Pular para o conteúdo principal

Você já se justificou hoje?

O tema hoje é justificativas e nada melhor para ilustrar que uma frase bem interessante, que nos leve a pensar, filosofar, se justificar...

“ Depois que eu faço o que não devo ou será que eu deveria dizer “depois que eu não faço o que devo” fico me lembrando do que o professor disse a respeito de “prometer”. E vejo que estou racionalizando, ou seja, não é justificativa, pois estou tentando arranjar uma desculpa para me enganar.” (Mibielli & Lusdok, 2001)

Quando paramos sinceramente para pensar nas mais inimagináveis desculpas que temos a capacidade de criar para justificar algo que deveríamos ou poderíamos ter feito, a mais comum atitude é negar ou lançar mão de novas justificativas, virando muitas vezes uma bola de neve. As desculpas são justificativas que damos aos outros, às vezes até para nós mesmos, com o intuito de nos liberar para não fazermos (ou fazermos) algo que a priori era necessário.
Aí vão algumas delas: não tive tempo, não tinha certeza, tive medo, esqueci, ninguém me avisou, estou tão deprimido, não consigo, preciso que alguém me ajude, não estou bem de saúde, aprendi isso com meus pais, fui provocado, não agüentei e, talvez a mais sincera das justificativas: tive outras prioridades.

Quando deixamos de fazer algo que alguém pediu, que faz parte das nossas funções e papéis na vida, que ajudaria a alguém, que melhoraria nossa saúde, que nosso(a) companheiro(a) insistiu, podemos nos perguntar: será que apenas nossas justificativas são suficientes para analisarmos os reais motivos, ou apenas mascaram algo que não queremos admitir?Ou ao contrário, quando prometemos que não mais faremos algumas coisas, como: beber, fumar, comer demais, alimentar nossa tristeza, falar sem pensar, agredir, ter explosões emocionais, nos atrasar para compromissos, e recaímos nesses comportamentos “tão difíceis de abrir mão”, será que queremos realmente tomar essas decisões agora ou apenas prometemos para agradar alguém, ganhar tempo até a próxima cobrança?

Bom, inúmeras são as situações que pedem uma desculpinha e inúmeras são essas desculpas, mas poderíamos refletir mais e encontrarmos as respostas verdadeiras para nossos comportamentos. Se faça as seguintes perguntas: o quanto aquilo é realmente importante pra mim? o quanto estou disposto a investir (tempo, dinheiro, esforço, emocional, envolvimento) para mudar algumas coisas? E a principal: o que é prioridade no momento pra mim?

O mundo de hoje pede desculpas, é acelerado, não tem tempo para analisar as coisas profundamente e tem coisas que nem precisam ser, mas quando nos sentimos culpados, incompetentes, estressados, deprimidos, ansiosos, emocionalmente frágeis, ameaçados em nosso trabalho, com relacionamentos abalados, é a hora de se questionar e além disso, buscar as causas, encontrar as soluções, pois não basta sabermos o porquê se não estamos dispostos a agir.

Busque as respostas dentro de você e saia do mundo das justificativas para o mundo das ações, quem sabe isso não te deixa mais perto do que deseja para sua vida.



Fonte: Shirley Miguel. Profissional de psicologia cadastrada no Help Saúde.

Temas relacionados no Help Saúde: Psicologia

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER: