Pular para o conteúdo principal

Família: Resolvendo os problemas juntos

A terapia familiar, baseia-se na crença de que os problemas frequentemente resultam daquilo que está ocorrendo nos relacionamentos. Os problemas familiares não são responsabilidade de apenas uma pessoa. As vezes, o que parece ser um problema individual, pode ser o sinal de que toda a família está com dificuldades.

O envolvimento da família no processo terapêutico, pode ser útil em diferentes situações quando:

■ Um membro da família apresenta dificuldades no relacionamento familiar;

■ Uma criança ou adolescente apresenta problemas de ordem comportamental ou emocional;


■ Os pais precisam de orientações no manejo com seus filhos;

■ A família está desorganizada e seus membros afetados;

■ Não existe regras e limites no contexto familiar:

■ Existe dificuldades na comunicação, afastamento entre os membros e ausência de afeto;

■ Separação do casal;

■ Luto;

■ Dependência química;

■ Doença grave;

■ Segredo familiar;

■ Mudanças;

■ Desentendimentos, agressões e mágoas.

Em alguns casos a necessidade de tratamento famíliar parece óbvia ou seja, quando todos na família estão sofrendo ou quando toda a família está diretamente envolvida no problema. Entretanto, é mais comum que os sintomas e problemas sejam concentrados em apenas uma pessoa. Quando este é o caso, a família geralmente fica prerplexa quando é chamada , sendo comum a resistência ou recusa para participar das sessões. A necessidade do envolvimento da família no processo terapêutico, não significa que a mesma deverá participar de todas as sessões semanais. Na medida em que o tratamento progride, as pessoas podem ser atendidas em diferentes formatos. Os pais podem ser atendidos sem os filhos, os irmãos podem ser atendidos juntos, ou um dos filhos pode ser atendido com apenas um dos pais, entre outras combinações. Durante o período em que a família está envolvida no processo terapêutico, os membros aprendem a :

■Se sentir mais bem sucedidos como grupo e melhor em relação a si mesmos como indivíduos;

■Se comunicar mais efetivamente dentro e fora do sistema famíliar;

■Ser capazes de se apoiar mutuamente quando precisarem;

■Aprendem a manejar o estresse e sentimentos aversivos construtivamente;

O trabalho com a família é bem sucedido e se encaminha para o término quando:

■Os problemas ou sintomas que levaram ao tratamento desaparecem ou são amenizados;

■Os membros da família adquirem confiança na sua capacidade de utilizar os próprios recursos para enfrentamento de situações e resolução de problemas;

■Os membros da família se sentem mais à vontade uns com os outros;

■A família consegue se comunicar de forma positiva e efetiva, sem ajuda terapêutica;

■Os membros da família compreendem seus padrões de comportamento em relação aos outros. Isso inclui saber como os pensamentos e sentimentos são expressos e evitados, como os comportamentos desejados são obtidos e como os não desejados são mantidos e reforçados.

■Os membros da família percebem quais comportamentos são úteis e quais impedem que eles se entendam e tenham prazer com a conviência familiar.

■Os membros da família percebem suas forças e recursos, tornando-se mais capazes de desenvolver novas estratégias para resolução das diferenças.

■Terapeuta e a família concordam com o término do processo


Fonte: Vanessa Ebeling. CRP:RS 0319327

Psicóloga cadastrada no HelpSaúde.

Temas relacionados no HelpSaúde: Psicologia

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do