Pular para o conteúdo principal

TI ganha status na Saúde e passa a ser parte da estratégia de negócio

Até poucos anos atrás, o departamento de tecnologia da informação nas instituições de Saúde era acionado apenas quando havia pane nos sistemas, sendo visto como um mero centro de custos. Gustavo Pereira, líder de healthcare na everis Brasil, defende que apesar de ainda concentrar atividades de suporte ao usuário dentre sua oferta mais básica, a TI começa a migrar do trabalho puramente técnico para ser vista, finalmente, como parte da estratégia do negócio.
“Por ser um segmento crítico, o setor de Saúde precisa que o ambiente de tecnologia seja plenamente capaz de dar todo o suporte necessário para a qualidade no atendimento ao paciente, garantindo processos otimizados, seguros e confiáveis”, diz Pereira. Ao mesmo tempo, precisa de agilidade em situações que demandam ações mais rápidas, em busca de inovações que irão gerar oportunidades ou melhorias nos negócios. “Isso quer dizer que a TI precisa ser bimodal”, explica.
O executivo ressalta que essa necessidade de mudança de cultura se dá principalmente por conta da transformação digital, que faz com que a tecnologia seja vista como essencial para os negócios. No entanto, para gerar, de fato, valor à operação, os dois lados da TI bimodal precisam trabalhar de forma integrada. 
“As áreas devem estar alinhadas e se dedicar a uma infraestrutura robusta e de interoperabilidade dos sistemas”, afirma Pereira. Para ele, desde o software de gestão hospitalar até os equipamentos de imagem e diagnóstico devem ser preparados para adotar tecnologias como analytics e big data, sistemas cognitivos e IoT, que oferecem insights que contribuem para o aumento da segurança do paciente e melhoria da tomada de decisão dos médicos. Isso porque com essas ferramentas é possível capturar, cruzar e interpretar informações em tempo real.
Entre as vantagens de usar a tecnologia na Saúde está a agilidade nos processos. De acordo com Pereira, hospitais, clínicas e laboratórios conseguem manter contato com seus pacientes de forma mais fácil, rápida e, principalmente, econômica. O executivo ressalta que é necessário repensar o modelo produtivo de TI no setor de Saúde. “A TI não só melhora a eficiência da área da Saúde, mas também ajuda no controle e a fluidez da informação”, diz. Segundo ele, a habilidade de saber usar esses avanços tecnológicos para melhorar o atendimento aos pacientes é um diferencial que traz retornos positivos. “É possível, por exemplo, investir em todo o fluxo preventivo, além de agilizar o diagnóstico e o tratamento”, finaliza.
Fonte: Everis
Conheça o HelpSaude, uma plataforma que une o maior portal de buscas de profissionais de saúde do Brasil com o mais completo sistema de gestão de clínicas e consultórios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa