Pular para o conteúdo principal

Dia Mundial do Meio Ambiente - 5 de junho

ORIGEM DA DATA

O Dia Mundial do Meio Ambiente é celebrado a 5 de junho, foi criado pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 15 de dezembro de 1972, ocasião em que foi aberta a Conferência de Estocolmo, na Suécia, cujo tema central foi o Ambiente Humano.

A CONFERÊNCIA DE ESTOCOLMO foi a primeira atitude mundial em tentar organizar as relações de Homem e Meio Ambiente. Compareceram 113 e mais 400 instituições governamentais e não governamentais, que discutiram temas como a chuva ácida, o controle da poluição do ar, a inversão térmica. Cientistas já detectavam problemas ambientais que começavam a ser geradas pelas indústrias, queimadas, desmatamentos, as queimas de carvão e petróleo que liberavam resíduos gasosos como óxido de nitrogênio e enxofre.

A CAMADA DE OZÔNIO

Atualmente, os países desenvolvidos e em desenvolvimento estão envolvidos em um grande problema que aflige todo o planeta: a destruição da camada de Ozônio que causa o “efeito estufa” na Terra.

O Ozônio (O2) é um gás cuja característica química doa moléculas de oxigênio para radicais livres como o nitrogênio, hidrogênio, cloro e bromo. O revestimento de ozônio que protege a Terra de vários tipos de radiação é a “camada de ozônio", cujos "vilões destruidores" são os clorofluorcarbonetos, os chamados CFC’s.

CFC é um composto sintético, gasoso e atóxico ao ser humano que pode ser utilizado como solventes, aerosóis, bem como nos refrigerantes, em freezers, aparelhos de ar condicionado e geladeiras. Entretanto este composto é totalmente tóxico para a atmosfera, onde pode permanecer até 75 anos. É o progresso e a tecnologia destruindo o planeta.

Os CFC's presentes da atmosfera terrestre, ao contrário do que se imagina, não são levados pela chuva, eles atravessam a atmosfera intacta, acumulando-se na estratosfera onde são responsáveis pela destruição da camada de ozônio.

Além da destruição do Planeta Terra, o dano à Camada de Ozônio, o efeito estufa” aumenta a incidência do CÂNCER DE PELE (devido à ação do raio ultravioleta) e causa um aumento no nível das águas dos oceanos porque as geleiras polares estão descongelando.

CONFERÊNCIAS

Após a Conferência de Estocolmo, os países passaram a reunir-se em torno do problema. Foram as seguintes reuniões, assim descritas pelo Greenpeace:

1988: A primeira reunião entre governantes e cientistas sobre as mudanças climáticas, realizado em  Toronto, Canadá, descreveu seu impacto potencial inferior apenas ao de uma guerra nuclear. Desde então, uma sucessão de anos com altas temperaturas tem batido os recordes mundiais de calor, fazendo da década de 1990 a mais quente desde que existem registros.

1990: O primeiro informe com base na colaboração científica de nível internacional foi o IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática, em inglês), onde os cientistas advertem que para estabilizar os crescentes níveis de dióxido de carbono (CO2) – o principal gás-estufa – na atmosfera, seria necessário reduzir as emissões de 1990 em 60%.

1992: Mais de 160 governos assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92. O objetivo era “evitar interferências antropogênicas perigosas no sistema climático”. Isso deveria ser feito rapidamente para poder proteger as fontes alimentares, os ecossistemas e o desenvolvimento social. Também foi incluída uma meta para que os países industrializados mantivessem suas emissões de gasesestufa, em 2000, nos níveis de 1990. Também contém o “princípio de responsabilidade comum e diferenciada”, que significa que todos os países têm a responsabilidade de proteger o clima, mas o Norte deve ser o primeiro a atuar.

1997: Em Kyoto, Japão, é assinado o Protocolo de Kyoto, um novo componente da. Convenção, que contém, pela primeira vez, um acordo vinculante que compromete os países do Norte a reduzir suas missões. Os detalhes sobre como será posto em prática ainda estão sendo negociados e devem ser concluídos na reunião de governos que se realizará entre 13 e 24 de novembro deste ano em Haia, Holanda. Essa reunião é conhecida formalmente como a COP6 (VI Conferência das Partes).

O Protocolo de Kyoto propôs um calendário pelo qual os países-membros (principalmente os desenvolvidos) têm a obrigação de reduzir a emissão de gases do efeito estufa . As metas de redução não são homogêneas a todos os países, colocando níveis diferenciados para os 38 países que mais emitem gases. Países em franco desenvolvimento (como Brasil, México, Argentina e Índia) não receberam metas de redução, pelo menos momentaneamente. A redução dessas emissões deveria acontecer em várias atividades econômicas, através das seguintes medidas:

Promover o uso de fontes energéticas renováveis;
Eliminar mecanismos financeiros e de mercado inapropriados aos fins da Convenção;
Limitar as emissões de metano no gerenciamento de resíduos e dos sistemas energéticos;
Proteger florestas e outros sumidouros de carbono.

Se o Protocolo de Kyoto ainda for implantado com sucesso, estima-se que a temperatura global reduza entre 1,4°C e 5,8 °C até 2100, entretanto, isto dependeria muito das negociações de 2012, pois há comunidades científicas que afirmam categoricamente que a meta de redução de 5% em relação aos níveis de 1990 é insuficiente para a mitigação do aquecimento global.

2009: Em Kopenhagen não chegaram a um consenso na 15ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP15),  na Dinamarca, reunindo os representantes de 192 países.
Durante a conferência, que se iniciou em 7 de dezembro, houve a tentativa de elaborar o esboço de acordo que substituiria o Protocolo de Kyoto (que expira neste ano e que chegou a prever a redução de 50% da emissão de gases até 2050). Entretanto, nada foi resolvido.

BRASIL SEDIARÁ A RIO + 20 ESTE ANO

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) anunciou que o Brasil, uma das economias que mais crescem no mundo será a sede das celebrações globais do Dia Mundial do Meio Ambiente (WED, na sigla em inglês), comemorado anualmente no dia 5 de junho.

O tema deste ano: “Economia Verde: Ela te inclui?” é uma tentativa de refletir e avaliar a Economia Verde. O Brasil já foi sede do WED em 1992, durante a Cúpula da Terra, quando chefes de Estado, líderes mundiais, oficiais de governo e organizações internacionais se encontraram na busca do desenvolvimento sustentável.

É importante salientar que o Brasil alcançou uma redução significativa dos gases causadores do efeito estufa, incentivando a indústria da reciclagem que gera emprego e renda, gerando cerca de 2 bilhões de dólares ao ano e reduzindo emissões de gases de efeito estufa em dez milhões de toneladas.

Estimativas mostram que o Brasil alcançou uma redução significativa de gases causadores de efeito estufa como resultado da redução das taxas de desmatamento.

Segundo o relatório do PNUMA chamado Economia Verde: Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável e a Erradicação da Pobreza, o Brasil tem tido uma posição de destaque na construção de uma economia que inclui a reciclagem, a energia renovável e a geração de empregos verdes.

O Brasil, a China e os Estados Unidos, a reciclagem já emprega doze milhões de pessoas, sendo o nosso país líder na produção sustentável de etanol como combustível de veículos e está se expandindo em outras formas de energia renovável como a eólica e solar.

A Rio+20 será realizada entre os dias 02 e 06 de junho, no Rio de Janeiro. Serão discutidas a Biodiversidade, Mudanças Climáticas e Crescimento Verde. Frear o efeito estufa não é somente uma atribuição dos países, mas de cada cidadão da Terra, entre eles, nós e você, leitor. “Economia Verde: Ela te inclui?”



Fonte: Editoria HelpSaúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.

Comentários

  1. Muito legal esse dia, para gosta de natureza é claro...
    Atenciosamente;
    Dr. Fabio Corsini Motta - ABQ:0486
    Instituto Paulista de Quiropraxia - IPQ

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER: