Pular para o conteúdo principal

Curso Atualização no manejo clínico da dengue


Este curso é resultado de uma parceria entre o Ministério da Saúde e a Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS). O objetivo da iniciativa é fazer com que médicos e enfermeiros da atenção básica e da urgência e emergência aprendam ou se aperfeiçoem no diagnóstico e tratamento da dengue. A expectativa é de que a capacitação dos profissionais, por meio de quatro casos clínicos que ocorrem comumente no dia a dia, possibilite uma redução ainda maior dos casos graves e da mortalidade pela doença.

Por meio do esforço das autoridades brasileiras e da sociedade civil para controlar a doença, o Brasil conseguiu reduzir em 28% o número de casos de dengue entre 2010 e 2011. Os registros e óbitos da doença também têm alcançado significativas quedas ao longo dos anos.

A redução sustentada no número de casos graves e óbitos se deve, principalmente, à organização da rede pública de saúde em todo o país, a ampliação no fluxo de atendimento e, sobretudo, ao diagnóstico precoce. Também se destaca como contribuição para esta redução, o esforço dos profissionais de saúde e as atividades de vigilância e controle do mosquito Aedes aegypti, realizadas pelos agentes de saúde e população, contribuindo dessa maneira na redução do impacto das epidemias de dengue.

Neste ano, o governo federal repassou a um conjunto de munícipios vulneráveis para ocorrência da doença, um adicional de recursos de R$ 92,8 milhões para ações de prevenção e controle.

O curso é composto por módulos, totalmente autoinstrutivo, não há tutores, podendo ser feito diretamente pela internet. São quatro casos clínicos a serem solucionados pelos participantes. Cada caso deve demandar, em média, 15 minutos para ser completado, podendo estender-se de acordo com a necessidade de pesquisa dentro do conteúdo do curso.

A plataforma à distância é compatível com smartphones. Assim, o profissional de saúde poderá acessar o conteúdo via Ipad ou Iphone. Outra opção é efetuar o download do conteúdo e desenvolver o curso sem acesso à rede, por computador ou celular.

Médicos e enfermeiros podem ainda compartilhar experiências por meio de redes sociais, como o Facebook e, também, participar de enquetes e fórum de discussão promovidos na plataforma do curso. Outra ferramenta disponível é um aplicativo para o sistema Android que pode ser baixado no celular para guiar o profissional da saúde quando efetuar a classificação clínica da doença.

Nós acreditamos que esse curso será uma ferramenta adicional na qualificação de nossas equipes de médicos e enfermeiros da atenção básica e de urgência e emergência, pois oferecerá os conhecimentos necessários para manejar, diagnosticar e tratar os casos de dengue.

Bem vindos e bom curso!

Jarbas Barbosa
Secretário de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde

*O conteúdo do Curso é de responsabilidade da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS).


Quem pode se matricular?

Pré-requisitos: Profissional da saúde de nível superior com cadastro no CNES, ativo ou inativo, nas ocupações abaixo. São utilizados os códigos e denominações do Cadastro Brasileiro de Ocupações - CBO:

Assistente Social (251605)
Biólogos (2211XX)
Biomédicos (2212XX)
Profissionais da Educação Física (2241XX)
Enfermeiros (2235XX)
Farmacêuticos (2234XX)
Fisioterapeutas (2236XX)
Fonoaudólogos (2238XX)
Médicos Clínicos (2251XX)
Médicos em Especialidades Cirúrgicas (2252XX)
Médicos em Medicina Diagnóstica e Terapêutica (2253XX)
Médico Veterinário (223305)
Nutricionistas (2237XX)
Cirurgiões-Dentistas (2232XX)
Psicólogos e Psicanalistas (2515XX)
Terapeutas Ocupacionais (2239XX)

Se você não se inserir nesse perfil, poderá acessar o curso como visitante e ter acesso aos seus materiais na íntegra, ainda que essa modalidade não possibilite o recebimento da declaração de conclusão online.


Como fazer a matrícula?

Para efetivar a matrícula são necessários dois passos:

1) Efetuar registro no Cadastro Nacional de Profissionais de Saúde
Caso ainda não seja registrado no Cadastro Nacional de Profissionais de Saúde (CNPS), você deve efetuar o registro, de acordo com as instruções contidas no link abaixo. Caso já tenha realizado o cadastro anteriormente, siga para o passo 2

2) Matrícula no Curso
O processo de matrícula verificará seus dados de ocupação na Plataforma Arouca, conforme as regras de matrícula definidas para o curso. 
Todos os dados devem estar preenchidos e corretos, caso encontre alguma dificuldade, entre em contato utilizando nosso Sistema de Suporte Técnico.


Como obter a declaração de conclusão?

Para receber a declaração de conclusão online é necessário:

Estar matriculado no curso;
Completar as atividades propostas nos quatro primeiros casos clínicos;
Concluir os quatro casos em um prazo máximo de 2 meses após a efetivação da matrícula.


Como acessar o curso?

Se você não se inserir no perfil de matrícula especificado para esse curso, poderá acessar os materiais na íntegra como visitante. Atenção: essa modalidade não possibilita a obtenção de declaração de conclusão.

Se você já recebeu confirmação de sua matrícula, selecione "Plataforma Arouca" como seu fornecedor de identidade, quando solicitado.



Conteúdo fornecido pelo Ministério da Saúde e www.unasus.gov.br/dengue
 
DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa