Pular para o conteúdo principal

Porque temos fome quando emocionalmente estamos abalados

Comer doce quando estamos emocionalmente abalados

A fome é uma sensação fisiológica emitida pelo corpo ao ser detectada a falta de nutrientes e energia para a manutenção das atividades diárias. É então um processo natural do ser vivo. No entanto, existe outra sensação que não é considerada natural, tampouco, fisiológica e que é conhecida por muitas pessoas como a “gula”.

Gula é a vontade de comer sem a presença da fome, que é conhecida por muitos profissionais como “fome emocional”. Como o nome já indica, ela está ligada ao estado psicológico da pessoa, sendo mais expressivas diante de sentimentos negativos, estressantes e depressivos. Esse desejo intenso de comer é uma forma criada pelo cérebro de compensar as emoções ruins.

Ao ingerir um alimento o cérebro libera sensações como saciedade, além de bem-estar e relaxamento. Quando os alimentos são ricos em carboidratos e açúcares a intensidade dessas sensações de bem-estar é maior e torna o prazer pelo ato de comer ainda mais intenso.

Não é a toa que a indústria alimentícia passou a produzir alimentos baratos, de fácil ingestão e muito saborosos. A fome emocional é mais urgente, imediata e insaciável do que a fome fisiológica. A vantagem é que apenas são necessários alimentos práticos e ricos em calorias, para diminuir o nível de estresse e sofrimento com rapidez.

Porém, deixar o sentimento ruim de lado pode não ser uma boa estratégia para a saúde emocional. Quanto menos se compreende a fonte do estresse, o motivo da angústia ou tristeza, maior a probabilidade da pessoa recorrer aos alimentos. Por consequência, o ganho de peso pode ser mais um fator gerador de estresse e angústia. Outro fator ruim é que remoer sentimentos depressivos ou estressantes pode desencadear o surgimento de outras doenças como depressão, doenças psicossomáticas, entre outras.

Planejar uma dieta especifica para o seu organismo requer o acompanhamento de profissionais especialistas, os quais proporcionarão além de boa forma e saúde, equilíbrio emocional!

Para saber mais sobre esse tema no site Vida Mental você encontrará textos e vídeos que esclarecem essas e outras dúvidas!



DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde ou sites de terceiros são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa