Pular para o conteúdo principal

Fique de olho na sua Saúde Ocular

Neste último dia 10 de julho comemorou-se o Dia Mundial da Saúde Ocular. A data não foi estabelecida apenas para lembrar-nos dos avanços da oftalmologia, mas também chamar a atenção para os cuidados que se deve ter com a visão. É basicamente mais uma data instituída para alertar a população sobre os benefícios das práticas preventivas.

Visitas periódicas ao oftalmologista devem fazer sempre parte da agenda de qualquer pessoa. Através de exame clínico e testes complementares como aferição da pressão intraocular, medição da acuidade visual e detecção precoce de quaisquer alterações que requeiram tratamento médico, pode-se prevenir complicações que levam à cegueira.

O assunto torna-se mais relevante ainda, uma vez que, muitas pessoas têm problemas de visão e não sabem. De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, cerca de 314 milhões de pessoas em todo o mundo têm algum tipo de deficiência visual, sendo que 45 milhões deles são cegos. Além disso, 75% dos casos poderiam ser evitados ou curados.

Como o primeiro estágio de muitas doenças é pouco perceptível, os exames periódicos são fundamentais para evitar qualquer perda visual. Por outro lado, a falta de acompanhamento médico pode agravar até problemas mais simples.

No Brasil, ainda falta informação para grande parte da sociedade, que costuma procurar assistência quando a doença já está em um nível alto de desenvolvimento. Até uma conjuntivite mal tratada, por exemplo, pode gerar complicações mais sérias e causar até perda total da visão.

Visitas anuais ao oftalmologista fazem a diferença. É através do exame clínico e de testes complementares que se verificam eventuais alterações. Na infância, a atenção não deve ser minimizada. Os cuidados iniciam-se na gestação, pois durante sua formação a criança pode ter a visão afetada por uma série de fatores e toda criança deve realizar sua primeira consulta oftamológica entre dois e três anos de idade, mesmo que não apresente sintomas.

Fique de olho na sua saúde. Encontre no Help Saúde um oftalmologista perto de você.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa