Pular para o conteúdo principal

O que você precisa saber antes de investir seu dinheiro


Investimento pode ser definido como sendo o dinheiro gasto hoje em bens e direitos com o objetivo de aumentar a quantidade de dinheiro a ser recebida no futuro. Para diversas pessoas, quando pensam em investimentos, a primeira lembrança que vem à mente são aplicações financeiras e imóveis, mas na visão de um investidor ou um empreendedor, o leque de opções é muito mais amplo. Podemos listar alguns motivos de investimentos: substituição (trocar um equipamento antigo por um novo), redução de custos (aquisição de um imóvel próprio para eliminar o aluguel), modernização, expansão e projetos (sistemas informatizados, revisão dos processos e plano de marketing).

A palavra investimento tem na sua essência a ideia de lucro, de retorno, de aumento de riqueza. Porém, a concorrência, o mercado e a mídia, muitas vezes, forçam o proprietário de uma clínica a realizar investimentos que não geram qualquer retorno, mas que, caso não sejam concretizados, poderão implicar na perda dos clientes atuais.

Imagine uma clínica com paredes por pintar, equipamentos antiquados, sem computador e com televisão de tubo na sala de espera. Ou esta clínica se moderniza realizando investimentos em reformas na estrutura física, na aquisição de computadores, televisores de LCD e equipamentos de produção ou gradativamente começará a se desfalecer. O interessante é que muitas vezes o proprietário até não se dá conta do que está acontecendo, de que precisa investir para se atualizar e enfrentar a concorrência. Neste exemplo, a clínica rejuvenescida poderá até atrair novos clientes, mas é muito difícil mensurar este efeito, pois o foco principal é a manutenção da clientela. Podemos citar ainda outros investimentos que são (por vezes) necessários, mas dificilmente propiciam algum aumento de receita visível, tal como um equipamento pouco utilizado, mas que traz mais conforto ao paciente.

O investimento em si caracteriza-se em ter um retorno, sempre acompanhado de um certo risco. As decisões neste tipo de investimento, como expansões, compra de um novo equipamento, transformar a clínica em um hospital, implantar novas especialidades etc. devem sempre ser acompanhadas de análises, chamadas de projetos de viabilidade econômico-financeira ou business plan.

A análise do investimento serve para avaliar os efeitos nos resultados por meio de previsões que estimam o volume de atendimento, o pagamento do investimento (amortização da dívida), os resultados operacionais gerados (estimativa das receitas e dos custos) e o tempo que demorará até recuperar o capital empregado. O cálculo normalmente baseia-se em critérios comparativos, possibilitando ao investidor (antes de investir) conhecer estimativas de retorno entre duas ou mais opções. Este modelo comparativo é chamado de custo da oportunidade.

Por exemplo: aplicar R$60 mil no mercado financeiro a uma taxa atual de cerca de 0,7% ao mês proporcionará ao investidor, em um prazo de cinco anos, o montante de R$91 mil. Caso este investidor adquirisse um equipamento neste mesmo valor e considerando que em cinco anos este equipamento estaria obsoleto e necessitando ser substituído, então, as vendas com o uso deste equipamento deveriam proporcionar ao empreendedor pelo menos o montante de R$151 mil, dos quais R$60 mil para repor o equipamento obsoleto e R$91 mil de recuperação, empatando com a remuneração oferecida pelo mercado financeiro. Vale observar que este montante deve ser alcançado somente com a taxa de uso do equipamento, sem considerar o honorário do médico que realizou o serviço.

Existem diversas metodologias e técnicas para avaliação de investimento. Portanto, antes de ampliar a clínica ou comprar um novo equipamento, é sempre aconselhável fazer um projeto de viabilidade. Com ele, é possível reduzir bastante o risco na hora de investir. Se a decisão de comprar já foi tomada independente de qualquer análise, o conselho é: não faça os cálculos depois que adquiriu, pois você poderá ter surpresas desagradáveis...

por Eduardo Regonha.

Você sabia que através do HelpSaúde a quantidade de consultas e clientela podem aumentar? Prestador de saúde, cadastre-se grátis agora mesmo e atualize o seu perfil com telefone para contato e planos de saúde que atende, por exemplo.


Conteúdo fornecido pela Editora DOC, parceira do HelpSaúde.


DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa