Pular para o conteúdo principal

5 de Abril: Dia Mundial da Atividade Física

Qualidade de vida e saúde são conceitos que têm aparecido com frequência em nosso cotidiano. Mas, como a literatura define tais conceitos? Para a OMS, a definição de qualidade de vida possui dois aspectos inportantes: A subjetividade (a percepção do indivíduo sobre seu estado de saúde e sobre aspectos não-médicos de seu cotidiano) e a multidimensionalidade (diferentes dimensões que compõem o construto). A OMS conceitua saúde da seguinte maneira: ‘um completo estado de bem-estar físico, mental e social e não meramente a ausência de doença’.

Entende-se através do senso comum que para adquirir saúde e qualidade de vida é necessário que se tenha hábitos de vida saudáveis, tais como praticar exercícios físicos regularmente. Os efeitos fisiológicos do exercício físico em indivíuos diabéticos, por exemplo, é a melhora na sensibilidade à insulina e na captação de glicose com mecanismos como aumento do fluxo sanguíneo muscular, que facilita a chegada e a ação da insulina, aumento do número de receptores desta e maior concentração de proteína transportadora de glicose (GLUT 4) na membrana celular. Também pode reduzir o efeito antilipolítico da insulina no tecido adiposo. O diabético, à medida que se exercita, promove maior gasto energético, diminuindo sua gordura corporal e aumentando massa muscular, que acarretará numa atenuação dos riscos cardiovasculares. Nos hipertensos, o exercício traz como benefício a hipotensão pós-exercício, ou seja, a queda de pressão arterial abaixo dos valores de repouso por algum tempo após exercício. Através da diminuição da atividade nervosa simpática, a redução da resistência vascular periférica, a ação do óxido nítrico e a redução do débito cardíaco. Os exercícios físicos atuam no perfil lipídico do indivíduo reduzindo os triacilgliceróis, aumentando HDL e contribuindo para redução do colesterol total e LDL. Ressaltando que os exercícios físicos devem estar associados a uma alimentação saudável.

Em uma pesquisa realizada em 2006 para idosos fisicamente ativos que avaliava a percepção de saúde, fez-se a pergunta ‘Como está a sua saúde?’Os resultados apresentaram a seguinte forma: 16,2 % consideram nem ruim nem boa; 78% boa e muito boa. Apenas duas mulheres consideraram sua saúde fraca ou muito ruim (5,4%).

É importante o conhecimento sobre os benefícios de se praticar exercícios, pois permite aos indivíduos adaptar suas necessidades e traz maior autonomia para a complementação de outras atividades.

Fonte: Fernanda Sardella. Profissional de educação física cadastrada no Help Saúde.


Temas relacionados: Educação física, Cardiologia


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com

Comentários

  1. Olá Blogueiro(a)!
    Conheça e utilize o conteúdo do portal de Saúde Medicando com artigos e reportagens produzidas por excelentes profissionais do setor. Você também pode se cadastrar e receber gratuitamente a revista digital Medicando. É rápido e simples! Acesse: www.medicando.com.br.
    Equipe Medicando

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa