Pular para o conteúdo principal

O desafio de se comunicar com os pequenos


A geração do futuro já é a do presen­te. Crianças e adolescentes consomem feito adultos e quem é pai ou mãe sabe muito bem o quanto gastam e como gastam. Esses jovens consumidores são expostos a todo o tipo de publicidade e de informação. Cabe aos pais e educa­dores impor limites, explicar e orientar sobre o “bombardeio” de tudo o que, se for consumido em excesso, pode com­prometer o bolso e também a saúde.
As entidades médicas já perceberam alguns abusos e estão travando batalhas para promover uma vida com mais qua­lidade. A questão do cigarro é uma das brigas mais antigas e toda a sociedade tem sido beneficiada com as restrições ao tabaco nos últimos anos. Conquistas que ainda são singelas, perto do preço que já se pagou. Afinal, quem não teve uma pessoa muito próxima que morreu em virtude das consequências de um longo período fumando? 

Uma nova batalha no Congresso ain­da está em curso e pretende tornar todos os ambientes fechados livres de tabaco e proibir ao uso de aromatizantes nos ci­garros. Eles tornam o fumo mais agradá­vel ao paladar, principalmente aos jovens, no início do vício, muitos até menores de idade. E o desafio não para por aí. O que não dizer da exposição dos cigarros em padarias, quase sempre ao lado de balas, gomas de mascar e chocolates, no mesmo golpe de vista para nós, adultos, e para crianças e adolescentes. 

A questão dos alimentos também é outro ponto que tem tido o apoio das so­ciedades médicas. Muito se tem discutido sobre os limites e as restrições à publicida­de de alimentos com alto teor de sódio, de gorduras e de açúcar. Pesquisa recente feita pelo Ministério da Saúde constatou um ex­cesso de publicidade que promove alimen­tos que podem fazer mal à saúde. Depois de analisar mais de 4 mil horas de trans­missão das TVs, os técnicos do ministério concluíram que 18% das propagandas são de redes de fast-food, 17% de guloseimas e sorvetes, 14% de refrigerantes e sucos ar­tificiais, 13% de salgadinhos em pacote e 10% de biscoitos, doces e bolos. Somados, são 72% do total dos anúncios.
É passada a hora de se comunicar com os pequenos, de falar com essa geração e de estar nos ambientes que eles estão, como TVs a cabo, internet, mídias so­ciais, nas escolas e em todos os locais. A Organização Mundial da Saúde alertou que, nas próximas décadas, o Brasil li­derará o mundo em mortes por doenças cardiovasculares. Preocupada com essa previsão, a Sociedade Brasileira de Cardio­logia se mobilizou e criou um Comitê da Criança, com cardiologistas, mas também com médicos da Sociedade Brasileira de Pediatria, psicólogos, nutricionistas, edu­cadores físicos e estudantes de Medicina. 

Eles levarão informação aos pequenos que sofrerão as consequências da má alimen­tação daqui a 15 ou 20 anos, caso não mudem agora. Levar informação aos jovens e adoles­centes será o grande divisor de águas. Além de auxiliar na formação, o fato de criar há­bitos saudáveis pode ser o melhor investi­mento para a sociedade do futuro. Afinal, o grande dilema dos médicos sempre foi convencer o paciente a mudar a rotina de vida, mesmo após detectado um problema de saúde sério mas, que em muitos casos, pode ser de fácil tratamento. Como con­vencer uma mulher a deixar de usar um brinco que provoca dermatite de contato ou um fumante a largar o cigarro por causa de um enfisema ou, ainda, não comer mais gorduras depois de detectado índice ele­vado de colesterol? É realmente o desafio diário de todo profissional da Saúde. 

Crianças e adolescentes bem informa­dos podem também ser multiplicadores de hábitos saudáveis na família e entre os amigos, já que eles estão abertos para re­ceber tal informação. Basta conhecer um pouco da linguagem utilizada por eles, detectar os veículos de comunicação cer­tos e dialogar com transparência e ver­dade. A comunicação eficiente com esses jovens pode formar uma geração saúde, que será menos resistente a tratamentos, por exemplo, de doenças crônicas que não apresentam sintomas. 

por José Roberto Luchetti


Conteúdo fornecido pela Editora DOC, parceira do HelpSaúde.


DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER: