Pular para o conteúdo principal

Guia Help Saúde > Família > Uso de medicamentos

Só porque os medicamentos existem não significa que eles sejam o tratamento ideal para todas as pessoas. O remédio precisa ser adequado para cada paciente e ser receitado por um médico.

A automedicação pode trazer complicações e sérios efeitos colaterais, por isso é preciso ficar atento e nunca tomar uma medicamento sem a autorização de um médico.

Mesmo os aparentemente inofensivos são capazes de gerar sérias conseqüências como, por exemplo, um descongestionante nasal que pode aumentar a pressão arterial. Os esteróides anabolizantes, que têm sido adquiridos sem receita e fora das farmácias, possuem efeitos colaterais gravíssimos, como a hepatite medicamentosa. Se injetáveis, podem até mesmo sujeitar o usuário a compartilhar seringas, com risco de contaminação com vírus da AIDS ou hepatite b. E até mesmo os antibióticos podem perder o efeito esperado e se tornem inúteis no tratamento de doenças específicas.

As pessoas que estão na terceira idade então, nem pensar em se automedicar. Os idosos precisam tomar mais remédios e eles podem reagir entre si, provocando efeitos colaterais.

Dicas do Help Saúde na hora de tomar remédios:

-Siga seu médico e a receita.

-Tome remédio com água, pois outros líquidos podem interferir na sua ação.

-Não corte ou prolongue tratamento sem conversar com o seu médico.

-Anote num papel os remédios diários.

-Use caixinhas para separar os remédios por horários ou dias da semana.

-Jogue fora os remédios vencidos.

-Guarde os remédios em locais apropriados.

-Olhe com a atenção a embalagem, conferindo o nome do medicamento.

-Informe a seu médico os remédios que toma e não omita a existência de vício ou dependência química.

Veja mais no blog sobre:

Hepatite

Regulamentação da venda de Antibióticos


Procure por um clínico geral em qualquer lugar do Brasil no Help Saúde.


Fonte: Editoria Help Saúde

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa