Pular para o conteúdo principal

Alguns dos sintomas de depressão

Você está com queda de cabelo? Você tem tido dificuldade para conciliar o sono, dor nas costas, prisão de ventre? Cuidado: você pode estar com depressão!

A tristeza e o desânimo são os sintomas mais conhecidos da depressão. Contudo, a depressão pode levar você a não ter mais vontade de fazer coisas simples e banais, como, por exemplo, assistir a TV, trabalhar naquilo que você sempre gostou fazer as coisas do dia a dia, passear com o seu animal de estimação, etc.

Mas a depressão pode se manifestar com sinais de que o paciente nem se apercebe, nem desconfia, ou seja, as lombalgias, problemas dermatológicos como alergias, queda no desejo sexual ou mesmo mudanças no hábito intestinal como ter freqüentemente prisão de ventre.É como se o paciente estivesse com uma baixa energia vital, como se a carga da bateria estivesse fraca, ou seja, falta de vontade, de ânimo, de motivo, de empenho, etc.

Então veja alguns dos sintomas e verifique se você está com alguns deles por mais de duas semanas. Busque ajuda se assim for!A terapia medicamentosa juntamente com uma psicoterapia traz um grande benefício ao paciente.

1.Alteração dos hábitos orgânicos

A depressão pode levar a um aumento ou a uma diminuição do apetite alimentar, prisão de ventre, dores de cabeça principalmente na região das têmporas e na região frontal, nas costas, alta freqüência em apresentar torcicolos no pescoço, gastralgias, etc. e sem causa aparente e que não melhoram ou melhoram pouco com o uso de analgésicos e outros remédios. Sudorese, palpitações com a sensação de que se vai falecer, tremores, vertigens, também podem fazer parte do quadro, etc.

2. Pensamentos ruins

O paciente com humor deprimido pode ter idéias pessimistas e insistentes com bastante freqüência. Ele não consegue parar de pensar nas coisas tristes e impuras e nem tampouco se livrar de tais pensamentos, ele vê o mundo de forma negra!

3. Diminuição da libido

Diminui a vontade de fazer sexo, e o paciente apresenta um desinteresse por coisas que antes eram agradáveis, como sair com amigos, passear, ler livros, ver novela, ouvir música.


4. Manias estranhas

O paciente passa a apresentar um comportamento diferenciado, ou seja, ele confere se fechou bem as portas e janelas. Ou acha que pode fazer mal a si mesmo ou a alguém, com pensamentos do tipo: Será que eu posso me ferir com esta faca de cozinha, e o que aconteceria comigo?Como será ver o sangue escorrer pela perna de minha mãe? Essas atitudes também podem indicar TOC, o transtorno obsessivo-compulsivo.

5. Falta de concentração

O paciente não consegue se fixar numa leitura ou guardar na memória o que leu. Parece que os seus pensamentos e sua memória se diluem rapidamente, não se fixam.

6. Alterações estéticas e físicas

Pele envelhecida e seca e boca constantemente amarga, olheiras, unhas quebradiças, cabelos fracos e sem brilho.

7. Sentimentos adormecidos

A depressão deixa transparecer um comportamento apático no indivíduo, como se o paciente não expressasse sentimento e sensação, ou de prazer ou de desprazer.

8. Volta ao passado.

As atitudes do passado voltam a interferir nos pensamentos do paciente com forte tendência de culpabilidade e de arrependimento. São pensamentos que invadem constantemente o intelecto do indivíduo, que passa a se tornar refém de tais interferências. Tudo passa a ter um enorme peso para ser resolvido.

9. Depressão sazonal

Pacientes vulneráveis a fotofase (período de luminosidade) podem ser acometidos pela depressão climática ou sazonal.

Tratamento:
Existe o tratamento medicamentoso concomitantemente a uma psicoterapia com profissional habilitado para lidar com estes sintomas. O suporte psicológico é fundamental para reequilibrar o status psíquico do paciente com depressão.


Fonte: Suely Bischoff Machado de Oliveira. Psicóloga cadastrada no Help Saúde.

Temas relacionados no Help Saúde: Psicologia, Psicoterapia

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa