Pular para o conteúdo principal

Brasileira está usando menos camisinha, segundo Ibope

Pouco mais de metade dos brasileiros adultos usa camisinha em novos relacionamentos, e a proporção de mulheres que se protegem vem caindo. Os números são de uma pesquisa divulgada ontem pelo Ibope Mídia, que entrevistou 18.884 pessoas em nove regiões metropolitanas e no interior de Estados do Sul e do Sudeste, entre agosto de 2009 e julho de 2010.
"Em 2002, 60% das mulheres declaravam usar camisinha em novos relacionamentos", afirma Dora Câmara, diretora do instituto. Em 2010, apenas 49%.
Para Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, a menor presença das campanhas contra a Aids na mídia tem levado à queda no número dos que usam camisinha. "A tendência das pessoas é relaxar na prevenção."
A pesquisa, com questões sobre saúde, alimentação e consumo, mostra que 62% das pessoas só vão ao médico quando estão doentes. Esse percentual é maior entre os homens (64%).
"No Sistema Único de Saúde, a pessoa só vai mesmo se está doente. O cara não vai ficar na fila para fazer uma revisão de rotina", diz Lopes.
As dietas são uma grande preocupação do brasileiro, segundo o estudo. Para 79%, é importante manter a forma física. Entre as mulheres, 40% dizem estar sempre tentando perder alguns quilos, contra 29% dos homens.
A dieta constante é sinal de que ela não está funcionando, analisa Lopes.
A medicina homeopática e a caseira são confiáveis para 53% dos brasileiros, segundo os dados da pesquisa.
"Quase 70% das doenças são simples e se curam sozinhas. O médico homeopata tem uma relação mais intensa com o paciente do que o alopata, por isso dá resultado", diz Lopes.
Já o chá receitado pela avó pode estimular a automedicação. "Como muitas vezes a pessoa se cura sozinha, acha que o chá funciona."

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com

Comentários

  1. Livro “Saude 24 horas” – guia de saúde para todos com soluções e dicas para mais de 100 problemas de saúde, Gripe, constipações, febre, tosse, garganta inflamada, colesterol, tiróide, diarreia, obstipação, queimaduras, bebés, grávidas, contracepção, menstruação, disfunção, entre outros. Plataforma de apoio www.saude24horas.net. Deplanobooks editora.

    Saude24.net agora em livro, livro Saude 24 horas, de Carlos Edgar

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa