Pular para o conteúdo principal

Dia Internacional para a preservação da Camada de Ozônio


O Dia Mundial para a Prevenção e Conservação da Camada de Ozônio foi estabelecido pelas
Nações Unidas em 1995 para sensibilizar a opinião pública sobre o problema que representa para todos nós.

A camada de ozônio é uma parte da atmosfera, que fica entre 15 e 35 quilômetros acima do solo, onde concentra-se 90% deste elemento, que é constantemente formado e destruído.

Atualmente, os produtos mais nocivos são o gás CFC, e outros gases refrigerantes utilizados em spray e aerossol.A destruição da camada de ozônio que acontece sobre o Ártico depende muito das condições do clima, o que fez com que a Organização Mundial da Meteorologia (OMM) afirmasse hoje que o tamanho do buraco que existe sobre o hemisfério norte variará cada vez mais.

Uma das conseqüências mais prejudiciais para os seres vivos da diminuição desta proteção natural é que as pessoas ficam mais vulneráveis aos raios ultravioletas emitidos pelo sol, que causa danos à pele e aos olhos (queimadura, câncer e catarata) e enfraquece o sistema imunológico.

Acredita-se que já há hoje em dia uma redução dos efeitos e que passou a acontecer depois que o mundo se conscientizou da importância de preservar a estabilidade da atmosfera. Porém, apesar do buraco da camada ter parado de crescer, ainda está se recuperando.

Se cada um fizer a sua parte, estima-se que a camada de ozônio se recuperará daqui a 49 anos, segundo nota divulgada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), apoiado em informações da Organização Meteorológica Mundial (OMM).

Em suma, é hora de refletir e estabelecer medidas no nosso dia a dia para a proteção da camada de ozônio, que protege o planeta das radiações solares excessivas e nos permite viver melhor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER: