Pular para o conteúdo principal

Gota

O que é gota?

É uma doença reumatológica, sua principal característica é o aumento nos níveis de ácido úrico no sangue, resultando no acúmulo de cristais de sódio nas articulações, formando depósitos. Estes depósitos de cristais fazem o indivíduo ter crises de artrite aguda.

É uma doença comum e muito antiga. Ocorre principalmente na faixa etária entre 30 a 50 anos, e afeta principalmente aos homens. Nas mulheres, surge com maior freqüência após a menopausa.

A hiperucemia, que é a elevação da taxa de ácido úrico no sangue não significa que o paciente terá gota, a doença ocorre em apenas 20% dos casos de hiperucemia.

Quais são as causa da gota?

A gota pode ser classificada em duas formas: primária e secundária.
Assim:

1. Primária tem relação com a genética da pessoa, podendo ser hereditária, que é mais comum. O organismo da pessoa não faz adequadamente a eliminação do ácido úrico pelos rins, e com isso, o que não for eliminado se acumula, levando à concentração do ácido no sangue e proporcionando à formação dos depósitos de cristais nas articulações.

2. Secundária ocorre quando a gota surge como resultado de outra doença ou de alguns tipos de medicamentos. São doenças como a anemia falciforme e a talassemia; também a leucemia, psoríase, insuficiência renal, obesidade, hipertensão arterial e hipotireoidismo. Todas podem favorecer o surgimento da gota. Entre os medicamentos, diuréticos e o ácido acetilsalicílico, por exemplo, pode provocar uma diminuição na eliminação do ácido úrico pelos rins, levando ao surgimento da gota.

Quais os sintomas da gota?

O sintoma mais comum é o surgimento de um inchaço no dedão do pé, que provoca fortes dores. A primeira crise dura em torno de 3 a 10 dias, e o inchaço e a dor somem, fazendo com que muitas pessoas ignorem o fato e não procurem o médico. Algum tempo depois, que pode ser de alguns meses ou anos, uma nova crise de gota surge e a mesma articulação volta a ser comprometida. No entanto, outras articulações também podem ser afetadas. As crises normalmente costumam atingir os membros inferiores, mas podem ocorrer em outras articulações do corpo. Se a gota não for tratada, as crises de dor aumentam em intensidade e freqüência, podendo atingir várias articulações ao mesmo tempo, além de causar deformações nas articulações.

Como é feito o diagnóstico da gota?

Buscando uma consulta médica. O clínico irá realizar exames, baseado nos sintomas apresentados pelo paciente. Na primeira crise, o diagnóstico exato somente se torna possível se forem detectados cristais de ácido úrico na amostra de líquido retirada da articulação. Quando isso não ocorre, são necessários outros exames, para afastar a possibilidade de que a causa sejam outras doenças. Pode ocorrer de a taxa de ácido úrico apresentar-se normal no exame mesmo durante a crise, e neste caso o médico poderá solicitar que o exame seja refeito após duas semanas. Radiografias podem ser utilizadas para diagnosticar a doença, em especial, na fase em que há deformidade articular.

E o tratamento da gota?

Não existe uma cura definitiva para a doença já que sua causa se deve à deficiência do organismo em eliminar o ácido úrico. O tratamento consiste em dietas e no uso regular de medicação para reduzir o nível de ácido úrico no sangue, para que sejam evitadas as crises. O tratamento não pode ser interrompido ou abandonado mesmo que os sintomas tenham “desaparecido”, pois sem o tratamento, os níveis sanguíneos de ácido úrico voltarão a subir. Se os níveis estiverem muito elevados, o consumo de bebidas alcoólicas deve ser evitado.

Em caso de dúvidas ou curiosidade sobre gota, procure um clínico geral em sua área.
Procure também um nutricionista. Conhece algum no seu bairro? Na sua cidade? Quem sabe o HelpSaúde pode te ajudar.


Fonte: Editoria HelpSaúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

  1. Gostei tirou algumas duvidas que eu tinha, maisa ainda tenho outras. Como quai alimentos
    s uma pessoa com gota pode comes?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa