Pular para o conteúdo principal

Guia Help Saúde > Família > Uso de medicamentos

Só porque os medicamentos existem não significa que eles sejam o tratamento ideal para todas as pessoas. O remédio precisa ser adequado para cada paciente e ser receitado por um médico.

A automedicação pode trazer complicações e sérios efeitos colaterais, por isso é preciso ficar atento e nunca tomar uma medicamento sem a autorização de um médico.

Mesmo os aparentemente inofensivos são capazes de gerar sérias conseqüências como, por exemplo, um descongestionante nasal que pode aumentar a pressão arterial. Os esteróides anabolizantes, que têm sido adquiridos sem receita e fora das farmácias, possuem efeitos colaterais gravíssimos, como a hepatite medicamentosa. Se injetáveis, podem até mesmo sujeitar o usuário a compartilhar seringas, com risco de contaminação com vírus da AIDS ou hepatite b. E até mesmo os antibióticos podem perder o efeito esperado e se tornem inúteis no tratamento de doenças específicas.

As pessoas que estão na terceira idade então, nem pensar em se automedicar. Os idosos precisam tomar mais remédios e eles podem reagir entre si, provocando efeitos colaterais.

Dicas do Help Saúde na hora de tomar remédios:

-Siga seu médico e a receita.

-Tome remédio com água, pois outros líquidos podem interferir na sua ação.

-Não corte ou prolongue tratamento sem conversar com o seu médico.

-Anote num papel os remédios diários.

-Use caixinhas para separar os remédios por horários ou dias da semana.

-Jogue fora os remédios vencidos.

-Guarde os remédios em locais apropriados.

-Olhe com a atenção a embalagem, conferindo o nome do medicamento.

-Informe a seu médico os remédios que toma e não omita a existência de vício ou dependência química.

Veja mais no blog sobre:

Hepatite

Regulamentação da venda de Antibióticos


Procure por um clínico geral em qualquer lugar do Brasil no Help Saúde.


Fonte: Editoria Help Saúde

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do