Pular para o conteúdo principal

Que tal chocolate como medicamento?


Algumas experiências mostraram que o chocolate meio amargo pode ajudar a baixar a pressão quando consumido diariamente em pequenas quantidades.

Pode soar como uma ótima prescrição, mas pesquisadores da Austrália descobriram que muitos pacientes cardíacos têm optado por pílulas convencionais a chocolates ricos em antioxidantes.

Segundo Karin Ried, co-autora da carta publicada na BMJ, 50 gramas de chocolocate contendo 70% cacau teve aceitação menor do que pílulas de extrato de tomate ou placebo.

Parte das pessoas considera difícil consumir apenas uma pequena quantidade de chocolate por dia, e 20 % consideram inaceitável tal tratamento.

Os pesquisadores acreditam que apesar deste método ainda não ser bem aceito é comprovado que o chocolate meio amargo ajuda na redução da pressão arterial. Porém, deve-se ter cuidado: evitar o consumo em excesso e não considerar o doce como único tratamento para doença.

Se você tem pressão arterial alta, não deixe de consultar um cardiologista.

Fonte: Karin Ried, Ph.D, research fellow, discipline of general practice, School of Population Health and Clinical Practice, University of Adelaide, Australia; Suzanne Steinbaum, D.O., preventive cardiologist, Lenox Hill Hospital, New York City; Marianne Grant, R.D., registered dietitian and certified diabetes educator, Texas A&M Health Science Center Coastal Bend Health Education Center, Corpus Christi; Aug. 12, 2010, BMJ
HealthDay.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do