Pular para o conteúdo principal

1 a cada 5 Adolescentes Americanos já tiveram Alguma Perda Auditiva

O número de adolescentes americanos que tiveram alguma perda de audição aumentou em 30% de 1998 até 2006. Segundo estudo feito nos Estados Unidos, onde 2.928 adolescentes foram pesquisados, constatou-se que 1 em cada 5 adolescentes sofreram alguma perda auditiva.

O principal motivo pode ser justificado pelo estilo de vida e os hábitos destes adolescentes, que em sua grande parte estão associados ao excesso do uso de MP3 e aparelhos musicais portáteis.

O crescimento da perda auditiva pelo uso de mp3 e dispositivos eletrônicos não é significativo se comparado ao histórico de perdas devido às infecções auditivas, ou à constante exposição a ruídos muito altos. De qualquer forma, as razões deste crescimento ainda não são todas bem
definidas, mas, sabe-se que os dispositivos de musicas portáteis são os maiores “colaboradores” para tal. “Horas ouvindo um volume muito alto prejudica muito a audição.”, relatou um dos pesquisadores.

O que assusta é a tendência nos dias atuais. Porque uma vez que a juventude está cada vez mais
inserida neste meio, com o passar do tempo a perda auditiva causada por esses aparelhos tende a
se tornar ainda mais significativa.

Kileny, um dos principais responsáveis pelo estudo, sugere que as pessoas ajustem o volume para um nível adequado. Uma boa dica para adequar o som é testar se é possível ouvir música e conversar com outra pessoa ao mesmo tempo.

Se você tem problemas de audição, consulte um especialista agora mesmo.

Comentários

  1. Segundo a OMS, o tempo máximo diário recomendado para se ouvir música em um aparelho de MP3 é de 1 (uma) hora. Além disso, recomenda-se que não seja ouvido com um volume superior à metade do volume máximo do aparelho (isso para a maioria deles).
    No caso de dúvida o aconselhável é procurar um otorrinolaringologista (médico responsável por cuidar do aparelho auditivo) para que possa ter um diagnóstico preciso, bem como realizar uma audiometria.

    Leonardo é proprietário do portal http://www.drogariasonline.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa