Pular para o conteúdo principal

Artigo publicado por Gustavo Guida Reis no Conselho Federal de Medicina

Uma grande dificuldade no trabalho do médico atualmente é alcançar um equilíbrio positivo no saldo entre as consultas particulares e as atendidas por meio dos planos de saúde. Tanto os recém-formados, que iniciam a carreira e precisam de visibilidade, quanto os mais experientes, que possuem credibilidade mas se vêem reféns de certas práticas, recebem um valor pequeno das operadoras por consulta realizada.

Nesses casos, muitos abandonam os convênios e investem no atendimento particular. Para impulsionar as consultas e também manter a reputação construída ao longo dos anos, uma das saídas para os médicos é buscar soluções que mantenham a proximidade com o paciente e dispensem o intermédio de terceiros. E, para isso, uma das melhores saídas é a internet, o meio em que a grande maioria das pessoas está inserida e que não necessita de interlocutores, garantindo maior independência para qualquer indivíduo.

Os motivos para os médicos terem mais autonomia são muitos. Basta observar que, além da dependência que existe no relacionamento entre os profissionais e os planos de saúde, a interferência no trabalho do médico que atende pelo plano é cada vez mais perceptível.

Outro problema são os repasses financeiros por cada consulta realizada. A baixa remuneração do plano força o médico a complementar os ganhos com mais atendimentos, quando o tempo de trabalho continua mesmo. Essa prática acaba impactando o maior interessado nos serviços do profissional da área de saúde: o paciente.

Para se ter ideia de como é a relação médico-plano de saúde, o médico Dráuzio Varella revelou em um artigo números preocupantes: levando em conta que é pago cerca de R$20,00 por consulta, para que o médico possa cobrir os custos do seu consultório e ganhar cerca de R$5.000,00 mensais, precisaria atender 4,5 consultas por hora. Ou seja, cada consulta teria em média menos de 15 minutos de duração

Os dados reforçam a ideia de que os médicos precisam de mais independência para impulsionar e desenvolver a própria carreira, tendo a opção de ter seu trabalho reconhecido e mais bem remunerado. Uma das soluções para sanar esse problema seria criar uma vitrine para que o profissional pudesse divulgar dados de seu trabalho e os serviços que oferece, estabelecendo um contato direto com o paciente. E não há espaço mais democrático para isso do que a Internet.

O portal Help Saúde, o maior buscador de profissionais da área de saúde do Brasil, e o Google realizaram monitoramentos recentes sobre o comportamento dos usuários de internet interessados em questões de saúde. As pesquisas dos dois sites mostram que tantos os pacientes quanto os médicos já possuem uma rotina virtual, com horas diárias de acesso à rede. Um outro dado que ficou em evidência por meio do levantamento é a necessidade de um espaço onde eles possam interagir com o propósito de facilitar o contato.

Embora sejam poucos, no Brasil começam a surgir sites especializados que estão atendendo essa demanda e facilitando a vida do médico. O Help Saúde é um dos poucos portais que já oferece um diferencial: o tráfego de pacientes. Em menos de dois anos de existência, ele disponibiliza para os médicos, gratuitamente, um tráfego de um milhão de usuários por mês.

O contato direto paciente-médico é fundamental para equilibrar essa relação entre os profissionais e seu público. Além de saber exatamente quem terá à sua frente no consultório, o paciente também pode checar o currículo do especialista e sua formação profissional. Para o médico, representa uma vitória que encurta o caminho que leva da sala de espera até o paciente que está em casa, precisando de ajuda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do