Pular para o conteúdo principal

92% dos Médicos Reclamam dos Planos de Saúde

Em uma pesquisa divulgada pela Datafolha recentemente foi divulgado que 92% dos médicos reclamam que os planos de saúde interferem em sua autonomia profissional. Veja abaixo alguns dados levantados pelo estudo encomendado pela Associação Paulista de Medicina (APM) e pela Associação Médica Brasileira (AMB).

· 78% dos especialistas afirmaram que a principal intromissão dos convênios ocorre por conta da recusa de pagamento de procedimentos ou medidas terapêuticas.

· 75% dos profissionais reclamam sobre restrições em relação ao número de exames ou procedimentos.

· 70% dos médicos citaram as restrições a doenças pré-existentes.

· 55% apontaram problemas com o tempo de internação de pacientes.

· 49% citaram a prescrição de medicamentos de alto custo.

· 48% relataram restrições em relação ao período de internação pré-operatório.

Segundo José Luiz Gomes do Amaral, presidente da Associação Médica Brasileira, se não houver independência no exercício da profissão não há como oferecer bons resultados aos pacientes.

Jorge Curi, presidente da Associação Paulista de Medicina, acredita que atitudes precisam ser tomadas para que a saúde do paciente não seja comprometida. Ele cita a possibilidade de um descredenciamento em massa e o favorecimento de mercados paralelos, em que médicos cobram por fora um valor para a consulta.

Como previamente divulgado em nosso blog, mais uma vez é reforçado o fato de que médicos precisam de mais independência para impulsionar e desenvolver a própria carreira. Uma das soluções para sanar esse problema seria criar uma vitrine para que o profissional pudesse divulgar dados de seu trabalho e os serviços que oferece. O Help Saúde é um dos poucos portais que já oferece um diferencial: o tráfego de pacientes. Em menos de dois anos de existência, ele disponibiliza para os médicos, gratuitamente, um tráfego de um milhão de usuários por mês.

Leia também: Mais Autonomia para o Trabalho dos Médicos Brasileiros

Fonte: Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa