Pular para o conteúdo principal

Você já se justificou hoje?

O tema hoje é justificativas e nada melhor para ilustrar que uma frase bem interessante, que nos leve a pensar, filosofar, se justificar...

“ Depois que eu faço o que não devo ou será que eu deveria dizer “depois que eu não faço o que devo” fico me lembrando do que o professor disse a respeito de “prometer”. E vejo que estou racionalizando, ou seja, não é justificativa, pois estou tentando arranjar uma desculpa para me enganar.” (Mibielli & Lusdok, 2001)

Quando paramos sinceramente para pensar nas mais inimagináveis desculpas que temos a capacidade de criar para justificar algo que deveríamos ou poderíamos ter feito, a mais comum atitude é negar ou lançar mão de novas justificativas, virando muitas vezes uma bola de neve. As desculpas são justificativas que damos aos outros, às vezes até para nós mesmos, com o intuito de nos liberar para não fazermos (ou fazermos) algo que a priori era necessário.
Aí vão algumas delas: não tive tempo, não tinha certeza, tive medo, esqueci, ninguém me avisou, estou tão deprimido, não consigo, preciso que alguém me ajude, não estou bem de saúde, aprendi isso com meus pais, fui provocado, não agüentei e, talvez a mais sincera das justificativas: tive outras prioridades.

Quando deixamos de fazer algo que alguém pediu, que faz parte das nossas funções e papéis na vida, que ajudaria a alguém, que melhoraria nossa saúde, que nosso(a) companheiro(a) insistiu, podemos nos perguntar: será que apenas nossas justificativas são suficientes para analisarmos os reais motivos, ou apenas mascaram algo que não queremos admitir?Ou ao contrário, quando prometemos que não mais faremos algumas coisas, como: beber, fumar, comer demais, alimentar nossa tristeza, falar sem pensar, agredir, ter explosões emocionais, nos atrasar para compromissos, e recaímos nesses comportamentos “tão difíceis de abrir mão”, será que queremos realmente tomar essas decisões agora ou apenas prometemos para agradar alguém, ganhar tempo até a próxima cobrança?

Bom, inúmeras são as situações que pedem uma desculpinha e inúmeras são essas desculpas, mas poderíamos refletir mais e encontrarmos as respostas verdadeiras para nossos comportamentos. Se faça as seguintes perguntas: o quanto aquilo é realmente importante pra mim? o quanto estou disposto a investir (tempo, dinheiro, esforço, emocional, envolvimento) para mudar algumas coisas? E a principal: o que é prioridade no momento pra mim?

O mundo de hoje pede desculpas, é acelerado, não tem tempo para analisar as coisas profundamente e tem coisas que nem precisam ser, mas quando nos sentimos culpados, incompetentes, estressados, deprimidos, ansiosos, emocionalmente frágeis, ameaçados em nosso trabalho, com relacionamentos abalados, é a hora de se questionar e além disso, buscar as causas, encontrar as soluções, pois não basta sabermos o porquê se não estamos dispostos a agir.

Busque as respostas dentro de você e saia do mundo das justificativas para o mundo das ações, quem sabe isso não te deixa mais perto do que deseja para sua vida.



Fonte: Shirley Miguel. Profissional de psicologia cadastrada no Help Saúde.

Temas relacionados no Help Saúde: Psicologia

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa