Pular para o conteúdo principal

Plano de marketing: como usa-lo no consultório


Perda de pacientes, consultório ineficiente e pouca indicação de colegas de profissão. Esses são alguns dos sintomas que os médicos percebem quando algo está errado em sua carreira. Então, o que fazer? A solução pode estar em elaborar um plano de marketing. O uso desse tipo de ferramenta vem crescendo na área médica. Muitos profissionais da Saúde aderiram a essa prática e vêm conquistando um fluxo maior de pacientes, além de se destacar no mercado de trabalho. O marketing médico pode estar deixando de ser algo opcional para ser fundamental na carreira. Mas como fazer isso? Para mostrar àqueles que ainda não conhecem esse novo segmento, elaboramos algumas orientações para elaborar um plano de marketing.

1. Análise da situação atual: o que acontece agora?
O primeiro passo é conhecer exatamente a situação na qual o médico se encontra, como está o seu local de trabalho e como anda o mercado. É nesse ponto que é preciso observar os melhores caminhos a seguir no planejamento.

2. Formulação de objetivos e metas: aonde pretendo chegar?
Para um bom planejamento, é necessário saber aonde se quer chegar. Não saber o que se pretende ou mirar em vários “alvos” pode acabar atrapalhando toda a ação.

3. Análise ambiental interna e externa: determinação de caminhos
Uma vez feita a análise do ambiente, o médico também deve fazer um levantamento de suas vantagens e desvantagens em relação ao mercado de trabalho, percebendo quais são os seus pontos fortes e fracos.

4. Formulação de programas e escolhas de estratégias de atuação
Depois de definir os objetivos, o próximo passo é estabelecer como colocar em prática seu planejamento de marketing. Esta fase constará de seis etapas: determinação do público-alvo, criação de um cronograma de atividades, escolha da equipe responsável pelas execuções das tarefas, cálculo do impacto financeiro, escolha das formas de promoção e escolha da estratégia de implementação.

5. Implementação: colocando a mão na massa
Essa é a hora de começar a executar as tarefas determinadas. Lembre-se que é importante seguir o cronograma estabelecido, controlando recursos e buscando não se afastar dos objetivos e das metas traçadas.

6. Diagnóstico de resultado e controle
Para que o plano de marketing seja bem sucedido é necessário a todo o momento medir e quantificar os resultados e fazer a verificação do controle. Logo, o médico e seus colaboradores devem, ainda na fase de planejamento, pensar em maneiras para mensurar o desempenho e os efeitos práticos.


Você sabia que através do HelpSaúde a quantidade de consultas e clientela podem aumentar? Prestador de saúde, cadastre-se grátis agora mesmo e atualize o seu perfil com telefone para contato e planos de saúde que atende, por exemplo.


Conteúdo fornecido pela Editora DOC, parceira do HelpSaúde.


DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa