Pular para o conteúdo principal

Você - Missão, visão, valores, metas e ações

Nos guias para empreendedores, os estudantes são orientados a definir a missão, a visão, os valores, as metas e as ações, do seu futuro empreendimento. Para eles, definir a missão e declarar a visão são fatores cruciais para o sucesso de qualquer organização, seja ela uma microempresa ou uma multinacional.

Vamos entender o que é isso:
Missão: é a razão de ser do empreendimento, o papel que a empresa terá perante a sociedade.
Visão: é composta pelos sonhos da empresa, a descrição do futuro desejado, ou seja, aonde a empresa quer chegar.
Valores: são os princípios, ou crenças, que servem de guia, ou critério, para os comportamentos, atitudes e decisões de todos que participam da empresa.
Metas: representam o que a empresa quer, o que pretende alcançar, o quanto, e quando ocorrerá.
Ações: o que deverá ser executado para garantir que as metas estabelecidas sejam cumpridas.

E se você pensar em você como um empreendimento? Você saberia responder qual sua missão? A missão de uma empresa/pessoa deve responder o que você se propõe a fazer, e para quem.

Quem é você?
O que você faz?

E a sua visão, como é? Segundo Carlos Alberto de Faria “O enunciado da visão deve conter tanto a aspiração, como a inspiração. A aspiração de tornar-se "algo", e a inspiração porque esse "algo" deve merecer e valer a pena ser concretizado, deve-se sentir orgulho em participar da construção dessa visão. Ou seja, deve ter luz suficiente (inspiração) para apontar o caminho que leva à concretização da aspiração.

A visão precisa ser prática, realista e visível (nós não alcançamos aquilo que nós não vemos), pois não passará de uma mera alucinação, se ela sugerir ou propuser resultados inatingíveis.”

Então responda:
O que você quer se tornar?
Como você quer ser reconhecido?
Em que direção você deve apontar seus esforços para se tornar quem você quer ser?
Você está ajudando a construir o quê?
Para onde os seus recursos estão te levando?
E os valores? Valores definem a regra do jogo, em termos de comportamentos, atitudes e decisões que guiam você no exercício das suas responsabilidades, e na busca dos seus objetivos, enquanto executa a missão, na direção da visão. Representam os princípios éticos que norteiam todas as suas ações.

Como é o seu relacionamento com as pessoas que convivem com você?
Como você se porta quando está sozinho?
Como você trata as pessoas que ainda não conhece?
Como você se relaciona com a comunidade?
Quais compromissos você assume perante a sociedade?
Como você se responsabiliza pelo bem comum?
Que valores, crenças ou princípios são importantes para você fazer o que faz, para quem faz, e para quem você quer se tornar?

E suas metas, quais são as suas metas? Você sabe aonde quer chegar? As metas representam o que você quer. Ao traçar suas metas pense no que é realmente importante para você e se a sua meta está no tamanho proporcional à sua realidade. Busque sempre metas que sejam alcançáveis, que dependam apenas de você. Uma meta deve definir o que se pretende alcançar, o quanto e quando ocorrerá. Avalie sua situação atual na vida e pergunte-se:

Onde eu quero chegar?
O que eu quero alcançar na vida?
O que quero conseguir?
Quais são minhas metas no amor?
Quais são minhas metas financeiras?
Quais são minhas metas profissionais?
Quais são minhas metas para a minha saúde?
Por que tudo isso é importante para mim?
Minhas metas são por mim ou pelos outros?
Até que data eu desejo cumprir essas metas?

E suas ações? Quais ações precisam ser executadas para garantir que as suas metas estabelecidas sejam cumpridas?
O que você faz vai levá-lo a se tornar a pessoa que você quer ser?
Agora que você tem claro aonde você quer chegar, mãos a obra!
O futuro depende de você.
Como você quiser, assim será.



Fonte: Érima Castelo Branco de Andrade. Terapeuta ocupacional cadastrada no Help Saúde.


Temas relacionados: Psicologia, Psicoterapia


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa