Pular para o conteúdo principal

Acupuntura para crianças

A acupuntura tradicional chinesa tem como objetivo recuperar o equilíbrio energético restaurando por completo a saúde. O equilíbrio energético proporciona melhora do sono, diminuição da ansiedade, melhora do funcionamento orgânico em geral, aumento da circulação e absorção de nutrientes, ativação da produção de colágeno e elastina, melhor oxigenação celular e eliminação das toxinas. Tem grande eficácia no tratamento de diversas patologias e lesões, não apresenta efeitos secundários nocivos e tem ação preventiva. O campo de atuação da acupuntura é imenso, podendo ser usada em todo e qualquer problema de saúde, desde os mais simples até os mais complexos.

A acupuntura pediátrica tem como diferencial a forma de atendimento da criança e o tipo de estímulo utilizado. Sementes ou esferas metálicas são utilizadas como estímulo ao invés de agulhas, o que torna o tratamento totalmente indolor, podendo ser complementada com outros recursos, como a auriculoterapia e acupuntura auricular. A aplicação da acupuntura é feita em meio a diversas atividades lúdicas o que torna o tratamento prazeroso para a criança.

As crianças maiores de 7 anos apresentam melhor resultado com o uso de agulhas, sendo que bebês e crianças até 7 anos respondem muito bem aos estímulos com sementes ou esferas metálicas.

A freqüência das aplicações varia de acordo com o quadro clínico da criança, sendo em média 1 vez por semana e assim que possível a criança deve receber alta para 15 em 15 dias, até passar para 1 vez ao mês, ficando a critério dos pais seguir ou não com o tratamento preventivo. Na criança saudável é realizado apenas o tratamento preventivo onde são realizadas 3 sessões com intervalo de 1 semana, 1 sessão com intervalo de 15 dias e as sessões seguintes são realizadas 1 vez por mês.

O sistema imunológico da criança não esta adequadamente preparado, o que faz com que ela sofra mais o impacto das viroses, principalmente as crianças que freqüentam a educação infantil ou as que freqüentam creches e berçários, apresentando uma freqüência maior de aparecimento.

A acupuntura pediátrica preventiva tem como objetivo diminuir a incidência das doenças e afecções freqüentes na criança, fortalecendo o sistema imunológico e mantendo o equilíbrio energético. Ela ajuda a diminuir a freqüência de aparecimento de várias doenças e afecções como as viroses respiratórias, como a gripe e o resfriado, viroses intestinais, ajuda a espaçar as crises de asma, bem como diminuir seus sintomas.

Nas crianças que já apresentam algum tipo de virose ou doença respiratória, o tratamento através da acupuntura busca melhorar todo quadro sintomático, espaçar as crises e como na acupuntura pediátrica preventiva busca promover o equilíbrio energético e o fortalecimento do sistema imunológico.

Além da acupuntura pediátrica prevenir diversas doenças e afecções na criança, ela também é utilizada no tratamento de diversas enfermidades físicas e psíquicas e nos tratamentos de dores em geral. Apresenta ótimos resultados no tratamento das doenças respiratórias como bronquite, asma, rinite, sinusite, no tratamento de cólica, enurese noturna (xixi na cama),hiperatividade, falta de apetite,déficit de aprendizado e distúrbios do sono.

As sessões de acupuntura pediátrica com a Dra. Claudinéa Yamashiro são diferenciadas para cada faixa etária e acontecem de forma lúdica. A mãe também tem direito ao tratamento pela acupuntura junto com a criança, uma vez que a saúde da mãe é de fundamental importância para o bem estar e a saúde da criança. Dessa forma, é possível favorecer a saúde e o equilíbrio energético da mãe e da criança, contribuindo para um crescimento saudável e feliz.

Fonte: Claudinéa Guedes Yamashiro. COFFITO: SP20332-F

Fisioterapeuta cadastrada no Help Saúde.

Temas relacionados no Help Saúde: Fisioterapia

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do