Pular para o conteúdo principal

Energia contra o câncer

Tecnologia de radiocirurgia para tratamento de tumores sem cortes dá nova esperança a pacientes

Com o aumento da expectativa de vida, o câncer é hoje a segunda causa de morte no país – somente em 2010, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) estimou o surgimento de cerca de 490.000 novos casos. Cada vez mais incidente, a doença tem se tornado alvo de pesquisas em todo o mundo.

Na busca de formas de tratar e controlar o câncer, novos equipamentos de última geração têm trazido esperança e aumentado a qualidade de vida dos pacientes. Entre as mais recentes inovações tecnológicas, estão equipamentos avançados de radiocirurgia que começam a chegar ao país.

Destinada inicialmente a procedimentos não-invasivos no cérebro, a radiocirurgia é uma técnica precisa usada pra destruir tumores por meio de feixes de radiação de alta energia focalizada, com eficiência e sem a necessidade de cirurgias abertas. Com o paciente acordado e consciente, os equipamentos mais modernos de radiocirurgia já são capazes de tratar mesmo órgãos em que a respiração ou outras estruturas possam movimentar o tumor, como coluna, pulmão, rim, fígado, pâncreas, próstata, cabeça e pescoço.

É o caso do aparelho Novalis 6D Classic™. Ele combina diferentes técnicas de imagem que orientam o dispositivo de modelagem de feixes de alta resolução. Dessa forma, é possível localizar o tumor com precisão submilimétrica, visualizar o alvo em tempo real e tratar lesões de praticamente todo tamanho ou forma em muitas regiões do corpo. “A lesão recebe a quantidade máxima de radiação possível, enquanto o tecido saudável ao redor permanece protegido”, afirma o Dr. Felipe Erlich, radioterapeuta do Centro de Oncologia da Rede D’Or. O Novalis entra em funcionamento a partir de 28 de junho no novo centro especializado da Rede D’Or, primeiro local a dispor da tecnologia no Rio de Janeiro e segundo no Brasil.

O resultado é a redução ou controle do crescimento de tumores, matando as células cancerosas ou interferindo em sua capacidade de crescer, com efeitos colaterais mínimos e ampliando as chances de cura.

A nova técnica é realizada sem a necessidade de internação ou anestesia, permitindo que o paciente mantenha praticamente inalterada a sua rotina diária. “Isso com resultados equiparáveis ou até mesmo superiores ao tratamento tradicional, dependendo do tipo, tamanho e localização das lesões”, comenta o Dr. Marcello Reis, neurocirurgião do Centro de Oncologia da Rede D’Or.

Além disso, com tamanho grau de exatidão, podem ser administradas doses mais altas de radiação, o que significa períodos de tratamento mais curtos. O Dr. Felipe Erlich acrescenta ainda que, para certos pacientes, a tecnologia é uma nova esperança. “Alguns tumores são considerados inoperáveis pelos métodos convencionais e em determinados casos a cirurgia aberta pode oferecer um risco muito alto”.


Dr. Felipe Erlich e Dr. Marcello Reis: Profissionais cadastrados no Help Saúde.

Centro de Oncologia da Rede D’Or localizado no Hospital Quinta D’Or
Serviço de Radioterapia e Radiocirurgia: Tel (21) 3461-3801/ 3802


Temas relacionados no Help Saúde: Oncologista


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa