Pular para o conteúdo principal

Início da Semana Nacional Contra o Alcoolismo

O Ministério da Saúde, com o objetivo de criar uma mobilização nacional, instituiu a 'Semana Nacional Contra o Alcoolismo', que ocorre todos os anos na terceira semana de fevereiro.

A Semana divulga os males causados pelo alcoolismo e também mostrar as dificuldades do alcoólatra para sair dessa dependência, pois o álcool é uma droga lícita, uma das mais consumidas em todo o mundo.

Segundo a OMS - Organização Mundial de Saúde, o alcoolismo é visto como um grave problema de saúde pública no mundo, pois aproximadamente 2 bilhões de pessoas consomem bebidas alcoólicas e seu uso indevido é um dos principais fatores que contribuem para a diminuição da saúde mundial, sendo responsável por 3,2% de todas as mortes

O QUE É ALCOOLISMO?

Nem toda pessoa que bebe muito álcool é considerada alcoólatra. Mesmo que o consumo afete a família ou as responsabilidades de trabalho, ou exponha a pessoa a situações de perigo - como dirigir embriagado -, essa pessoa não é necessariamente alcoólatra. Apesar de abusar do álcool, o que não é nada saudável, pode não desenvolver uma dependência física.

Os alcoólatras, por outro lado, têm uma doença crônica. Eles são fisicamente dependentes do álcool. Sentem necessidade de beber como as outras pessoas sentem necessidade de comer e, uma vez que começam, dificilmente conseguem parar. Eles desenvolvem uma tolerância ao álcool, precisando sempre de mais e mais bebida para sentir os mesmos efeitos.

Quando o alcoólatra tenta parar de beber, sofre sintomas da abstinência:

- suores;
- náuseas;
- ansiedade;
- delírios;
- visões;
- tremores intensos; e
- confusão mental.

No Brasil, são 19 milhões de dependentes do álcool. Homens são duas vezes mais propensos a se tornarem alcoólatras. Ao ingerir uma bebida alcoólica, o cérebro do homem libera mais dopamina (um neurotransmissor, substâncias químicas produzidas pelos neurônios) que o da mulher e cerca de 10% dos homens tornam-se alcoólatras no decorrer da vida e, entre as mulheres, de 3 a 5%.

QUANTOS DRIKS? ATENÇÃO AOS SINAIS

Geralmente o alcoolismo é mais comum 18 e 44 anos. Homens que bebem 15 ou mais drinks por semana e mulheres de bebem mais de 7 drinks podem tornar-se alcoólatras.

É interessante prestar atenção nos sinais porque as pessoas podem tornar-se alcoólatras por fatores genéticos, fisiológicos, psicológicos e sociais. Os sinais são:

- beber para esquecer os problemas
- beber sozinho com frequência, ou seja, "não socialmente”
- falta de apetite, aversão à comida
- irritabilidade ou melancolia quando não ingere álcool
- pequena perda de memória

FATORES DE RISCO

Os fatores de risco que levam ao alcoolismo são os seguintes:

1 - Fatores sociais - pressão social, stress cotidiano, meio ambiente (jovens bebem para acompanhar os amigos), mídia, uso de bebidas destiladas como sinônimo de status;

2 - Fatores Genéticos - pesquisas indicam que filhos de alcoólatras são 4 vezes mais propensos à dependência. A convivência aliada aos fatores cientificamente determinados (pesquisadores tem trabalhado no intuito de determinar os genes exatos da propensão ao alcoolismo)

3- Fatores Fisiológicos - o uso do álcool altera o equilíbrio químico no cérebro, afetando o sistema nervoso central como a citada dopamina. O corpo anseia pelo uso da droga a fim de restaurar momentos de prazer, "mascarar" problemas psicológicos ( baixa estima, depressão etc).


NÃO HÁ CURA. HÁ TRATAMENTO

O alcoolismo não tem cura. Alcoólicos em recuperação podem buscar ajuda médica e aconselhamento (Alcoólicos Anônimos).

A Desintoxicação é a abstinência do álcool com a finalidade de eliminá-lo completamente do organismo. Leva cerca de 4 a 7 dias e os pacientes tomam medicamentos para prevenir os sintomas da abstinência. Existem medicações para prevenir recaídas. Elas bloqueiam as regiões do cérebro responsáveis pela sensação de prazer decorrente da doença.

Sessões de aconselhamento e terapia individual ou em grupo podem auxiliar na recuperação do alcoólatra. Um dos mais reconhecidos programas de recuperação alcoólica é o Alcoólicos Anônimos (AA). Nesse programa de 12 passos, os alcoólatras em recuperação encontram-se regularmente para auxiliar uns aos outros durante o processo de recuperação.

Incentive a Semana Nacional Contra o Alcoolismo, pois a doença não atinge somente o paciente, mas também as pessoas que convivem com ele. Familiares (conjugue e filhos, principalmente) podem sofrer com ansiedade, depressão e problemas comportamentais.

Fonte: Editoria HelpSaúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER: