Pular para o conteúdo principal

Estudo revela: adoçantes causam os mesmos malefícios que o açúcar

O adoçante sempre foi considerado um grande aliado nas dietas de baixa caloria, tanto o adoçante líquido, ou em pó, quanto o que já é usado em refrigerantes ou demais bebidas e doces diet. Para se perder peso, é melhor cortar o açúcar, ingerir só bebidas adoçadas com sacarina ou ciclamato de sódio, certo? Errado. É o que comprovou uma revisão de estudos publicada recentemente, na revista “Trends in Endocrinology & Metabolism”.

O estudo demonstra que o adoçante é um vilão tão poderoso quanto o açúcar: seu consumo também favorece o desenvolvimento de diabetes do tipo 2, obesidade e problemas metabólicos. Os malefícios causados parecem estar relacionados ao consumo de grandes doses do adoçante, pois, à longo prazo, a ingestão em larga quantidade confunde o organismo. Funciona assim: o corpo associa a entrada de alimentos doces à entrada de calorias, e se prepara para queimá-las. Quando se consome coisas doces, mas com elas não há a ingestão de calorias - e isso é feito ao longo de anos - o organismo passa a não fazer mais essa associação e a conservar energia, ao invés de gastá-la. Ou seja, o organismo fica avarento, guarda a energia e com isso ganhamos peso.

Se o adoçante for consumido com moderação, em pequenas doses, essa associação natural que nosso organismo faz, não é normalmente desfeita. O problema ocorre quando adoçantes, alimentos e bebidas adoçadas artificialmente são consumidos em largas quantidades, sem moderação. Além disso, adoçantes artificiais não são, como o nome já diz, naturais, e a química presente neles, pode interferir mais com o funcionamento das células, do que o açúcar interfere.

A solução?

Para alguém que não pode consumir açúcar e as calorias que ele traz, o ideal é fugir de adoçantes a base de sacarina ou ciclamato de sódio. Procure comprar adoçantes a base de sucralose ou stevia, uma planta que é 10 a 15 vezes mais doce que o açúcar doméstico normal. Eles são mais caros que os adoçantes normais, contudo, dado o que o estudo apontou, o investimento parece valer a pena. Mas atenção: é importante ler o rótulo antes de comprar, pois até estes adoçantes artificiais muitas vezes são misturados a ciclamato, sacarina ou sorbitol – substâncias citadas pelo estudo como sendo perigosas - para baratear o custo do produto.

Quer perder peso ou fazer alguma dieta específica? O ideal é procurar um nutricionista, um médico endocrinologista ou nutrólogo e marcar uma consulta.

Fonte: O Globo


DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa