Pular para o conteúdo principal

Gel Vaginal reduz risco de contaminação por HIV

De acordo com um estudo apresentado esta semana na Conferência Internacional de AIDS em Vienna, um gel vaginal pode diminuir em mais de 50% o risco de infecção pelo vírus HIV, se aplicado consistentemente antes e depois do ato sexual.

O gel contém “tenovir”, uma droga usada no tratamento da Aids.

Segundo Dr. Salim S. Abdool Karim, co-autor da pesquisa, se a população geral usasse o gel da mesma maneira como se foi observado no estudo, o gel poderia evitar 1,3 milhões de infecções nos próximos 20 anos.

Os resultados são bastante animadores porém o Gel ainda precisa ser mais estudado e passar pelo processo de aprovação. É esperado que o produto só estará disponível no mercado em 1 ou 2 anos.

Mulheres representam a maioria dos novos casos de infecção por HIV no mundo todo e com isso existe a necessidade urgente de um método para que elas possam proteger-se da infecção. O estudo também constatou que os microbicidas reduziu significantemente o risco de transmissão do herpes genital [HSV-2], que é mais um facilitador da transmissão do HIV.

Se você está preocupado com a possibilidade de ter contraido uma doença infecciosa procure um médico agora mesmo. No Help Saúde você encontra um profissional perto de você.

Fonte: HealthDay.com

Comentários

  1. Olá, blogueiro!

    A melhor prevenção é a informação e usando a camisinha, todos curtem melhor a vida e sem preocupação. Ajude a divulgar informações e conscientizar mais pessoas sobre as formas de contágio e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, como o vírus HIV. Conheça algumas das atuais campanhas contra o preconceito e de prevenção a DSTs do Ministério da Saúde. Ajude-nos a divulgá-las. Vamos juntos conscientizar um número maior de pessoas.
    Camisinha. Com amor, paixão ou só sexo mesmo. Use sempre.
    Para mais informações: comunicacao@saude.gov.br, www.aids.gov.br ou www.formspring.me/minsaude .
    Atenciosamente,
    Ministério da Saúde

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do