Pular para o conteúdo principal

Será que o uso de redutor gástrico será expandido também para adolescentes obesos?

O órgão americano responsável por administrar medicamentos e alimentos (FDA) vem considerando a possibilidade de ampliar as cirurgias de estômago com o uso de um redutor para adolescentes de 14 a 17 anos. Atualmente, o procedimento é aconselhado para redução de peso entre adultos obesos que tenham a partir de 18 anos. Porém, recentemente, um estudo feito mostrou que a operação gástrica, com o chamado “Lap-Band”, obteve também sucesso em adolescentes que sofrem com a obesidade.

Recentemente, o risco de morte de um adulto em uma cirurgia de redução de peso, caiu 1%. Porém, nos adolescentes é difícil estimar, uma vez que, os estudos nestes ainda são raros e difíceis de comparar.
Ainda neste ano, uma clínica de testes publicou no “Journal of America Medical Association” que a cirurgia de estômago traz resultados mais eficazes em pacientes entre 14-17 anos do que seguir apenas dietas e exercícios. Por outro lado, pesquisadores de uma universidade do México, de Bristol e do Instituto Nacional de Saúde, defenderam que essa cirurgia só deve ser feita com o máximo de cuidado e apenas em pessoas realmente obesas que já tenham tentado outros tipos de alternativas para emagrecer.

Como um adolescente de 14 anos possui um histórico muito pequeno de tentativas através de dietas, exercícios e adequação de hábitos saudáveis, pais e médicos devem ser cuidadosos e analisar cautelosamente, os pros e os contras quando optarem solucionar a obesidade de seus filhos através de um mecanismo tão radical e delicado.

Se você estiver considerando fazer uma cirurgia bariátrica, consulte um especialista e veja quais são os riscos, vantagens e as opções mais adequadas pra você.

Comentários

  1. Adolescentes deveriam ter uma vida saudável. Não concordo com essa cirurgia numa idade tão nova.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do