Pular para o conteúdo principal

Inovação e criatividade nos serviços de saúde


Diante da elevada competitividade de mercado, aliada a um cliente com um perfil de exigência que segue acelerado, em linha ascendente, observa-se hoje, nas clínicas e hospitais, algumas novas questões de mercado: como inovar no atendimento que é realizado nestes locais? Quais áreas de atendimento podem mudar, melhorar e inovar? Como adotar novos comportamentos no trabalho que possam estar mais bem alinhados com os atuais conceitos de mercado?


Tenho observado pelo país algumas experiências inovadoras neste sentido, onde, através de um novo olhar sobre aquilo que é realizado rotineiramente, passou-se a mudar os caminhos pelos quais o cliente recebe o atendimento. Como exemplo dentro desta perspectiva, posso citar um hospital na região Nordeste onde foram substituídos os tradicionais balcões de atendimento por mesas individuais para que o cliente receba um atendimento mais próximo, personalizado e humanizado. Nas salas de espera, tem se tornado cada vez mais frequente a oferta de conexão wi-fi para internet, canais de televisão especialmente desenhados para a especialidade médica e até TV em 3D. A Era do “Café Morno” está, a cada dia, ficando mais incômoda para o cliente na área da Saúde, que tem sua preferência apontando na direção de serviços que, além de prestarem atendimento médico de alto nível, também valorizam todo o ciclo de atendimento que cerca os serviços.


É claro que o foco central será sempre o atendimento prestado pelo médico, mas o suporte oferecido ao cliente, por toda a estrutura e pelas comodidades disponibilizadas, com certeza, é hoje um aspecto de elevada importância para que a carreira do médico possa trilhar o caminho do sucesso. Assim, implantar inovações exige da equipe um profundo envolvimento neste processo, não só na execução de projetos, como, também, oferecendo ideias que possam se tornar um passo à frente do que está sendo oferecido no momento pelos seus concorrentes. É preciso então uma atenção maior a este aspecto no momento da contratação, assim como com os funcionários que já fazem parte da equipe. Muitas vezes, eles não encontram no ambiente de trabalho o espaço e o estímulo necessário para expor suas ideias. Pessoas com ideias criativas e inovadoras não são fáceis de serem encontradas, mas muitas vezes elas estão lá, bem perto, trabalhando ao seu lado, só não têm o espaço e a oportunidade para manifestar esta face de suas habilidades. Também é preciso lembrar que inovar implica em mudar rotinas e procedimentos já “sedimentados” no dia a dia, além de assimilar e aceitar mudanças. Ter na equipe, colaboradores que estejam dispostos a mudar antigas rotinas por novas condutas não é um objetivo fácil de ser atingido. 


Mudar, em geral, causa uma certa resistência nos colaboradores, o que demonstra a clara necessidade de se ter estratégias que incorporem de forma mais tranquila as inovações e suas consequentes mudanças. Clínicas, consultórios e hospitais – é possível perceber – estão mais preocupados em serem eficientes do que inovadores. Eficiência e inovação nem sempre caminham juntos. É preciso ampliar a nossa visão do trabalho nesta área e compreender que sempre é possível fazer melhor. A velha frase que diz “em time que está ganhando não se mexe” se mostra equivocada e limitada. Ou seja, mesmo que esteja tudo bem em seu consultório, clínica ou hospital, saiba que, com certeza, ainda existe espaço para ficar melhor e para inovar.


Por fim, quero lembrar que não são necessárias grandes ideias nem grandes mudanças. Muitas vezes, grandes resultados podem vir de ideias simples, mas efetivas e inovadoras. Como sabiamente disse Peter Drucker: “Todas as inovações eficazes são surpreendentemente simples. Na verdade, o maior elogio que uma inovação pode receber é haver quem diga: isso é óbvio. Por que não pensei nisso antes?”.


Curtiu o post? Então inove na forma em aumentar a sua clientela. Faça como milhares de prestadores de saúde satisfeitos. Cadastre-se no HelpSaúde. É 100% grátis!

Por Márcia Campiolo


Você sabia que através do HelpSaúde a quantidade de consultas e clientela podem aumentar? Prestador de saúde, cadastre-se grátis agora mesmo e atualize o seu perfil com telefone para contato e planos de saúde que atende, por exemplo.

Conteúdo fornecido pela Editora DOC, parceira do HelpSaúde.


DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.

Comentários

  1. Realmente, eu mesmo prezo estas diferenças em meus atendimentos, afinal o cliente não necessariamente busca só o alívio da dor, mas também aquela parte mais humana e próxima ao próximo.
    Atenciosamente;
    Dr. Fabio Corsini Motta - ABQ:0486
    Instituto Paulista de Quiropraxia - IPQ

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa