Pular para o conteúdo principal

Dia do Educador Sanitário


EDUCAÇÃO E SAÚDE

É dia do Educador Sanitário!

Estamos acostumados desde criança a ouvir : "Vai escovar os dentes antes de dormir! ", "Já lavou suas mãos antes de sentar na mesa?", "Tomou banho direito, lavou as orelhas?". Pois é! O nosso primeiro Educador Sanitário está dentro da nossa casa, são os nossos responsáveis, principalmente nossos pais e nossos primeiros professores.

Nem sempre foi assim. Campanhas educativas, unir saúde e educação, hábitos como escovar os ao acordar, depois das refeições e antes de dormir; usar fio dental; lavar bem as mãos antes das refeições e ao chegar em casa; evitar contato com objetos sujos e de origem desconhecida, não brincar em "águas paradas" ou realizar boa higiene após pisar em água de temporais, tomar aquele bom banho diário, a vacinação, entre outros exemplos presentes hoje no dia-a-dia passou a ser uma ideia divulgada no Brasil décadas de 30 e 40.

Em 1941, foram instituídos 12 Serviços Nacionais: Serviço Nacional da Peste, da Tuberculose, da Febre Amarela, Câncer, Lepra, Malária, Doenças Mentais, Educação Sanitária (SNES), de Fiscalização da Medicina, de Saúde dos Portos, de Bioestatística e de Águas e Esgotos. O SNES era o órgão federal encarregado de elaborar e supervisionar atividades destinadas especificamente à educação em saúde. O SNES deveria também articular-se com outros serviços e organizações estatais, paraestatais e privadas.
Órgãos de educação sanitária teriam como prioridade a proteção da criança, a alimentação pública e a tuberculose, um dos problemas mais graves da época.

A SAÚDE passou a ser vista como uma questão PEDAGÓGICA, tão importante quanto a alfabetização e a higiene era o conceito central, orientando as políticas do setor e as práticas preventivas, objetivando um país com homens e mulheres trabalhadores e crianças saudáveis.

SNES se dedicou a publicações de folhetos, cartilhas livros e catálogos; realizou palestras via rádio; conferências em colégios e coordenou os trabalhos de educação e propaganda sanitárias realizados por outras entidades do Ministério. Essas publicações e campanhas abordavam doenças específicas e questões como o tabagismo, cuidados orais e, na época, o exame pré-nupcial.

As práticas preventivas atravessaram as décadas, inclusive após 1953, quando foi criado o Ministério da Saúde.

A EDUCAÇÃO SANITÁRIA

A Educação Sanitária promove mudanças no comportamento humano em relação aos problemas de saúde. È um processo ativo, contínuo, que melhora as condições de saúde não só do ser humano, como também do meio ambiente, dos animais e vegetais.

Com os cuidados necessários e básicos, com os conselhos dos EDUCADORES DE SAÚDE, a saúde é menos afetada porque evita contato direto e indireto com microorganismos:

- vírus;
-protozoários;
-bactérias;
-vermes; e
-parasitas

O EDUCADOR SANITÁRIO

Para ser Educador sanitário é necessário formação e capacitação nos níveis humana e profissional. É preciso possuir equilíbrio emocional e psicológico, ser aberto ao diálogo, disponível e capaz de trabalhar em equipe, com capacitação mínima em relação aos aspectos de Educação, promoção da saúde e prevenção das doenças, conhecer a realidade da saúde e as ciências humanas e sociais.

A CONSCIENTIZAÇÃO é o verdadeiro trabalho educativo sanitário, uma conscientização da população de forma crítica e participativa, com equipes bem preparadas para o trabalho com o objetivo de a uma condição sanitária cada vez mais eficiente.

Professores de biologia e ciências no ensino fundamental, por exemplo, são capacitados para incluir "programa de saúde" no contexto escolar. A Coordenadoria de Educação Sanitária é a responsável pela orientação e desenvolvimento de campanhas, projetos, treinamento técnico e palestras envolvendo o público específico e afim conforme os programas de defesa sanitária animal e vegetal.

O EDUCADOR SANITÁRIO atua também em Pet Shops, com a finalidade de prevenir doenças em animais ou ainda na área rural, orientando a saúde de animais e vegetais, conscientizar a respeito do uso de agrotóxicos em demasia.

Fonte: Editoria HelpSaúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa