sexta-feira, 13 de maio de 2011

HIV – Saiba Mais sobre o Virus da AIDS


Identificado pela primeira vez em 1979, pelo Dr. Robert C. Gallo, o HIV promove um estado de desproteção contra doenças, porque se multiplica e “domina” parte do sistema de defesa do organismo.

Uma vez presente, o vírus HIV se “esconde” dentro do Linfócito T-CD4 (célula de defesa) e só volta a circular na corrente sanguínea após cerca de seis meses. Por esse motivo, é comum que os exames de sangue feitos nos seis primeiros meses da contaminação podem não identificar a sua presença. (Atenção: não se deve doar sangue neste período).

Normalmente, após 8 a 15 anos da contaminação, pode surgir a AIDS (SIDA). O número de células de defesa diminui e a capacidade de combater infecções cai bastante, abrindo espaço para que a doença apareça. Stress e outras doenças podem acelerar o aparecimento da doença.

Hoje em dia, com os devidos cuidados, identificamos um número crescente de casos de portadores do vírus HIV há mais de 20 anos sem sintomas de AIDS.


Qual a diferença de AIDS, SIDA e HIV?


O HIV é o vírus que pode provocar a doença da SIDA (Síndrome da Imunodeficiência adquirida), AIDS (do inglês: Aquired Immune Deficiencyt Syndrome). Esta doença surge apenas quando há queda da imunidade nos indivíduos portadores do HIV.


Como se dá a contaminação?


A contaminação se dá quando há contato de fluidos corporais (sangue e secreção genital) de um indivíduo contaminado com o sangue de outro indivíduo.
Desta forma, as relações sexuais sem preservatiivo (camisinha), o compartilhar de alicates de unhas, agulhas ou seringas de procedimentos médicos ou estéticos ou no uso de substâncias psicoativas de forma recreativa, podem levar à contaminação pelo HIV entre outras contaminações. Em resumo, existem 4 formas básicas de contágio:
  1. sexual – através do ato sexual, seja oral, vaginal ou anal, sem uso do preservativo;
  2. vertical – a mãe contamina o filho, seja durante a gestação, no parto ou no período de amamentação;
  3. uso de objetos perfuro cortantes – seja em procedimentos médicos e estéticos, como alicates ao fazer as unhas, agulhas de tatuagem ou botox ou no uso recreativo de substâncias psicoativas ( abuso de drogas);
  4. acidentes de trabalho – pessoal da área de saúde como bombeiros, socorristas, enfermeiros e médicos que se contaminam durante procedimentos invasivos em pacientes portadores do vírus HIV.



É importante saber se você está portando o vírus HIV por diversas razões:


  1. por você: pois uma nova contaminação poderia deixá-lo mais frágil e acelerar o curso da doença e, mesmo uma única contaminação, poderá leva-lo, em alguns anos, a um estado de deficiência imunológica (AIDS) que facilite o desenvolvimento de diversas doenças comuns e corriqueiras em suas formas mais graves, podendo causar-lhe grandes danos físicos e psíquicos;
  2. por seus filhos: pois a transmissão vertical, de mãe para filho, pode ocorrer na gestação, no parto ou na amamentação e, uma vez ciente da presença do vírus, há boas chances de se evitar esta contaminação;
  3. por seus parceiros: amigos e até desconhecidos , pois a transmissão do vírus se dá pelo contato sexual (oral, anal e vaginal) sem proteção, transfusão de sangue contaminado e pelo compartilhar de objetos cortantes ou perfurantes não esterilizados (usados em procedimentos clínicos ou estéticos e no uso de substâncias psicoativas, agulhas, alicates, bisturis...).


5 FATOS RELEVANTES SOBRE HIV/AIDS

  1. A infecção pelo HIV, a AIDS, mata, atualmente, cerca de 2 milhões de pessoas todos os anos. O acompanhamento médico e o uso, quando necessário, de Terapias Antiretrovirais vêm reduzindo significativamente estas mortes e aumentando bastante o tempo e a qualidade de vida dos portadores do vírus.
  2. O vírus não é transmitido por contato social, como apertos de mão, beijos, lágrimas, compartilhar talheres, uso de transporte comunitário, lençóis, uso de sanitários públicos ou piscinas. (Mesmo na ausência de uma higiene adequada, o sangue contaminado teria que ter contato direto com o sangue de outra pessoa para contaminá-la).
  3. Não existem parceiros de risco, mas sim comportamentos de risco que são o contato sexual sem proteção, multiplicidade de parceiros, descuidos com a higiene pessoal que propiciem a presença de feridas nas mucosas genitais e oral e o uso compartilhado de objetos cortantes ou perfurantes não esterilizados, como agulhas de acupuntura, de tatuagem, de procedimentos estéticos, de abuso de substâncias psicoativas, alicates e tesouras.
  4. Atualmente há pouco mais de 33 milhões de pessoas infectadas pelo HIV em todo o mundo sendo cerca de 3 milhões de crianças.
  5. Em todo o Brasil, há no SUS (Sistema Único de Saúde) condições para testagem gratuita e confidencial dos interessados, além de acompanhamento e medicamentos, quando indicados.
Fonte: Editoria Help Saúde.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário