Pular para o conteúdo principal

Epidemia na Europa - Pior da crise do E.coli já passou, diz Alemanha

Segundo ministro da Saúde, dados mostram queda no número de infecções pela bactéria que já matou 24.

O número de casos de infecção pela bactéria E.coli está caindo significativamente e pode indicar que o pior do surto já passou, segundo afirmou nesta quarta-feira o ministro da Saúde da Alemanha, Daniel Bahr.

Em uma entrevista à TV alemã ARD, Bahr se disse "cautelosamente otimista" de que a situação está melhorando, mas advertiu que deve haver mais mortes, já que novos casos continuam aparecendo a cada dia.

"Não posso dizer que acabou, mas após analisar os últimos dados, temos uma razão razoável para esperança", disse.

O surto iniciado há duas semanas no norte da Alemanha já infectou mais de 2.400 pessoas e provocou 24 mortes. Centenas de pessoas também desenvolveram complicações renais e neurológicas.

Críticas

O governo alemão foi duramente criticado pela forma como lidou com o caso. Inicialmente, as autoridades alemãs haviam responsabilizado pepinos importados da Espanha como a fonte da contaminação pela E.coli, mas testes não comprovaram a contaminação nos legumes.

No último fim de semana, uma fazenda produtora de brotos de feijão próxima de Hamburgo foi apontada como a origem da contaminação, mas até o momento os testes não indicaram a ligação.

O caso provocou grandes perdas aos produtores agrícolas europeus. A Rússia, principal mercado para os legumes e verduras da União Europeia, anunciou na semana passada a proibição da importação desses produtos.

Nesta terça-feira, a União Europeia propôs um fundo de 150 milhões de euros (R$ 347 milhões) para compensar os produtores pelas perdas.

Mas ministros da Agricultura dos países do bloco dizem que é necessário mais e pedem uma compensação total aos produtores pelas perdas, estimadas em até 417 milhões de euros (R$ 962 milhões) por semana.

Divulgação prematura

O comissário da União Europeia para Saúde, John Dalli, também advertiu contra a divulgação prematura de informações não comprovadas sobre a origem do surto.

"Isso espalha temores não justificados entre a população em toda a Europa e cria problemas para nossos produtores de alimentos", disse.

Mas a secretária da Saúde de Hamburgo, Cornelia Prüfer-Storcks, defendeu a decisão das autoridades locais de divulgar uma advertência sobre os pepinos espanhóis no início da crise.

"Tínhamos uma situação diferente aqui em Hamburgo quando publicamos nossa advertência sobre os pepinos espanhóis e os removemos das prateleiras", disse ela.

"Em dois testes de laboratório tivemos resultados positivos para a E.coli, que foram confirmados duas vezes pelo laboratório do governo e pelo laboratório da União Europeia, então isso não era um processo para consideração, era imperativo (a advertência)", afirmou.

Prüfer-Storcks disse ainda que os resultados dos testes com os brotos apontados como a origem da contaminação no último fim de semana foram inconclusivos até agora.

Mas ela confirmou a posição de Bahr, dizendo que as clínicas que vêm tratando dos pacientes infectados haviam informado que "a situação está melhorando gradualmente".

"Estamos vendo os primeiros pacientes terem alta, outros estão melhorando bastante, então os primeiros raios de esperança estão no horizonte", disse.

A entidade estatal alemã responsável por controle e prevenção de doenças, o Instituto Robert Koch, disse que o número de novos casos de infecção vem caindo, mas afirmou que ainda não sabe ao certo se a situação vai se manter.



Fonte: Globo.com

Temas relacionados no Help Saúde: Infectologista

Posts relacionados: Epidemia na Europa - E.coli é problema alemão, não europeu, diz comissário da UE para Saúde, Epidemia na Europa - Bactéria mortal, o alarme da OMS: “É uma alteração que nunca foi vista.” e Epidemia na Europa - Alemanha estabelece força-tarefa para buscar fonte da bactéria 'E. coli'

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa