Pular para o conteúdo principal

Brasileiro desenvolve diagnóstico da catarata pelo celular

Há um ano o brasileiro Vítor Pamplona, então doutorando visitante do renomado Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos EUA, ajudou a desenvolver o PerfectSight, um exame de vista pelo celular com um adaptador de dois dólares que poderia ser usado por qualquer pessoa. A ideia é transformar o celular em uma espécie de ‘termômetro’ para os olhos, auxiliando pacientes a determinar se precisam visitar o oftalmologista e usar óculos. Agora, Pamplona e uma equipe de doutorandos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Universidade Federal Fluminense (UFF) pretendem ampliar o PerfectSight para se tornar uma ferramenta móvel de diagnóstico completa para doenças do olho.

Para isso, a equipe multidisciplinar de sete pesquisadores da UFRGS, UFF e MIT, da qual Pamplona faz parte, terá que ampliar o escopo da ferramenta para cobrir outras doenças que acometem o globo ocular. O primeiro passo acaba de ser dado com o Catra, uma extensão do PerfectSight capaz de fazer o diagnóstico e o acompanhamento de uma doença que é a maior causa de cegueira no mundo: a catarata. De acordo com a Sociedade Brasileira de Oftalmologia, no Brasil, 70% das pessoas com mais de 60 anos têm a doença.

Assim como o PerfectSight, o Catra é um aplicativo de celular que funciona em parceria com um adaptador de plástico acoplado ao aparelho, no qual o paciente coloca o olho. A vantagem do novo sistema é que a catarata pode ser diagnosticada em estágio bastante inicial, o que dificilmente acontece pelos meios convencionais. De acordo com o oftalmologista Miguel Ângelo Padilha, membro do conselho consultivo da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, a doença é comumente 'autodiagnosticada' quando já está atrapalhando a vida da pessoa. "Na maioria dos casos, o próprio paciente chega ao consultório queixando-se da perda de qualidade na visão", explica Padilha.

No consultório, os médicos utilizam um aparelho chamado Slit Lamp, ferramenta essencial para os oftalmologistas que faz um check-up do olho, para detectar a presença da catarata. O equipamento só pode ser usado por oftalmologistas e custa cerca de 1.500 dólares, muito mais que um celular e a peça de plástico necessária para o funcionamento do Catra, que pode ser usado por qualquer pessoa. "É um recurso que vai fazer as pessoas ficaram mais atentas aos problemas de vista", avalia Padilha. "Com posse dessa ferramenta, as pessoas poderão acompanhar a saúde do olho e procurar ajuda médica com mais rapidez."

Como funciona - De acordo com Pamplona, o Catra funciona em três estágios. No primeiro, o usuário olha através da peça ligada ao celular e observa um ponto verde na tela do aparelho. "Se o paciente perceber o pontinho piscar, borrar ou escurecer, ele tem catarata", explica Pamplona. "Apenas olhar através do dispositivo pode indicar a presença da doença." Na segunda etapa, o usuário pressiona a tecla do celular para marcar as vezes em que o ponto verde muda de forma, ou seja, piscar, perder o foco ou escurecer. A partir desses dados, o celular faz um mapa mostrando a posição e o tamanho da catarata.

A última etapa, se necessária, compara uma região sadia do olho com uma atingida pela catarata. O paciente pressiona mais uma vez as teclas do celular para ajustar o brilho dos pontos verdes que vê. "A ideia é que os pontos fiquem semelhantes em termos luminosos, e com isso, informando ao celular qual a densidade da catarata que está sendo medida", relata Pamplona. "Assim, o médico consegue ter uma informação mais detalhada de quão destrutiva é a anomalia para a visão do paciente", diz. O processo todo leva de dez a 15 minutos.

Próximo passo - Pamplona espera que o projeto possa estar no mercado em um ano. "Tudo depende do modelo de negócios e da regulamentação para dispositivos médicos desse gênero", explica. Como o exame não oferece nenhum risco à visão do usuário, o cientista espera que as regras sejam menos severas do que as aplicadas em dispositivos médicos tradicionais. "Além disso, ainda precisamos realizar muitos testes clínicos com os protótipos."

Além da catarata, o Catra poderá ser adaptado para fazer diagnóstico e acompanhamento de outras doenças de opacidade no olho humano, como leucoma corneano e opacidades de vítreo. Junto com o PerfectSight — que diagnostica anomalias na visão, como a miopia, hipermetropia e astigmatismo —o Catra cobre boa parte das doenças mais comuns da oftalmologia. "Um terceiro equipamento, que será nosso próximo objetivo, será utilizado para detectar e quantificar doenças mais graves, como a degeneração macular e o glaucoma", revela Pamplona.


Fonte: Veja

Temas relacionados no Help Saúde: Oftalmologia

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com

Comentários

  1. Que coisa estranha,no final do ano passado fui a minha oftalmo que me disse,q eu estava com princípip de catarata,então eu falei,vamos operar logo,ela me disse então q não,q era p/ esperar mais,agora pércebo pelo artigo que existe tratamento inicial.Oque devo fazer?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa