunidade.

Enfim, furúnculo poderá ser tratado com medicação local ou oral, segundo a evolução e extensão do caso e à critério médico.

Quando se tratar de caso muito doloroso e que apresente a superfície amolecida, pode ser indicada a drenagem da lesão, para ajudar no alívio da dor. Este método somente poderá ser executado por médico ou enfermeiro. Não é recomendável fazer em casa ou por conta própria.

Compressas de calor podem auxiliar diminuindo o tempo da inflamação, mas mesmo essas só devem ser feitas com orientação médica.

Normalmente, o furúnculo melhora espontaneamente, após a eliminação do pus e tecido necrosado. Em seguida, ocorre a cicatrização do local lesionado.

É possível evitar o surgimento do furúnculo?
Quais as recomendações a serem adotadas?

1. Evitar usar roupas apertadas e produtos de higiene na pele que possam obstruir de alguma forma os poros.
2. Não se deve espremer a lesão de forma alguma, pois isso pode facilitar a chegada da bactéria na corrente sanguínea, disseminando, espalhando a infecção;
3. O cuidado com a higiene é muito importante. Deve-se manter a pele sempre limpa, e utilizar sempre roupas, toalhas e roupas íntimas bem lavadas.
4. Se o furúnculo se romper, evite tocar no pus expelido, e quando houver contato, lave muito bem as mãos e limpe a área da lesão para evitar outras contaminações.
5. Se não perceber uma melhora não utilize medicação por conta própria, sob risco de efeitos adversos ou de piora do quadro.

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Chegou o Verão!


Como vai a sua pele?

Com a chegada do verão e o período de férias as praias do nosso litoral ficam lotadas. Passar dias inteiros na praia é o sonho realizado de quem trabalhou ou estudou (ou os dois) durante o ano todo. Nada mais agradável e relaxante.

Mas, o fato é que mesmo nas montanhas no verão, ou durante todo o resto do ano, temos que nos cuidar quanto à exposição ao sol. Hoje já se sabe dos malefícios da exposição sem proteção adequada. Isso vale para todos os tipos de pele, mesmo que as mais claras apresentem maior intensidade de efeitos imediatos e tardios do contato com o sol.

Os raios ultravioletas ultrapassam a camada externa da pele com muita facilidade, e provocam danos nas células e estruturas, podendo matar as células da pele. Mesmo as queimaduras moderadas, onde a pele fica avermelhada, destrói a camada superior da pele, semelhante a uma queimadura com ferro quente.

Em pessoas mais claras, os danos são maiores. Com o passar do tempo, podem surgir manchas marrons ou te mesmo câncer de pele. Além disso, a médio e longo prazo, os raios ultravioletas afetam a derme, que é a camada responsável pela textura, força e elasticidade da pele. Com isso, ela torna-se fraca, com pouca espessura (mais fina), enrugada e flácida.

Para se proteger dos raios solares, alguns hábitos devem sem adotados, em conjunto:

Evite pegar sol no horário de sol mais intenso, entre as 10h e 15h. O protetor solar deve ter no mínimo o FPS 15, que protege a maioria das pessoas por até 2 horas. O protetor deve ser aplicado 30 minutos antes da exposição ao sol, pois precisa deste prazo para começar a agir. Sempre que for à água, transpirar ou após 2h, reaplique o protetor solar. Quem trabalha exposto ao sol deve dar preferência a roupas de manga comprida, chapéus e óculos escuros com boa proteção contra os raios solares. E mesmo em dias nublados, o protetor solar não deve ser esquecido.

Quando exposto em excesso aos raios solares, o indivíduo pode ter uma insolação, que pode provocar até uma perda súbita de consciência, ou falha nos mecanismos que regulam a temperatura do corpo.

Os sintomas iniciais de uma insolação são dor de cabeça, tonteira e náusea. A pele fica com aspecto ressecado, e não transpira. Os batimentos cardíacos ficam acelerados, a temperatura corporal sobe e ocorrem alterações na visão.

A pessoa com insolação deve ser removida para um local fresco e ventilado, para que a temperatura do corpo diminua. Pode ser utilizado ventilador. Retire o excesso de roupas, coloque o paciente em repouso, com a cabeça elevada, e ofereça bastante água ou líquidos gelados. Pode molhar o paciente, e se possível, colocá-lo em uma banheira com água fria. Se necessário, procure um médico.

Agora que você já sabe todos os riscos e cuidados para se divertir sob o sol de verão e no resto do ano, aproveite as festas de final de ano, as férias, o verão brasileiro.

Consulte regularmente um dermatologista.

Aprenda a manter sua pele saudável e diminua os riscos de câncer de pele.

Quantos dermatologistas existem na sua área?



Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Cistite


O que é cistite?

É dado o nome de cistite às doenças inflamatórias ou infecciosas da bexiga.

Mais frequentemente causada por uma bactéria, a Escherichia coli, característica do trato digestivo. Ocorre mais frequentemente nas mulheres. Isto se dá devido a questões anatômicas: A uretra feminina é mais curta, dando acesso mais rápido às bactérias. A presença destas no trato urinário pode causar infecção na uretra (uretrite), na bexiga (cistite) e conseguir continuar migrando no trato urinário, pode atingir os rins (pielonefrite).

A cistite pode afetar homens, mulheres e crianças, mas é bem mais comum nas mulheres. Assim, uma em cada duas mulheres terá cistite durante a vida, e mulheres em atividade sexual terão pelo menos uma ocorrência de cistite a cada dois anos.
Nos homens com mais de 50 anos, o aumento no tamanho da próstata, que pode causar retenção de urina na bexiga, também pode levar ao surgimento da cistite.

Quais são os sintomas da cistite?

A pessoa com cistite sente a necessidade urinar com freqüência, porém cada micção, a quantidade de urina expelida é bem pouca, e durante a micção, pode haver dor ao urinar. Dores na bexiga, nas costas e no ventre inferior também ocorrem. O paciente pode apresentar febre, e em casos mais graves, sangue junto com a urina.

Como é feito o diagnóstico da cistite?

Em caso de suspeita de cistite, o médico irá analisar o histórico clínico do paciente e os sintomas relatados. Costumeiramente será solicitado o exame de urina. Pode ser ainda necessário fazer-se uma urocultura com antibiograma, para que seja identificado o agente causador da infecção e se determinar o tratamento mais adequado.

Como é o tratamento da cistite?

A cistite infecciosa requer tratamento medicamentoso, com uso de antibióticos ou quimioterápicos que serão escolhidos de acordo com a bactéria identificada nos exames laboratoriais.

Nas mulheres, os episódios de reincidência da doença podem ser freqüentes e com gravidade, mas, quando o tratamento é seguido corretamente, as chances de cura são muito altas.
Para isso, é necessário que todas as recomendações médicas com relação ao tratamento sejam seguidas rigidamente, mesmo que os sintomas da doença não estejam mais ocorrendo.

Quais os cuidados para se evitar a cistite?

1. Deve se beber muita água, pois o líquido ajuda na eliminação das bactérias da bexiga.
2. É importante não reter a urina, deve-se urinar com freqüência. Reter por longos períodos é prejudicial à saúde
3. . Urinar imediatamente após as relações sexuais também ajuda na eliminação de bactérias que se encontrem no trato urinário.
4. Os cuidados com a higiene pessoal devem ser rigorosos. As regiões da vagina e do ânus devem ser muito bem limpas. (após evacuar, use o papel higiênico sempre passado da frente para trás, a fim de evitar trazer para a vagina as bactérias que estejam no ânus. O ideal é, sempre que possível, lavar o local com água e sabão.
5. Deve se evitar o uso de roupas íntimas muito justas e apertadas, ou que possam reter calor e umidade, pois estas são as condições ideais para a proliferação de bactérias.
6. Deve-se ainda reduzir ou até evitar o consumo de bebidas alcoólicas, fumo, temperos fortes e cafeína, pois essas substâncias provocam irritação no trato urinário.
7. Durante a menstruação, o absorvente higiênico deve ser trocado com freqüência, para evitar a ocorrência de bactérias.

Fonte: Editoria HelpSaúde.







Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Lombalgia: Você já teve?

O que é lombalgia?
A popular “dor nas costas”, lombalgia é o termo que usamos para nomear a dor que surge na região lombar da coluna vertebral.

A origem da dor pode ter várias causas, requerendo portanto, uma investigação apurada e criteriosa. É um sintoma bastante freqüente, entre os distúrbios de dor mais comum perdendo apenas para a cefaléia.

Até 70% dos indivíduos acima dos 40 anos possuem algum tipo de problema na coluna, e atinge entre 80% a 90% da população acima de 50 anos. As crises de dor nas costas são a causa mais freqüente de ausências no trabalho em países desenvolvidos, criando além de um problema médico, um problema econômico.

Quais os sintomas de uma crise de lombalgia?
O indíviduo sente uma dor que se localiza na região lombar da coluna vertebral. Pode ter várias causas, inclusive associada ao estar excesso de peso (e nesse caso a dor pode permanecer enquanto existir esse excesso).

Quando provocada devido à má postura, exercícios de levantamento de peso em excesso, feitos de forma incorreta ou por longo período, a dor pode se manifestar imediatamente ou após algumas horas.

Dependendo das áreas atingidas como ossos, músculos, articulações ou nervos, a dor pode se modificar um pouco. Inclusive, podendo se irradiar, sendo sentida nas nádegas ou coxas,em especial, no caso de haver compressão das terminações nervosas.

Em termos gerais, quando ocorre a lombalgia esta pode ser mais intensa até o terceiro dia, e diminuindo a intensidade com o passar dos dias ou pode acontecer da dor se manter com a mesma intensidade durante um longo período, sendo no primeiro caso uma causa aguda (distensão muscular ou trauma) e no segundo, uma causa crônica ( hérnia de disco, por exemplo).

Como é feito o diagnóstico da lombalgia?
Como já foi dito, a lombalgia é um sintoma e por isso são poucos os casos em que é possível dar um diagnóstico preciso numa primeira avaliação. Estudos indicam que cerca de 40% dos pacientes com lombalgia acreditam estar com alguma enfermidade mais grave, o que pode dificultar o diagnóstico e tratamento adequado.

Durante o exame clínico a ser realizado pelo médico, ele irá apalpar os grupos musculares próximos à coluna vertebral para tentar identificar locais onde a dor ser manifesta.

O paciente pode apresentar dificuldade em flexionar o tronco em direção aos joelhos estendidos, aumento da dor no final do dia, ao final de um dia de trabalho, e os sintomas podem se agravar com movimentação em excesso ou até condições de estresse emocional.

Qual o tratamento para a lombalgia?
Inicialmente, é comum o médico recomendar repouso, medicamentos para dor e sessões de fisioterapia, além de exercícios. O repouso não costuma exceder 3 dias e é indicado em casos onde ocorre forte dor e espasmo da musculatura. Retomar a movimentação normal e a atividade física é importante para uma recuperação.

Se a dor for de pouca ou média intensidade, o ideal é que sejam mantidas as atividades diárias.
Compressas de gelo e calor alternados auxiliam no relaxamento dos músculos e reduzem o processo inflamatório.

Em casos de compressão nervosa e dor recorrente o acompanhamento com acupunturista pode ser bastante benéfico.

Passada a “crise” é importante a prática de atividades físicas, para fortalecimento muscular, correção postural e prevenção de novas crises. Exercícios de alongamento também são muito úteis não apenas para o tratamento, também para a prevenção da lombalgia.

Encontre um ortopedista em 2 cliques no HelpSaúde.

Fonte: Editoria HelpSaúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Parto Normal x Cesariana

O que é parto por cesariana, e quais as suas indicações?

Também chamado cesárea, é um método cirúrgico utilizado para realizar o parto. É feita uma incisão (corte) logo acima da linha dos pelos púbicos, por onde é retirado o bebê. É recomendada em casos onde o parto normal não for indicado.

Por exemplo, quando:
• Existe sofrimento fetal agudo,
• Prolapso de cordão umbilical,
• Feto em posição transversal, placenta prévia, ou
• Quando ocorre interrupção abrupta da gravidez.

Quais os tipos de parto normal?

Parto natural: semelhante ao parto normal, mas o médico apenas acompanha o andamento do parto. Não é feita anestesia, incisão no períneo para facilitar o parto ou outro tipo de intervenção.

Parto sem dor: durante o pré-natal, a mãe é orientada para que saiba identificar as contrações e a hora certa de ir pro hospital. No parto, recebe anestesia raquianestesia ou peridural, mas o procedimento não é totalmente indolor, já que algumas sensações são necessárias para que a mãe saiba como agir para ajudar o bebê a sair durante o parto.

Parto de cócoras: neste tipo de parto, além do processo ser mais rápido e confortável, por facilitar a passagem devido à posição da mãe, o bebê também sofre menos, e faz menos esforço.

Parto Leboyer: criado pelo médico francês Frédérick Leboyer, e introduzido no Brasil em 1974 pelo obstetra brasileiro Cláudio Basbaum, o parto é realizado em uma sala com pouca luz, silêncio total após o nascimento, é feita massagem nas costas do bebê e não existe a palmada para que ele chore e respire. Tudo é feito de forma suave, e é defendido a presença do pai na sala de parto e no primeiro banho.

Parto na água: em uma banheira com água aquecida a 37°, mesma temperatura do corpo, e ajuda no relaxamento corporal, irrigação sanguínea e diminuição da pressão arterial, promovendo alívio das dores e acelera o trabalho de parto, em comparação com o método natural.

Parto a fórceps: é utilizado apenas em caso de emergência, e nos momentos finais do trabalho de parto, para poupar mãe e filho. É inserida na vagina uma pinça especial para puxar o bebê, auxiliando sua saída.

Quais as vantagens para a mãe e para o bebê quando o parto é normal?

1. A recuperação da mãe é mais rápida, sem dor no pós-parto. Com isso, a alta hospitalar é antecipada. Em caso de nova gravidez, o parto será facilitado, caso também seja normal.

2. A mãe participa ativamente de todo o nascimento.

3. Se a mulher vier a sofrer de mioma, as que tiveram parto normal terão um procedimento cirúrgico mais fácil de ser realizado.

Estatísticas no Brasil e no mundo:

Em diversos países do mundo a taxa de nascimentos por cesariana é acima da recomendada pela OMS.

Na Europa, esse índice varia entre 20% a 30%.

No Brasil, a taxa de nascimentos por cesariana é acima de 40%, sendo que se considerarmos apenas a rede privada de hospitais, esse percentual chega a 80% dos nascimentos. Isto é uma questão cultural que se deve provavelmente ao lucro que o procedimento cirúrgico proporciona à rede hospitalar e aos planos de saúde, mas também à equipe e aos próprios pais que escolhem se programar para o evento do nascimento, geralmente sem permitir a entrada em trabalho de parto.

Parto normal ou cesariana?

O que é preconizado pela OMS

A Organização Mundial de Saúde informa baseada em pesquisas, que apenas 15% dos partos têm necessidade de cesariana, enquanto os 85% restante podem ser feitos por parto normal. Por cesariana não é contra-indicado, apenas, não é a primeira escolha, na maioria dos casos, por não haver impedimento para se fazer o parto normal.


Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Erisipela

O que é erisipela?

Trata-se de uma doença de pele (cutânea) que normalmente é causada por uma bactéria do grupo A, Streptococcus pyogenes. Esta penetra na pele através de algum ferimento existente, como picada de insetos, frieiras ou micoses, e espalha-se pelos vasos linfáticos podendo chegar até o tecido subcutâneo e o gorduroso.

Na grande maioria dos casos, a lesão ocorre nos membros inferiores, mas em casos raros ela pode ocorrer na face, associada à dermatite seborréia. Pode ocorrer em pessoas de qualquer idade, sendo mais comum em pessoas com diabetes, em obesos, e em portadores de deficiência na circulação venosa dos membros inferiores. Não é uma doença contagiosa.

Quais são os sintomas comuns da erisipela?

Os sintomas iniciais da doença são dor, vermelhidão no local e inchaço, na pele do local afetado. Esta adquire um aspecto “alisado” e quente. Podem ocorrer bolhas e feridas, o que sugere a presença de necrose dos tecidos.

Se a doença não for tratada, poderá evoluir para a formação de abscessos, feridas (úlceras) na superfície da pele ou profundas, e trombose de veias. Uma das seqüelas comuns da erisipela é o linfedema, trata-se de um edema persistente e rígido, quando pressionado com os dedos, a pele não afunda. Localiza-se principalmente na perna e tornozelo.

Como é feito o diagnóstico da erisipela?

O médico realiza basicamente o exame clínico, pois a doença possui sintomas e indicadores bem característicos. No entanto, além do exame e entrevista pode também recorrer à biópsia ou a algum exame de sangue.

Como é o tratamento da erisipela?

O tratamento da doença consiste em várias medidas adotadas em conjunto.

Somente um médico poderá indicar qual o tratamento será adotado, de acordo com o caso em questão. Pode se utilizar medicação para combater a bactéria causadora da doença, e, para diminuir o inchaço nos membros inferiores, recomenda-se repouso absoluto e manter as pernas elevadas, principalmente no início do tratamento. Quando necessário, as pernas podem ser enfaixadas, para acelerar a redução do edema.

Deve se tratar as lesões de pele e frieiras, e assim elimina-se a porta de entrada da bactéria. A higiene do local lesionado é muito importante, pois acaba com o ambiente necessário para a bactéria se desenvolver.

Como se previne a erisipela

A repetição das crises de erisipela pode ser evitada com a higiene correta. Devemos manter sempre limpos e secos os dedos dos pés e principalmente o espaço entre os dedos.

Qualquer ferimento nas pernas deve ser bem cuidado, em especial, no caso de diabéticos e indivíduos com problemas circulatórios.

Além disso, portador de diabetes deve ter atenção redobrada com os pés, pois pode haver perda de sensibilidade por causa da doença, principalmente quando não tratada, e com isso não perceber o surgimento de feriadas ou frieiras entre os dedos dos pés. Assim, estas podem vir a ser uma porta de entrada para a doença.

Pelo menos uma vez por semana, os dedos devem ser inspecionados, em busca de possíveis ferimentos.

Também é importante termos cuidado com o peso corporal. Estando em excesso, deve-se evitar permanecer muito tempo na mesma posição, seja parado, em pé ou sentado.

Em casos de pernas inchadas, deve se usar meia- elástica para diminuir o inchaço local, e repousar com as pernas elevadas, por alguns minutos, sempre que for possível.

O tratamento indicado pelo médico deve ser seguido rigorosamente, mesmo após o fim dos sintomas, pois a erisipela é uma doença de repetição e se não for controlada adequadamente pode ter conseqüências graves.

A automedicação não deve ser praticada, sob risco de agravamento dos sintomas ou reações adversas.


Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Fan Page no Facebook! Curta! Compartilhe! Comente!


Queremos agradecer os participantes da nossa Fan Page no Facebook! Nada melhor para isso do que um presente, né?

A partir de agora, o Top Fans de cada semana ganhará um vale-presente de R$50!

Participem, postando, comentando, compartilhando e curtindo. Quem sabe você é o próximo contemplado?

Acesse a nossa Top Fans e participe!

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Acne

O que é acne?

É uma doença de pele (dermatose) mais freqüente na adolescência, quando há um aumento da produção dos hormônios sexuais. Há o surgimento de maior oleosidade na pele da face, mas também pescoço e nas costas, em ambos os sexos. É tão comum, em sua forma mais leve, que chega a ser “ esperada” a sua presença durante a adolescência.

Cerca de 80% dos adolescentes são afetados pela acne que eventualmente, pode persistir durante a vida adulta. O mais comum é que a doença se manifeste de forma leve a moderada, mas podem ocorrer casos em que a acne se manifesta com tamanha intensidade que chega a interferir não só esteticamente, mas levando à dor e cicatrizes, causando também constrangimento, isolamento social e baixa auto-estima.

Além do aspecto familiar que pode gerar maior ou menor intensidade do quadro, também a ansiedade e outras doenças clínicas podem influenciar na intensidade da expressão da acne num determinado indivíduo.

Como aparece a acne?

A acne é uma doença de predisposição genética, e que sofre alterações por múltiplos fatores como hormônios, tipo racial, condições ambientais, estados emocionais ou bactérias, que podem ampliar ou diminuir a intensidade dos sintomas.

As manifestações da acne, em forma de cravos e espinhas, são causadas pelo aumento da secreção sebácea em conjunto com o espessamento no folículo pilo-sebáceo. Com isso, forma-se uma massa no interior do folículo, formando-se o cravo (comedão). Quando aberto, em contato com o oxigênio forma-se o cravo preto, e quando fechado, o cravo branco ( apenas a própria seborrea adjacente ao bulbo).

Quais são os sintomas da acne?

As manifestações da doença são variadas, e os indicadores mais comuns são o surgimento dos comedões (cravos), pápulas, que são lesões arredondadas e rígidas, pústulas (no caso de haver pus), nódulos e abscessos. As regiões do corpo mais afetadas são a testa, nariz, peito e costas. Quando as lesões estão muito inflamadas, podem apresentar dor e prurido, e se rompidas, expelem uma secreção purulenta.

Os sintomas variam de pessoa para pessoa, e em alguns casos podem ser tão intensos que ocorre a acne conglobata, que são lesões císticas grandes, com processo inflamatório amplo, e que se interligam por baixo da pele, ou o acne queloideano, que deixa cicatrizes volumosas(queloides), após o término do processo inflamatório.

Existe tratamento para a acne?

Por se tratar de uma doença de duração prolongada, eventualmente desfigurante, deve ser avaliada por um especialista assim que surgirem seus primeiros sintomas.

Assim, podem ser evitadas as manifestações mais intensas e possíveis seqüelas (que vão desde as possíveis cicatrizes e marcas na pele até os efeitos emocionais causados pela alteração na auto-estima do adolescente quando a acne se manifesta de forma acentuada).

Pode se utilizar durante o tratamento medicações de uso local, com o objetivo de desobstruir os folículos e controlar o surgimento de bactérias. De acordo com a intensidade da doença e avaliação do médico, podem ainda ser adotados medicamentos de uso oral, para controlar a infecção ou terapia hormonal no caso das mulheres.

A limpeza de pele pode ser usada, desde que executada por profissional capacitado, e sua ação é esvaziar os cravos, evitando que surjam novas espinhas.

Embora não tenha participação direta na acne, a dieta alimentar deve ser observada com atenção. Não existe um padrão, então o paciente deverá sempre observar quais os alimentos que ele consome e que influenciam na acne, e sempre que possível evitá-los. Esses alimentos podem ser chocolate, gorduras animais, amendoim, leite e derivados.

A necessidade eventual de algum suporte emocional especializado deve ser avaliada em casos em que o adolescente apresente-se inseguro, muito retraído do convívio social, melancólico e até com prejuízo de seu rendimento escolar devido ao problema de pele citado.

Por isso, atenção:

• Somente o médico poderá receitar medicação, seja ela qual for. O medicamento que funciona em um caso pode ser inútil em outro paciente, e os riscos de efeitos colaterais existem, podendo agravar ainda mais os sintomas.

• o dermatologista assim que começarem a surgir os cravos na adolescência e comece logo a receber orientações para cuidar da sua pele ou de seu filho ou filha. Evite assim, o aparecimento de cicatrizes e aproveite melhor essa fase da vida.

Você já se consultou com um dermatologista? Conhece algum dermatologista na sua cidade? Encontre no HelpSaúde

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Exame de DNA

O que é DNA?
DNA é a sigla em inglês para ácido desoxirribonucléico (em português, ADN). Trata-se de um composto orgânico. Suas moléculas contêm informações vitais que passam de uma geração à outra. O DNA coordena a fabricação das células, assim como a de outros componentes das células, como as proteínas.

O DNA possui todas as informações de suas características físicas, que são essencialmente determinadas pelas proteínas. No DNA cada proteína possui um gene, que é uma seqüência de nucleotídeos específicos e que determinam como uma proteína será feita.

Para que serve o exame de DNA?
O DNA além de definir as características físicas de um indivíduo, também funciona como uma “impressão digital”. Através dele é possível dizer quem somos, em casos em que seja necessária a identificação, ou a nossa origem, quando for preciso esclarecer dúvidas sobre a paternidade ou parentesco.

Como são feitos os testes de paternidade?

Para testes de paternidade, a forma mais usada para se obter o DNA é através da coleta de material sanguíneo da mãe, da criança e do provável pai. O exame também pode ser usado para esclarecer eventuais dúvidas quanto à “maternidade”.

Qualquer material biológico pode ser usado, mas a amostra de sangue é o mais comum, por fornecer uma maior quantidade de DNA.

Geralmente, não é necessário colher amostra de sangue direto de uma veia. Bastando a coleta de uma pequena amostra pode-se obter a identificação do material genético através de uma única gota de sangue. Para isso, basta usar-se uma lanceta (agulha com ponta em forma de calha) e espetar a ponta do dedo indicador, por exemplo.

É possível obter-se, então, um resultado de paternidade, quando for o caso, com o mesmo mínimo esforço com que se faz a tipagem sangüínea ou a medição da taxa de glicose, em diabéticos. Outra boa alternativa é a saliva. Usa-se uma espécie de cotonete grande para obter-se um esfregaço da face interna da bochecha e assim obter uma boa amostra de células do indivíduo.

No laboratório, os técnicos utilizam substâncias que rompem as membranas celulares, e coletam o material genético que existem nelas. Em seguida, o DNA passa por um processo que aumenta a quantidade nas amostras, uma espécie de “amplificação”. Para que o teste de DNA seja realizado, são analisados de 13 a 19 trechos do DNA. Esses trechos são únicos, não se repetindo em outras pessoas.

O exame envolve probabilidades, portanto não é possível determinar com 100% de certeza, mas o índice de precisão pode chegar a 99,999%. Além de definir paternidade, o exame também é importante na identificação de corpos, quando ficam irreconhecíveis, impossibilitando o reconhecimento visual. Neste caso, são convocados possíveis familiares, recolhido material genético e então é realizado o exame de DNA.

O exame pode ser realizado em todo tipo de pessoas. A ingestão de medicamentos, o uso de drogas ou o consumo de bebidas alcoólicas não provoca nenhum tipo de alteração nos resultados do exame de DNA.

A coleta de material para o exame é tão simples que para sua realização não é necessário estar em jejum, ao contrário de outros exames de sangue mais comuns.

O exame de DNA pode ser feito em qualquer idade, inclusive recém-nascidos, podendo ser feita a coleta de sangue durante o parto ou retirado do cordão umbilical.

Conhece algum de laboratório de patologia em sua cidade?

Conhece algum geneticista em sua cidade?

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Pré-Natal

A Gestação é um fenômeno natural da biologia feminina. Corre naturalmente desde a fecundação até o nascimento.

No entanto, a fim de garantir o melhor desenvolvimento e a saúde e qualidade de vida materna, foram desenvolvidos protocolos de acompanhamento das etapas da gestação.

A esta série de consultas, exames, orientações e cuidados convencionou-se chamar PRÉ NATAL.

Então, mesmo quando a gravidez não foi planejada ela precisa ser bem acompanhada.

Há especial cuidado com as mães diabéticas, hipertensas, bipolares, ou seja, com aquelas que já apresentam alguma doença crônica, mesmo que controlada.

Também recebem atenção especial as primíparas( mães pela primeira vez) acima de 35anos e as com deficiência mental.

O que é pré-natal? Qual sua importância?

O pré-natal consiste em consultas e acompanhamento de Ginecologista e de Enfermagem desde a descoberta da gravidez até o nascimento.

O objetivo é acompanhar o crescimento, monitorar a saúde do bebê e da gestante, e identificar precocemente doenças ou anomalias que possam prejudicar a saúde de ambos.

Alguns outros profissionais podem compor esta equipe para garantir o suporte necessário em alguns casos. Assim, pode ser necessário o acompanhamento da grávida por um Nutricionista, Cardiologista, Endocrinologista, Psiquiatra, Psicólogo, entre outros, e de acordo com cada caso.

Como seguir corretamente o pré-natal?

Assim que for feita a confirmação da gravidez, a gestante deve escolher um médico e iniciar o pré-natal. Serão solicitados exames como:

• Hemograma completo,
• glicemia,
• tipagem sanguínea,
• urina,
• papanicolau,
• exames para detectar toxoplasmose, rubéola, sífilis, hepatite B e AIDS, entre outros.

Será acompanhado também o ganho de peso da gestante (não deve ultrapassar 12kg) e a glicemia, entre outros parâmetros, pelo risco de afetar a saúde da mãe e do bebê.

Serão passadas também informações sobre cuidados com alimentação, posturas e posições confortáveis, cuidados com os seios e preparação para a amamentação e muito mais.

Como esta a mulher brasileira em relação ao pré-natal?

Estatísticas de quantas grávidas fazem corretamente o PRÉ NATAL

Em pesquisa realizada pelo IBGE em 2010, foi constatado que 57,1% das crianças que nasceram passaram por 7 ou mais consultas durante o pré-natal. Na mesma pesquisa, revelou-se que a cada dez bebês, quatro não receberam o acompanhamento da forma ideal.

O estado com pior índice foi o Maranhão, com apenas 24% dos nascimentos com pré-natal realizado de forma correta, e o Paraná com o índice mais alto de acompanhamentos, com 77%.

Outras pesquisas indicaram que dentre o grupo com acompanhamento pré-natal incorreto, prevalecem as mães adolescentes e mulheres acima dos 40 anos.

Qual o percentual de redução de problemas no parto e mortes:

As complicações durante a gestação, parto e pós-parto (puerpério) são a décima causa de mortes entre mulheres. Com acompanhamento adequado ao pré-natal e parto, consegue se evitar grande parte dessas mortes.

Em 2004, o Ministério da Saúde lançou o Pacto pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal, em parceria com estados, municípios e sociedade civil.

Em dois anos de atividades, houve uma queda de 7,3% da mortalidade neonatal (bebês com até 28 dias de vida), e 8,7% de redução da mortalidade infantil (crianças até 1 ano). Esse programa foi considerado pela ONU uma experiência modelo para outros países.


Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Sinusite

O que é sinusite?

A sinusite é uma doença inflamatória das vias respiratórias superiores, mais precisamente nos seios paranasais. Costuma ocorrer associada a um processo infeccioso causado por vírus, bactéria, porém reações alérgicas ou o contato com ar poluído nas vias nasais também pode desencadear uma crise de sinusite. No interior dos ossos do crânio e face, existem espaços preenchidos de ar e que se comunicam com a cavidade nasal, e esses espaços são os seios paranasais. São vários seios divididos pela face, em subgrupos de acordo com os ossos em se encontram.

São eles:

Seio frontal: situado posteriormente aos arcos superciliares, entre as duas tábuas do osso frontal que formam a parte rígida e dura da testa.

Seio maxilar: ocupa a maior parte do osso maxilar. São os maiores seios aéreos nasais, possuem forma piramidal e tem a base constituída pela parede lateral da cavidade nasal.

Seios etmoidais: são constituídos por pequenas células localizadas no corpo do osso etmóide.

Seios esfenoidais: localizam-se no osso esfenóide no centro do crânio.

Como a sinusite se manifesta?

A sinusite pode se apresentar em três diferentes formas:

Infecciosa: neste tipo, a sinusite caracteriza-se por dor na região dos seios da face, obstrução nasal, secreção com pus e febre.

Alérgica: o paciente sente dor nos ossos do rosto, pode apresentar febre e os sintomas comuns da alergia, coriza clara e constante, obstrução nasal e crises de espirro. Além disso, em alguns casos acompanhado de tosse freqüente que melhora a noite.

Traumática: a sinusite traumática é provocada quando o paciente é submetido a alterações de pressão, podendo ocorrer em viagens de avião ou durante mergulhos. Sua principal característica é dor maxilar e obstrução nasal de forma branda.

Além disso, de acordo com o tempo de duração, pode ser classificada como aguda, quando os sintomas melhoram em até 30 dias, sub-aguda quando tem duração de 1 a 3 meses, crônica quando sua duração é superior a 3 meses.

Quando ocorrem 3 ou mais episódios em um ano, sendo cada ocorrência duração de pelo menos 15 dias, é considerada aguda recorrente.

Sintomas comuns da sinusite?

A sinusite provoca dor de cabeça, obstrução nasal, febre, coriza e espirros. Quando deitado ou em posição curvada, o paciente pode sentir um aumento na dor. O paciente em geral sente o “rosto pesado”, sensação também de odor desagradável vindo do nariz ou boca.

Como é feito o diagnóstico da sinusite?

O diagnóstico na maioria das vezes é feito pelo médico apenas obtendo a história clínica detalhada do paciente, e com exames físicos minuciosos. O médico também pode solicitar, a seu critério, exames radiológicos dos seios da face ou seios paranasais, e quando for necessária uma melhor precisão, pode fazer uso da tomografia computadorizada.

Quais são as causas mais comuns da sinusite?

Os fatores mais corriqueiros que podem provocar sinusite são a gripe comum, alergia, desvio do septo nasal e condições climáticas não favoráveis. Rinovírus, adenovirus, vírus respiratório sincicial ou para-influenza são os maiores causadores de sinusite infecciosa, que pode ocorrer em várias cavidades paranasais ao mesmo tempo.

Existe alguma forma de prevenir a sinusite?

Para prevenção, é importante que as cavidades nasais estejam plenamente funcionais, para isso devem estar bem ventiladas e limpas, o que pode ser feito limpando o nariz com soro fisiológico ou solução salina (300ml de água filtrada e 2 colheres de chá rasas de sal marinho). Para a limpeza, deve se aspirar um pouco da solução pela narina até que chegue na boca. Deve se fazer este procedimento em cada narina, e repetir várias vezes durante o dia. A higiene do lar, mantendo a casa sempre limpa irá ajudar a prevenir crises alérgicas. Deve se beber muita água.

Quais são os fatores de risco da sinusite?

As principais causas que podem desencadear a sinusite consistem em desvio de septo, estar com freqüência em ambientes com aglomeração de pessoas, sistema imunológico debilitado, infecções nas vias respiratórias, tabagista ativo ou passivo, pouco consumo de água, poluição do ar, ambientes com poeira e variações climáticas bruscas.

Os especialistas em sinusite são os otorrinolaringologistas . Descubra os otorrinos na sua região.

Atenção: em caso e sinusites recorrentes, o seu otorrino poderá encaminhá-lo a um alergista ou a um homeopata.


Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Câncer de Laringe

O que é o câncer de laringe?

O mais comum entre os tipos de câncer que atingem a região da cabeça e pescoço, representam 25% dos casos de tumores malignos que ocorrem nessa região do corpo e são responsáveis por 2% dos casos entre todas as doenças malignas. Em torno de 2/3 desses tumores surgem na corda vocal e 1/3 atingem a laringe supraglótica, localizada acima das cordas vocais.

É bastante comum nos homens, em 2009 foram registradas 3.490 casos de óbitos por câncer de laringe, sendo 3.081 homens e 409 mulheres( dados do INCA).

Quais são os fatores de risco para o surgimento do câncer de laringe?

O consumo excessivo de álcool e o vício pelo fumo estão nitidamente associados aos casos de câncer de laringe e vias aerodisgestivas superiores.

O tabagismo é o principal fator de risco para surgimento do câncer de laringe e, quando associado ao consumo excessivo de álcool, favorece especialmente o desenvolvimento do câncer supraglótico.

Os pacientes que já possuem câncer de laringe e mantém o consumo de bebidas alcoólicas e cigarros reduzem drasticamente as possibilidades de cura e ainda potencializam o surgimento de um novo tumor primário na região da cabeça e pescoço.

Quais são os sintomas do câncer de laringe?

Em geral, alguém que se queixa de dor de garganta, rouquidão, alteração na voz, ligeira dificuldade para engolir e a sensação de que existe um caroço na garganta pode e deve ser avaliado quanto à presença de um tumor na laringe. Estes sintomas não são exclusivos de câncer, mas é importante excluir a sua presença o quanto antes.

Quando a lesão já se encontra em estágio avançado, além da voz rouca podem ocorrer sintomas como dor importante na garganta, dificuldade para engolir (disfagia) alimentos ,mesmo em pequenas quantidades ou pastosos, e dificuldade na respiração ou falta de ar (dispnéia).

Apenas um médico, preferencialmente otorrinolaringologista ou cirurgião, poderá avaliar e diagnosticar a presença de tumor de laringe.

Como é feito o tratamento de câncer de laringe?

O tratamento do câncer de cabeça e pescoço pode provocar efeitos colaterais como problemas nos dentes, na fala e na deglutição.

O diagnóstico precoce é muito importante: quanto mais cedo à doença é identificada, maiores as chances de que com o tratamento se evite deformidades físicas.

Além dos resultados para a sobrevida do paciente, ponderações sobre a qualidade de vida que o paciente terá com o tratamento empregado são importantes na escolha do método a ser adotado.

No caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva diagnosticado com câncer de laringe, no final de Outubro, descobriu o nódulo por acaso, enquanto levava sua mulher ao hospital que sentia dor de cabeça, aproveitou para fazer um check up.

Nesse caso a descoberta foi por acaso antes de qualquer sintoma aparente. O tratamento previa a duração de três meses, ficando estipulado que o ex-presidente seria submetido a três ciclos de quimioterapia com intervalo de 20 dias entre elas. Após duas sessões de quimioterapia os médicos constataram que o câncer regrediu 75%.

A preservação da voz tem peso importantíssimo no bem estar do paciente, já que a laringectomia total, que consiste na retirada total da laringe, irá implicar na perda da voz e em uma traqueostomia definitiva.

Mas mesmo em pacientes que foram submetidos à laringectomia total é possível reabilitar a fala, a voz, com o uso de próteses fonatórias tráqueo-esofageanas.
A localização e o estágio em que a doença se encontra determinam se o tratamento vai requerer intervenção cirúrgica, associada ou não à radioterapia ou quimioterapia em conjunto com radioterapia. Existem vários procedimentos cirúrgicos que podem ser adotados de acordo com a situação do paciente.

Para se preservar a voz, pode se adotar em primeiro lugar o tratamento com uso da radioterapia, deixando a cirurgia somente para os casos em que o tratamento inicial não for suficiente para controlar o tumor. Associar quimioterapia e radioterapia tem sido usado como protocolo para preservação de órgãos, em casos de tumores em estágios avançados.

Os resultados na preservação da laringe tem sido satisfatórios. Novas técnicas cirúrgicas vêm sendo desenvolvidas, permitindo a preservação das funções da laringe mesmo nos casos de câncer em estágios mais avançados.

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Foto: Revista Época

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Dia do Cego - 13 de Dezembro

O Dia Nacional do Cego foi criado pelo Presidente da República Jânio da Silva Quadros através do Decreto nº 51.405/61 - publicado no Diário Oficial da União em 26 de julho de 1961.

A criação da data foi em decorrência da necessidade de estimular a os princípios solidários estabelecidos pela Declaração Universal dos Direitos Humanos, e preservar o Direito fundamental de igualdade entre todos dentro da mesma sociedade, sem discriminação e distinção a qualquer nível.

A ser comemorado todo dia 13 de dezembro.

O QUE É CEGUEIRA?

Cegueira é privação do sentido da visão. É considerada uma deficiência grave que tem condições de ser amenizada através de tratamento, reeducação. Ao contrário da Lei criada por Jânio Quadros, nos dias de hoje não se usa o termo "cego" e sim a nomenclatura "Portador de Deficiência Visual".

A cegueira pode ser:

• congênita;
• perda parcial;
• perda total da visão;
• perda transitória;
• perda permanente;
• decorrente de lesões oculares,
• decorrente de lesões nas vias óticas ou
• decorrente de lesões nos centros nervosos superiores.

As causas da cegueira são basicamente:

• causas congênitas;
• traumas oculares;
• doenças infecciosas como a sífilis, por exemplo;
• doenças sistêmicas - diabetes, moléstias do sistema nervoso central, inflamações renais (nefrite);
• deficiência nutricional;
• outras causas: catarata, miopia, glaucoma e afins.

A cegueira por catarata pode ser tratada por meio de cirurgia e posterior uso de lentes.
Alguns casos são tratados através de laser, para a recuperação da retina.

QUAL O PROCESSO DA CEGUEIRA?

A perda da visão pode ser iniciada em qualquer parte do aparelho visual que é composto por: retina, vias ópticas, centro visual cortical e centro psíquico.

É como uma máquina que vai "rateando", parte a parte:

A anulação funcional da retina provoca a falta de recepção sensorial do estímulo luminoso.

Ocorrendo a interrupção das vias ópticas, há uma falta de transmissão da recepção da retina aos centros corticais. A anulação e ou destruição do centro cortical da visão decorre na falta de recepção cerebral, a anulamento das conexões da esfera visual com os centros psíquicos. E todo esse mecanismo impede a identificação psíquica do ato visual.

A CEGUEIRA CONGÊNITA ocorre quando no feto há má formação ocular ou cerebral decorrentes de doenças intra uterinas, afetando o globo ocular do feto.

As doenças mais comuns são a toxoplasmose, a sífilis e a rubéola quando o contágio se dá nos três primeiros meses de gravidez.

A catarata pode ser tratada por meio de cirurgia e posterior uso de lentes;

Alguns casos são tratados através de laser, para a recuperação da retina;

EDUCAÇÃO DE CEGOS

Em 1784, Valentin Haüy fundou a primeira escola para deficientes visuais, em Paris, onde criou uma escrita em relevo que permitia aos cegos a leitura pelo tato - é importante ressaltar que o tato é um dos sentidos mais apurados pelos cegos.

Louis Braille, discípulo de Valentin Haüy, que perdeu a visão aos 3 anos de idade em consequência de um acidente aperfeiçoou o sistema criado por Haüy, contando não apenas com letras, mas também com números e notas musicais. A partir daí, surgiram várias escolas para cegos na Europa.

A UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) incentivou a unificação do sistema Braille e a difusão mundial.

No Brasil, em 1854, foi criado o Imperial Instituto dos Meninos Cegos, hoje, Instituto Benjamin Constant, no Rio de Janeiro.

Hoje, o Benjamin Constant incentiva as novas tecnologias em educação para Portadores de Deficiência Visual em todo o país.



Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Proibição de emagrecedores imposta pela Anvisa já passa a valer

Anfepramona, femproporex e mazindol foram proibidos em outubro.
Fabricantes e comerciantes tiveram prazo de 60 dias para retirá-los.

Entra em vigor nesta sexta-feira (9) a proibição da venda de três inibidores de apetite feitos a base de anfetamina: a anfepramona, o femproporex e o mazindol. A decisão tinha sido publicada em outubro pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ela passa a valer agora porque foi dado um prazo de 60 dias para a adaptação, e só agora terminou esse prazo.

Também passam a valer as restrições à venda de outra substância usada como emagrecedor: a sibutramina. Medicamentos ou fórmulas que a contenham não poderão ser receitados com dose diária acima de 15 mg/dia (quinze miligramas por dia). A Anvisa apresentou um modelo do termo de responsabilidade que deve ser preenchido pelo médico que recomendar o uso da substância.

Histórico
No Brasil, a venda e o uso da sibutramina já eram restritos desde 2010, quando o remédio foi incluído na lista de medicamentos "B2", que necessitam de receitas especiais para serem solicitados pelos médicos. Agora, a partir da decisão desta terça, médicos e pacientes terão também que assinar um termo de compromisso ao prescrever ou utilizar a substância.

Além disso, de acordo com a Anvisa, os laboratórios que fabricam ou comercializam sibutramina terão que fazer acompanhamento de eventuais efeitos colaterais e comunicar a Anvisa no caso de ocorrências.

A agência informou que as medidas serão acompanhadas por 12 meses e que, após esse período, a comercialização do produto voltará a ser discutida.

Relatório
O relatório de 700 páginas produzido pela Anvisa aponta que os benefícios da perda de peso causados pela utilização da anfepramona, do femproporex e do mazindol não superariam os riscos, tais como problemas cardíacos. O relatório diz ainda que não há dados técnicos e científicos que comprovem a eficácia e segurança destas substâncias no controle da obesidade.

Os inibidores de apetite atuam em uma região do cérebro conhecida como hipotálamo, que regula a sensação de fome e de saciedade.

Quanto à sibutramina, o relatório diz que o registro da substância cumpriu os requisitos de eficácia, “gerando desfecho clínico da perda de peso” e com “relação benefício-risco favorável”. Sendo assim, a Anvisa permitirá que a substância possa ser comercializada com algumas restrições, tais como controle na prescrição médica para minimizar riscos.

O relatório aponta que a sibutramina pode ser utilizada em pacientes obesos sem história de doença cardiovascular e que não conseguem aderir a programas de emagrecimento; com diabetes ou intolerância à glicose; dislipedêmicos; hiperuricêmicos; mulheres com ovários policísticos e pacientes com hepatite não alcoólica.

De acordo com o relatório, a Anvisa recomenda que a utilização da sibutramina seja suspensa caso o paciente não responda ao tratamento no período de quatro semanas.

Exterior
A venda de remédios para emagrecer com sibutramina foi proibida pela agência reguladora de remédios na Europa no início de 2010. A entidade alegou, na época, que trabalhos científicos apontavam o aumento do risco de problemas cardiovasculares em pacientes que usaram a sibutramina.

Conhecido como Scout, o estudo que levou a agência reguladora europeia a banir o medicamento contou com 9 mil pacientes obesos, monitorados durante 5 anos -- parte deles recebeu sibutramina e outra parte tomou uma medicação sem efeito (placebo). Todos os integrantes da pesquisa passaram por dieta e praticavam exercícios físicos.


Fonte: G1

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com