Pular para o conteúdo principal

O encontro clínico: o médico aos olhos de quem o procura


Bertrand de Jouvenel teria dito a Emmanuel Berl: “Vês, estou contente de conversar contigo enquanto bebemos água da torneira em um pote de mostarda. Para muitas pessoas, o progresso seria beber água mineral em um copo de cristal. Para mim, é ver-te mais vezes”.
Alfred Sauvy

 

É com esta citação que o colega Luis Roberto Londres inicia o capítulo O encontro clínico, de seu livro Iátrica – a arte clínica: ensaios sobre a teoria da prática médica. Li este livro em 1998, no meu penúltimo ano de Medicina, e decidi revisitá-lo. Este momento tão significativo, que é o do encontro do paciente com seu médico, sempre me interessou. A complexidade das possibilidades interativas – que necessariamente precisa ser substituída por um tipo de interação específica, baseada na cooperação e na confiança – é um desafio para qualquer profissional que exerça a prática clínica.

Depois de uma boa campanha de marketing médico, um consultório bem localizado, agradável de se estar, com uma secretária atenciosa, horários disponíveis e um preço justo, ainda há que se passar pelo teste de fogo: a relação médico-paciente. Como diz Londres: “é através do encontro clínico que o doente – ou o suposto doente – ou o que deseja apenas se assegurar de sua sanidade toma contato com a atividade médica como tal, isto é, compartilha suas condições com outra pessoa, possuidora de conhecimentos específicos e ordenados, e dela espera uma opinião (ou certeza) e uma ação de acordo com seus objetivos”.

É nesse momento, em que nos mostramos seguros, empáticos e disponíveis – ou, então, justamente o contrário destas características acolhedoras – que começamos a definir o sucesso de nossa empreitada enquanto praticantes da Medicina. Enquanto podemos conseguir de um paciente que se mobilize para a ação através do temor que o mesmo possui de perder a vida, algum órgão ou função, não conseguimos fazê-lo de forma sustentada e cooperativa se não desenvolvermos com ele um laço especial, pautado pela confiança.

Sem este laço, ao primeiro sinal de segurança, quando perceber (ou imaginar) que sua vida está a salvo, o mesmo tenderá a abandonar o tratamento, ou torná-lo irregular, passando a obedecer os impulsos e aconselhamentos daqueles que estão mais próximos do seu círculo de confiança: amigos, familiares, vizinhos… Como sabemos, tal atitude é temerária e claramente prejudicial em patologias crônicas (como diabetes mellitus, hipertensão e dislipidemias), nas quais a sintomatologia pode permanecer oculta por vários anos, causando danos que só serão perceptíveis mais tarde.

Quando um paciente vem nos procurar, ele sempre o faz pois está, de uma forma ou de outra, fragilizado, visualizando na figura do médico um instrumento para sair de sua condição de ser humano frágil e falível. Negligenciar esta condição e este sentimento, bem como tornar secundária a importância do médico enquanto direcionador do processo de cura, alívio ou conforto do paciente, é algo eticamente inaceitável. Quando, inadvertidamente, responsabilizamos o paciente intelectualmente limitado ou, já idoso,  atrapalhado com suas dezenas de medicações, pela falha do tratamento, o fazemos para tentar nos redimir de nossa própria responsabilidade.

Se é bem verdade que “não se pode ajudar a quem não quer ajuda”, existem várias formas de ajudar quem nos pede socorro mas, por vários motivos que cabem a nós investigar, não consegue-se ajudar. Não é só ao paciente que precisamos pedir paciência enquanto realizamos nossos testes e utilizamos nossas ferramentas diagnósticas. Precisamos nós mesmos exercer o dom da paciência e repetir nossas instruções acerca das medidas que julgamos aptas para que o doente atinja os objetivos que o fizeram nos procurar.
Ainda, voltando a uma citação de um poema de Antonio Machado feita em Iátrica: “El ojo que ves no es ojo porque tú loveas; es ojo porque te ve”. E referindo-me à necessidade da relação de confiança, talvez possamos usar tal poema para dizer: “O médico que enxergas no espelho pela manhã não é médico porque assim o queres; é médico pois assim teu paciente te vê”.


por Rafael Reinehr


Conteúdo fornecido pela Editora DOC, parceira do HelpSaúde.


DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa