Pular para o conteúdo principal

Será que o sal vai te matar?

Todo mundo sabe que a ingerir muito sal pode levar a pressão alta, doenças cardíacas e até mesmo a morte. Mas uma pesquisa realizada na Bélgica pode mudar esses nossos conceitos sobre o sal na nossa alimentação. Cientistas que ao longo de 8 anos estudaram sobre o assunto constataram na pesquisa que a baixa ingestão de sal não está ligada à melhora da saúde, o grupo que consumia menos sal tinha 56% a mais de chance de ter ataque do coração do que o grupo que procurava pelo saleiro em todas as suas refeições.

Entretanto no estudo havia dois grandes impasses. Os pesquisadores testaram os níveis de sódio dos participantes apenas duas vezes: uma vez no início da pesquisa e outra no final. Os níveis de sódio podem variar ao longo dos dias no nosso organismo, então eles não apuraram devidamente as substâncias para fazer uma avaliação correta. Outro fator foi que o grupo estudado era formado por pessoas brancas, relativamente jovens, mais magras do que o normal para os padrões americanos e tinham uma pressão sanguínea normal antes dos estudos começarem. Anteriormente outras pesquisas mostram que esses grupos seriam os mais propensos a os impactos negativos do sal.

Ainda assim, os resultados são confusos para a batalha contra o consumo do sal.

Novas diretrizes federais recomendam a adultos saudáveis a não ultrapassar o consumo de 2.300 mg de sal por dia.Mas alguns grupos que o ideal seria 1.500 mg por dia – a quantidade recomendada a afro-americanos e pessoas que já tem hipertensão.

Ano passado, um dos maiores grupos de comidas manufaturadas aceitou, por pressão pública, a cortar o nível de sódio de vários de seus mais populares produtos. E no “The New England Journal of Medicine” publicou um alarmante estudo que previu que 99 mil casos de ataques cardíacos poderiam ser evitados todos os anos se as pessoas cortassem o consumo de sal para 1.200 mg por dia.

Então aonde a nova ciência irá nos levar em relação à ingestão de sal? Veremos em breve como isso termina.

O estudo foi publicado no Journal of the American Medical Association.



Fonte: CBSNews


Temas relacionados no Help Saúde: Cardiologista

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa