Pular para o conteúdo principal

Risco de Epidemias e Doenças em Regiões afetadas pela Enchente

Uma semana depois que as fortes chuvas deixaram um rastro de destruição e morte na serra fluminense, os moradores de Teresópolis se mostram preocupados com o risco de epidemias e doenças contagiosas no local, como tétano e leptospirose. No entanto, enquanto algumas pessoas já adotam medidas em relação ao problema, outras tomam menos precauções contra a situação. Alguns moradores não estão tomando providencias básicas como se vacinar contra tétano ou usar galochas para andar nas ruas que estão cobertas de lama.

A expectativa das autoridades de saúde em Teresópolis é de que surjam surtos de eventos originados na água, como diarréias, hepatite A, leptospirose e verminoses.

Além disto, o contato com o solo contaminado pode levar à intoxicação por produtos químicos das plantações. Já as doenças respiratórias podem ser causadas pela alta umidade, pelos mofos, fungos e pelas aglomerações de pessoas nos alojamentos.

Nos hospitais, já se verificam infecções e septicemia em pacientes que tiveram feridas expostas a bactérias, assim como outras doenças que atacam a pele e os cabelos, como sarnas e piolhos. Foi montado um serviço específico de tratamento de problemas de pele, no hospital de campanha e no Tiro de Guerra do município.

As enchentes não afetaram somente o Rio de Janeiro, outros estados também foram afetados com as chuvas, como São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O alerta inclui todas estas regiões, os moradores devem se preocupar com o risco de doenças tomando as vacinas recomendadas, evitando contato direto com lama e tendo cuidado para não consumir alimentos e água contaminada.

Para pessoas que sofreram com este drama qualquer cuidado é pouco, caso tenha algum sintoma procure um médico.

Fonte: site G1

Comentários

  1. Adorei o site, muito informativo.

    Aproveito e convido também para o novo espaço online HT | Health News ( http://www.trevisi.com.br/blog/ ) . Sua opinião é muito importante para nós.

    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do