quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Dia Nacional da Abreugrafia - 4 de Janeiro

ORIGEM DA DATA

04/01 foi instituído como Dia Nacional da Abreugrafia através do Decreto nº 42.984, de 03/01/1958 em homenagem a data do aniversário do médico RADIOLOGISTA brasileiro, Manoel Dias de Abreu, que inventou a abreugrafia em 1936.

O nome "ABREUGRAFIA" foi sugerido em maio de 1939, durante o I Congresso Nacional de Tuberculose, quando o Dr. Ary Miranda (Presidente do Congresso) propôs que fosse utilizado o termo para designar o método criado por Abreu. Em outros países, o método tem outras nomenclaturas.

Manoel Dias Abreu chegou a ser indicado para o prêmio Nobel, pela importância de sua invenção, pois na década de 30 do século 20, houve uma epidemia de tuberculose.

Os médicos não utilizavam radiografias com fins de diagnósticos, confiando apenas no método de percussão e auscultação, com uso de estetoscópio que não diagnosticava a tuberculose em sua fase inicial, dificultando o início do tratamento.

O QUE É A ABREUGRAFIA?

É um tipo de exame de que diagnostica precocemente a TUBERCULOSE. Esse teste radiográfico registra a imagem do tórax e espalhou-se pelo mundo devido ao seu baixo custo e eficiência em tirar pequenas chapas radiográficas dos pulmões. A imagem fica pequena, porém suficiente para o diagnóstico.

Trata-se de um exame obsoleto, mas de grande importância para a história da medicina e da análise de imagens.

Hoje não se fala mais em usar Abreugrafia devido aos perigos de se expor pessoas saudáveis à radiação sem necessidade. Ocorre porque já existem outros métodos de diagnosticar a tuberculose, e a epidemia não acontece mais em escala mundial. Infelizmente a epidemia ainda ocorre em alguns países da África.

NÃO PODEMOS FALAR EM ABREUGRAFIA SEM FALAR EM TUBERCULOSE

A tuberculose é uma doença infecciosa causada Mycobacterium tuberculosis, conhecido como "bacilo de Koch" em homenagem ao descobridor, o bacteriologista alemão Robert Koch. Bacilos são bactérias em forma de bastonetes.

A transmissão é direta. Se dá através do contato físico, por gotículas de saliva contendo o agente infeccioso principalmente em locais não ventilados ou ambientes fechados (tossir, falar, cantar). Um simples aperto de mãos pode transmitir a tuberculose,assim como o uso de toalhas, copos, demais utensílios de uma pessoa infectada.

Após a transmissão pode ocorrer:

a) a eliminação do bacilo pelo sistema imunológico do indivíduo;
b) o bacilo pode se desenvolver sem causar a doença;
c) a tuberculose pode se desenvolver (chamada tuberculose primária); e
d) a tuberculose pode se desenvolver anos depois (tuberculose pós-primária).

ATENÇÃO: SINTOMAS DE GRIPE

Indivíduos infectados podem não apresentar sintomas que podem ser ignorados considerando uma simples gripe.

Os sintomas mais comuns são:
- tosse seca contínua;
- tosse seca com secrecreção por mais de 4 semanas;
- sudorese noturna;
- cansaço excessivo;
- febre;
- perda de peso e falta de apetite; e
- rouquidão.

Nos casos já avançados, apresenta dificuldade na respiração, eliminação de sangue com provável acúmulo de pus na pleura, causando desconforto e dor na área pulmonar.

Ao perceber esses sintomas, procure o seu clínico ou o Posto de Saúde mais próximo a fim de ser encaminhado a um especialista.EXISTE TRATAMENTO e você não corre o risco de contaminar outras pessoas.

DIAGNÓSTICO DA TUBERCULOSE

O diagnóstico PRESUNTIVO da tuberculose se dá através do relato dos sintomas do paciente ao médico, associados a uma radiografia do tórax.

Para o diagnóstico da CERTEZA faz-se a coleta de secreção pulmonar. O escarro deve ser coletado de preferência pela manhã, ao tossir, em duas amostras colhidas em 2 dias consecutivos.

Outro teste utilizado é o teste de Mantoux, que pode auxiliar no diagnóstico da doença. É injeta-se tuberculina (uma substância extraída da bactéria) debaixo da pele. Se, após 72-96h, houver uma grande reação de pele, significa que pode haver uma infecção ativa ou uma hipersensibilidade pela vacinação prévia com BCG feita na infância. Então, este exame não confirma o diagnóstico, mas pode auxiliar o médico.

Em crianças costuma-se aspirar o conteúdo do estômago à procura do bacilo contido em escarro deglutido.

Existem outros métodos como a fibrobronscopia (utilizado quando não há expectoração).

O TRATAMENTO

O tratamento da tuberculose é padronizado no Brasil. As medicações são distribuídas pelo sistema de saúde, através de seus postos municipais de atendimento e é muito eficaz. O uso de antibióticos por 6 meses utilizado pelo sistema público de saúde aproxima a cura em 100% quando a medicação é utilizada de forma regular, ou seja, todos os dias.

Antes da existência de medicamentos efetivos para o combate da doença, 50% dos indivíduos morriam sem tratamento, 25% tinham cura espontânea e 25% tornavam-se doentes crônicos.

Conforme o Ministério da Saúde, através do Programa Nacional de Controle da Tuberculose, o tratamento é ambulatorial na maioria dos casos – feito com o paciente em casa, devendo ter a supervisão de um agente comunitário 3 vezes por semana nos primeiros dois meses de tratamento e depois uma vez por semana até o final do tratamento.

É necessário internar o paciente quando:
- o estado geral grave não permita o tratamento ambulatorial; e
- necessidade de cirurgia.

BCG - A VACINA

A vacina contra a tuberculose é a BCG (BCG - Bacilo de Calmette-Guérin) que deve ser aplicada em todo recém – nascido conforme calendário de vacinação do Ministério da Saúde. Essa vacina é elaborada a partir de uma bactéria atenuada de origem bovina (Mycobacterium bovis), que é semelhante ao microorganismo causador da doença (Mycobacterium tuberculosis).

A BCG não impede a infecção e nem o desenvolvimento da tuberculose pulmonar, mas é uma forma de proteger o organismo e torná-lo mais resistente.

APÓS ESTAS INFORMAÇÕES VOCÊ PAROU PARA PENSAR NO QUE SERIA DO SÉCULO XX SE A ABREUGRAFIA NÃO TIVESSE SIDO INVENTADA PARA DIAGNOSTICAR A TUBERCULOSE? PENSE NISSO.

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Nenhum comentário:

Postar um comentário