Pular para o conteúdo principal

O espaço físico como fator de competitividade



Se perguntarmos a médicos bem-su­cedidos sobre seu primeiro consultório, grande parte deles dirá que ele era pe­queno, pouco funcional e que foi deco­rado com objetos trazidos de casa. Ou­viremos também que, com o passar do tempo, a necessidade fez com que fosse buscado um espaço maior, ocasionando a mudança, ou, então, que foram feitas pequenas obras na tentativa de adequar o que se tinha àquilo que era preciso. Apesar das mudanças e das obras, muitos médicos e administradores de clínicas ainda não perceberam a importância de olhar com um pouco mais de seriedade e profissionalismo para a questão do es­paço físico como um verdadeiro fator de competitividade.

É preciso entender que o perfil do pa­ciente mudou. Como consumidor, ele é mais exigente e consciente de seus direi­tos. Cativá-lo requer esforços maiores e mais abrangentes. Comodidade e sensa­ção de bem-estar passam a ter uma im­portância muito maior para os usuários de serviços médicos do que na época em que a clientela se formava basicamente sobre o valor pessoal e profissional do médico.

O espaço físico de uma clínica pode ser dividido em duas partes: externo e interno. O externo compreende a facha­da, a entrada e as formas de acesso dos pacientes. Um serviço médico pode ser oferecido em três tipos diferentes de es­paço: em prédios comerciais, dentro de policlínicas ou ainda em estruturas ex­clusivas. É claro que as características do espaço influenciam de maneira significa­tiva a formação da imagem e, portanto, o marketing de um serviço.

Quando a clínica é instalada em um prédio comercial, além das caracterís­ticas físicas do edifício, os cuidados do condomínio com as áreas comuns e os serviços oferecidos podem ser relevan­tes. Nas policlínicas, o acesso e a sina­lização se tornam peças importantes, já que o paciente muitas vezes toma conhecimento do serviço quando vai em busca de atendimento em outra es­pecialidade. As edificações exclusivas, ao mesmo tempo em que sugerem a possibilidade de exprimir com mais clareza a “personalidade” do serviço, representam um gasto maior com se­gurança e manutenção. A localização geográfica do serviço também deve ser analisada sob dois aspectos: comodi­dade e facilidade de acesso.

No espaço interno, podemos dimen­sionar com clareza aquilo que quere­mos, precisamos e podemos fazer. O cuidado com as instalações deve con­siderar o todo. Cada cômodo, tenha a ele ou não acesso os pacientes, deve ser pensado em termos de praticidade, ra­cionalidade e conforto, pois influenciará na imagem que pretendemos desenvol­ver para o serviço.

Ao se projetar o serviço, deve ser con­siderado ainda o perfil dos pacientes que se pretende atender. Além da idade, outro fator que precisa ser levado em consideração na estruturação da clínica é a classe social da clientela: uma clínica que atenda pacientes particulares pre­cisará dimensionar o espaço físico em função do desejo de seus clientes em contar com um atendimento diferen­ciado. Da mesma maneira, uma clínica caracterizada pelo atendimento popular precisará investir no número de pos­tos de atendimento e em oferecer uma grande sala de espera.

Finalmente, é preciso ainda considerar o espaço físico em função dos tipo de ser­viço que serão oferecidos, pois uma clí­nica onde são realizadas apenas consultas precisará de estrutura bastante diferente daquela que, além de consultas, oferece exames ou da que oferece consultas, exa­mes e cirurgias, que também terá necessi­dades relativas ao espaço físico diferentes das dos centros cirúrgicos abertos.

Dica final: como em qualquer outra área ou serviço, para minimizar proble­mas com o espaço físico, é fundamental recorrer à ajuda profissional, pois a pri­meira impressão pode não ser necessa­riamente a que fica, mas, com certeza, demora a ser desfeita...
 
por Alice Selles
 
Conteúdo fornecido pela Editora DOC, parceira do HelpSaúde.




DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.

Comentários

  1. Muito bom e pático o artigo!
    Realmente isto acontece diariamente na prática clínica.
    Atenciosamente;
    Dr. Fabio Corsini Motta
    Instituto Paulista de Quiropraxia - IPQ

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa