Pular para o conteúdo principal

Correr controla o colesterol e reduz taxa de mortalidade prematura

Não é impressão: realmente as ruas estão cada vez mais movimentadas com o aumento no número de corredores pelo Brasil. Não existe um dado ou estudo que explique o motivo desse crescimento, mas o fato é que correr tem feito parte da rotina de muitos brasileiros e essa simples mudança de hábito pode mudar uma vida inteira. Seja pela popularização do esporte ou por razões muito particulares, a dica é: não perca mais tempo, corra!
Segundo artigo científico “Running as a Key Lifestyle Medicine for Longevity*”, os corredores têm um risco reduzido em torno de 25% a 40% de mortalidade prematura e vivem cerca de três anos mais do que aqueles que não correm. Além de ajudar na perda de peso e em inúmeros outros benefícios para a saúde, a corrida garante redução da pressão arterial e do colesterol ruim. “A corrida é uma das estratégias mais eficazes em saúde coletiva para aumentar a longevidade da população, assim como o controle de doenças crônicas e cessação do tabagismo”, explica o infectologista e diretor médico do Hilab, Bernardo Almeida.
O colesterol é um tipo de gordura encontrada naturalmente no organismo, muito importante para o funcionamento do corpo, uma vez que ele circula pelo sangue, e é o responsável por produzir hormônios. Mas, vale ressaltar que o colesterol pode ser um grande inimigo quando seus níveis no sangue aumentam, podendo acumular nas artérias e coronárias, formando plaquetas que dificultam a passagem do sangue para órgãos essenciais como o cérebro e o coração.
Não é novidade que as doenças cardíacas estão entre as principais causas de morte no mundo, mas as pessoas esquecem que muitas delas poderiam ser evitadas. “Boa parte dessas doenças se relacionam ao sedentarismo, tabagismo, obesidade e a falta de controle de doenças crônicas como hipertensão e diabetes, por isso, a importância de uma alimentação saudável e praticar atividades físicas leves a moderadas”, alerta Almeida.
Segundo o infectologista, a prevenção ainda é o melhor caminho e as pessoas precisam parar de ir ao médico somente quando sentem dores ou sintomas que não consideram normais. “Muitos estudos comprovam os benefícios das atividades físicas, mas é importante estar em dia com outras doenças preveníveis e que necessitam de rastreamento periódico”, recomenda.
* LeeD, et al. Running as a Key LifestyleMedicine for Longevity. Prog CardiovascDis (2017)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa