Pular para o conteúdo principal

Alimentação pós-Páscoa

Com a fartura de iguarias na Páscoa, é difícil manter o controle. Porém, o que realmente importa é começar a semana com uma alimentação equilibrada e consciente.

Isso não significa deixar de lado todos os alimentos. O jejum pode até ser interessante, mas para isso não é legal manter a rotina do dia-a-dia. Diminuir a ingestão calórica e abusar de frutas e verduras ainda é a melhor pedida.

É claro que quando diminuímos a quantidade de alimentos ingeridos, podemos sentir fome, ou melhor, uma sensação de fome ou vontade de ficar comendo. É exatamente nesta hora que temos de colocar um basta e focar a atenção em outra atividade --que não seja mastigar.

Nesses dias é importante lembrar de incluir muita água no cardápio. Chás de ervas sem açúcar são uma boa alternativa. Preste atenção aos sabores e não fique preso apenas ao sabor doce.

Quando sentir muita fome, faça um lanche. Uma idéia é usar uma fatia de pão integral, uma fatia média de queijo, uma azeitona, alface, tomate e orégano, acompanhado de chá ou suco de limão sem açúcar ou com pouco. Experimente! Não é tão ruim assim.

Outra boa opção de lanche é um iogurte desnatado, uma maçã pequena ou um kiwi e uma castanha do Pará. Nas demais refeições consuma muita salada, temperada com limão, ervas e um fio de azeite.

Carnes magras e peixes devem estar presentes nas principais refeições. Arroz, massas, batatas e feijões podem ser incluídos no cardápio, mas com moderação.

Para finalizar, é preciso rever o conceito de moderação. Quando falo nisso, refiro-me a provar o alimento em quantidade suficiente para tirar a vontade. Caso tenha dificuldade em saber o que é moderação, comece reduzindo aos poucos as quantidades que consome. Por exemplo, se está habituado a comer seis colheres de arroz, passe a consumir quatro. Faça isso em relação a todos os alimentos. Tenho certeza de que sentirá uma grande diferença.


Fonte: Folha Online


Temas relacionados: Nutricionista, Endocrinologista

Artigos sobre chocolate: Uma notícia boa para os chocólatras.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa