Pular para o conteúdo principal

21 de Junho: Início do Inverno e Dia Nacional de Controle da Asma

As doenças respiratórias são mais intensas no outono e no inverno. Sabendo disso, foi estipulado o dia 21 de Junho como o dia Nacional de Controle da Asma. Essa data é de extrema importância para colocar a doença em evidência e informar a população sobre seu o tratamento.

A asma é hoje uma das doenças mais prevalentes no mundo. É uma doença pulmonar caracterizada pela inflamação crônica das vias aéreas, que se estreitam e causam dificuldade respiratória.

As pessoas confundem bronquite ou uma simples gripe com a asma. A população precisa saber o que é e como deve tratar a asma. Ela não tem cura, mas tem tratamento.

Dificuldade de respirar, tosse, dor ou ardência no peito, expectoração freqüente e o famoso chiado, são alguns dos sintomas que caracterizam a asma.

O tratamento da Asma deve ser feito permanentemente de forma profilática e não só nos momentos de crises. Classificada como leve, moderada ou grave, a asma não escolhe idade e embora se manifeste principalmente na fase infantil, poderá acometer pacientes de todas as faixas etárias.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde a doença já atinge mais de 150 milhões de pessoas no mundo e 10% da população brasileira. Além disso, a asma é a terceira causa de hospitalização pelo SUS, provocando, 376 mil internações ao ano.

Os dados são alarmantes e nos colocam como 8º país no mundo em prevalência de asma. A questão se torna ainda mais grave pois sabe-se que é possível e alcançável o controle total da asma através de medida simples de limpeza e cuidados básicos de higiene.

O diagnóstico da asma depende de consulta médica, preferencialmente com o médico pneumologista, que trata dos males relacionados ao sistema respiratório. Exames laboratoriais podem ser necessários para descartar outras doenças com sintomas semelhantes.

Encontre um especialista no Help Saúde e cuide bem da sua saúde.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa