Pular para o conteúdo principal

O Estetoscópio Repensado

O estetoscópio é o equipamento mais utilizado pelos médicos em exames físicos. Além disso, é um ícone que simboliza toda a profissão da medicina. Com mais de 200 anos de idade, o aparelho acabou de ser re-imaginado pelos designers Seobin Oh e  JoonHee Kim.

Em sua versão repaginada, o estetoscópio introduziria um fator visual, fugindo de sua natureza puramente auditiva, por meio de uma tela de LED. Esta tela mostraria cores e ondas diferentes para cada órgão que é comumente auscultado: vermelho para o coração, azul para os pulmões e amarelo para o estômago. Ele também mostraria os batimentos cardíacos, não havendo mais com isso, a necessidade de contá-los.







Os inventores declararam que o fato de se poder ver a onda do batimento cardíaco, ou da respiração, ajuda estudantes de medicina a se familiarizarem com o som de cada órgão, a partir de sua onda, e diagnosticarem mais rapidamente casos emergenciais. O caminho inverso também pode ocorrer: os estudantes após auscultarem um paciente com alguma condição cardíaca ou pulmonar, verão o padrão de onda que a mesma gera. Com isso, aprenderão os padrões de onda das doenças mais comuns.

Esse projeto ainda é conceitual, mas já abre precedentes para a inovação e melhora de equipamentos que existem há centenas de anos.


Algumas opiniões de médicos cadastrados no HelpSaúde:


"Penso que a contribuição tecnológica e científica é uma constante na medicina. Mas acho que paralelo a isso a maturidade e humanidade do médico são fundamentais e isso ainda é menos ensinado que as técnicas fundamentais."
Dr Pedro Leopoldo de Araújo Ortiz - Médico Psiquiatra - Porto Alegre, RS


"Não aprovo. Acredito que isso apenas complicaria e encareceria um aparelho que é prático e excelente para o rastreamento de doenças cardíacas e pulmonares. Para o detalhamento da informação já dispomos de métodos eficazes como a ultrassonografia, eletrocardiograma e tomografia. Acho que mais um aparelho de imagem apenas empobreceria o exame físico."
Dra Viviane Silva Battle - Médica Reumatologista - Belo Horizonte, MG


"Toda tecnologia em saúde que venha beneficiar e nos auxiliar em termos diagnósticos mais rápidos é muito bem vinda. Acho interessante a visualização das ondas, na cirurgia vascular já temos Doppleres portáteis que já mostram a análise gráfica do fluxo."
Dr Rodolpho Alves dos Reis - Médico Angiologista - Brasília, DF


"Primeiramente sou favorável a qualquer tipo de tentativa de melhoramento técnico. Acho salutar que alguém esteja pensando em melhorar um instrumento tão essencial como o estetoscópio.
Ainda não estou convencido que a presença de uma imagem vai ajudar a melhorar a acurácia de um diagnóstico. Possivelmente facilitará a compreensão fisiopatológica por parte sobretudo de alunos, mas ainda acho um passo tímido na essência do seu funcionamento, uma vez que a ausculta traz muitos mais informações do que um padrão de onda."

Dr Augusto Cesare Braga Pereira - Médico Cardiologista - Irecê, BA


"Eu acho que será revolucionário e muito prático. Espero que venha logo e com preços adequados.
Gostaria de experimentar antes de mais nada."

Dra Cydia Alves Pereira de Souza - Médica Infectologista - Rio de Janeiro, RJ


"Achei muito interessante. Um dispositivo a mais para auxiliar no diagnóstico é sempre bem vindo. Já tenho um estetoscópio eletrônico com que aumenta o volume dos sons cardíacos e pulmonares."
Dr Sergio Luis Marson - Médico Pneumologista - Amparo, SP


"Muito interessante a ideia, facilitará bastante o diagnóstico de muitas patologias, como por exemplo ajudando a identificar um ritmo cardíaco anormal (uma terceira bulha), além de algum tipo de obstrução puder ser reconhecida a nível coronariano, ajudará a reconhecer a causa de um desconforto respiratório grave, a partir dos sons (ausculta pulmonar), frequência respiratória e distensibilidade pulmonar, enfim é um excelente meio inovador para medicina."
Dra Danielle Morais Monte - Médica Pediatra - Caruaru, PE


"Acho uma ótima ideia, essa inovação vai auxiliar em diagnósticos e também no aprendizado dos alunos. Sempre bom inovar e quando é para melhor então, apoio a mudança."
Dra Alexandra Dassoler - Médica Ginecologista - Erechim, RS


E vocês? O que vocês acham?


Fonte: Yanko Design

DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa