Pular para o conteúdo principal

É preciso ser algo mais do que o mercado pede



O mercado de hoje é altamente complexo, o planejamento que se fazia antes para o prazo de cinco anos, hoje é impraticável. Os objetivos podem e devem ser estabelecidos, mas o caminho para se chegar até eles, isto é algo que requer doses generosas de adaptabilidade e certamente envolverá uma dinâmica que exige muito mais que palavras complexas, gráficos, planilhas e números relevantes num planejamento estratégico.
A realidade de hoje no Brasil, e no mundo, envolve fusões e aquisições, alterações quase que diárias em importantes segmentos no âmbito global, impactando em algum sentido você, sua empresa, seus clientes, fornecedores, sua forma de comunicar e viver, produzindo praticamente um terremoto em planos de curto, médio e longo prazo.
No mercado atual, risco não é uma hipótese, mas uma realidade quase que diária e a empresa ou profissional que não está disposto a entender como se administrar riscos para assim assumi-los de forma consciente, inteligente, controlada e planejada, estará brevemente fora do mercado, deixando de correr riscos, mas abandonando também oportunidades.
Nesse modelo de mercado, se disfarçar atrás de e-mails bem escritos ou uma sala bem decorada com uma mesa imponente, nem de longe é entendido como sinônimo de eficiência. Todo esse cenário não garante sobrevivência profissional ou empresarial, seja qual for o segmento, localização ou volume de operações.
Embora risco seja algo que possa ser percebido e gerenciado também com base na experiência profissional, isso conduz a dependência exclusiva de pessoas e se limita ao tamanho do negócio, a garantia de um sistema eficiente recomenda que a segurança esteja no processo e não em indivíduos. Quando se tem um processo de gestão que se traduz em melhoria contínua, otimizando o uso de recursos e focando na consolidação de marca, isso representa uma base sustentável que diminui significativamente o nível de incerteza.
O profissional e a empresa preparados para os dias de hoje precisam gerenciar eventuais perdas financeiras e danos de imagem, avaliando diariamente quais são as incertezas em cada uma das etapas dos processos, quais as probabilidades de que pequenos objetivos cotidianos, muitas vezes diários, evitando que deixem de ser concluídos como foram planejados e são esperados, por meio de ações preventivas que possa mitigar ameaças, porque o incerto continuará existindo e faz parte da realidade do mercado também.
Cabe ressaltar que essa cultura de gerenciamento de riscos é algo que deve ser integrado, ou seja, se deve implantar em todo o sistema de gestão. Quando se desenvolve essa capacidade de monitorar de forma integrada, eventos positivos ou negativos, que influenciam os resultados, tomando ações concretas e efetivas de prevenção de perdas, isso se traduz em credibilidade. Contudo, saiba que não conseguirá evitar efeitos provocados por riscos maus geridos previamente, o gerenciamento olha para frente, dissemine essa cultura e caso isso não seja aceito, mude, pois se perder é algo certo para aqueles que não sabem sequer o caminho para aonde quer chegar.
Portanto, ir além do que o mercado pede, envolve mais que relevantes certificados na parede do escritório, mas dentre alguns fatores, a habilidade de compreender, monitorar, gerenciar e tomar ações em tempo, prazos e custos que o mercado exige para reduzir os impactos dos riscos existentes e inerentes, entregando assim um diferencial.
Conheça o HelpSaude, uma plataforma que une o maior portal de buscas de profissionais de saúde do Brasil com o mais completo sistema de gestão de clínicas e consultórios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER: