Pular para o conteúdo principal

Gripe A: podemos vencer juntos esta grande batalha

Por Jussara Fiterman: Presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia e professora da Faculdade de Medicina da PUC-RS

Nos consultórios, hospitais, rodas de amigos ou no trabalho, seja onde for, não se fala em outra coisa. A Gripe A também é manchete dos principais jornais e noticiários, há semanas, preocupando médicos, tirando o sono do governo e alarmando a população.
O clima de pânico, porém, em nada ajudará a vencer o vírus Influenza H1N1 Nossas maiores defesas são a informação e a calma.
Pneumologistas de todo o país, bem como outros especialistas e profissionais de saúde abriram suas agendas, ampliaram seus atendimentos em ambulatórios para ficarem à disposição da população, orientando, esclarecendo dúvidas e manejando os casos suspeitos. Todos têm de fazer a sua parte. Cabe ao cidadão manter-se bem informado sobre o assunto para poder seguir adequadamente as medidas preventivas recomendadas.
É fundamental seguir as principais recomendações que visam à redução da disseminação da doença. A transmissão pode ser direta, por meio das secreções das vias aéreas de pessoas contaminadas, expelidas ao tossir ou espirrar, ou indireta, pelo contato manual de superfícies ou objetos contaminados.
Por esta razão, é fundamental lavar as mãos com frequência, evitar levá-las às mucosas da boca, nariz ou olhos, utilizar lenço descartável ao tossir ou espirrar, não compartilhar copos, toalhas ou alimentos e evitar aglomerações e ambientes fechados.
A pessoa com síndrome gripal costuma apresentar febre alta persistente, tosse, dor de garganta, dor de cabeça, dores musculares, que podem vir acompanhados de sintomas digestivos como falta de apetite, náuseas, vômitos ou diarreia.
O uso de medicação deve ser feito com orientação médica. O controle da febre e boa hidratação são fundamentais. Remédios sem a correta indicação podem mascarar sintomas importantes, agravar doenças ou dificultar o diagnóstico.
A maioria dos casos são autolimitados, isto é, terão melhora clínica espontânea. O sinal de gravidade mais frequente é a falta de ar e pode representar uma evolução desfavorável da doença. Nesses casos, é importante buscar o atendimento médico com urgência para tratamento de possíveis complicações.
É importante manter a calma. Esta não é a primeira epidemia que o mundo assiste e infelizmente não será a última.
É possível que, com a proximidade da primavera e os dias mais quentes, ocorra uma redução dos casos da Gripe A (H1N1), mas é preciso que cada indivíduo cumpra o seu papel, seguindo as orientações de prevenção, protegendo-se e educando-se na promoção da saúde da comunidade.
Com certeza, ações conjuntas dos profissionais de saúde, governos e sociedade terão um impacto favorável no combate a esta epidemia.

Procure por médicos especializados no Help Saúde (Ex: Clínico Geral no Rio Grande do Sul)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa