Pular para o conteúdo principal

Guia Help Saúde > Infantojuvenil > Guia do bebê - Dicas para Amamentação


Chegou gente em nova em casa! Os primeiros dias do bebê é um momento de muita alegria, mas também muito delicado para a maioria dos pais. É uma fase de adaptação, tanto para a família quanto para o bebê que acabou de chegar ao mundo.

As principais dúvidas das mães são em relação à alimentação. Até que mês amamentar? Posso oferecer outros alimentos além do leite materno? Quais são as principais vantagens do aleitamento? Entre tantas outras, por isso o blog do Help Saúde preparou o Guia do Bebê com algumas dicas e sempre lembrando que visitas ao pediatra são importantíssimas.

Todos sabem da importância do aleitamento materno, o ideal é que a criança tenha uma dieta exclusiva com o leite materno até os 6 meses de idade. Ele reduz o risco de infecções, alergias, problemas de fala, oclusão dentária, cáries, otite, obesidade e doenças cardiovasculares. A partir do sexto mês é indicada a introdução de outros alimentos na dieta do bebê, como papinhas de legumes, frutas e carnes.

As principais vantagens do aleitamento para mãe e para o bebê:

- Atende ao instinto de sucção do bebê, que é mais forte na primeira hora pós-parto.

- Agiliza a ingestão do colostro, substância presente no leite materno e que constituí a primeira forma de imunização.

- Estimula o corpo da mãe a produzir mais leite, que será importante para o bebê nas semanas seguintes.

- Reduz a hemorragia pós-parto.

O bebê mama muito e a qualquer distante no primeiro mês, mesmo durante a noite, e esse comportamento não significa que o leite seja fraco: sempre tem os nutrientes necessários. É importante também que o bebê esvazie a mama, pois o leite do final da mamada possui mais gordura, gerando mais saciedade e ganho de peso.

O Guia Help Saúde indica para as mamães que no momento da amamentação elas escolham um lugar tranqüilo e usem roupas confortáveis, para que o momento seja ainda mais especial.

Nos primeiros dias o bebê pode parecer relutante em mamar. Às vezes, ele e a mãe ainda precisam de um tempo para “aprender” como interagir um com o outro.

As principais dificuldades são:

- Posição desconfortável para o bebê: nada de empurrar sua cabeça por trás em direção à mama, pois o obriga a esticar-se ou virar o pescoço para manter o peito da mãe na boca, dificultando assim a respiração.

- Muita manipulação por estranhos.

- Bicos artificiais ou chupetas que confundem o bebê no momento de sucção.
- O bebê está com dores.

- Abertura da boca insuficiente

- Mamilos planos, devido a mamas ingurgitadas (cheias de mais)

- Mamilos invertidos, impedindo o bebê de pegar a aréola da mama com a boca.

- Fluxo excessivo de leite

- Sono ou ausência de fome

- Fraqueza por baixo peso.

Para reduzir esses problemas siga as orientações do Guia Help Saúde:

- Segure calmamente o seu bebê próximo ao peito e coloque-o sentado de lado, mantendo a cabeça apoiada na sua mão, para controlar movimentos sem fazer pressão; não flexione a cabeça dele, para não empurrar o nariz contra o peito.

- Retire um pouco de leite, espalhe no mamilo e provoque o bebê com o mamilo até que ele abra bem a boca, antes de pegar a auréola.

- Não use bicos artificiais ou chupetas; se necessário, ofereça leite materno no copinho, até que o bebê mame no peito; não dê mamadeiras de água ou leite artificial.

- Levante o seio e aponte o mamilo para o céu da boca, ajudando assim o bebê a iniciar o reflexo de sucção.

- Não insista além de alguns minutos: se ele não mamar, tente novamente mais tarde.

- Não pressione pontos doloridos.

-Não limite as mamadas, para que as mamas não fiquem cheias demais; se o fluxo inicial for excessivo, use só um seio por mama (até o fluxo se normalizar) e esvazie o outro.

Quando for impossível o aleitamento materno, o pediatra deve decidir como substituí-lo. Hoje em dia, existem leites com fórmulas desenvolvidas para cada fase do bebê que podem a ser tão bons e completos como o leite materno.

Procure por um pediatra em qualquer lugar do Brasil no Help Saúde.


Fonte: Editoria Help Saúde.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa