Pular para o conteúdo principal

Como fazer perguntas relevantes para tomar as melhores decisões?


A Medicina baseada em evidências (MBE) é o uso consciente, explícito e ajuizado da melhor evidência a tomada de decisões sobre o cuidado/tratamento de um paciente em particular. Entretanto, não devemos esquecer que a MBE é apenas uma bússola e nós, médicos, somos os comandantes.

Modernamente temos o conceito de prática baseada em evidência que incorpora as evidências clínicas com a experiência ou com a vivência do médico e com preferências do paciente.

Basicamente, são cinco passos para a tomada de decisão na prática clínica:
  1. Formular uma pergunta;
  2. Pesquisar a literatura;
  3. Avaliar a qualidade e relevância dos artigos;
  4. Integrar a evidência identificada nos estudos com a experiência clínica e as preferências do paciente para a tomada de decisão;
  5. Avaliar a efetividade após implementação.

Vamos nos ater ao primeiro passo: como fazer a pergunta clínica?

A pergunta é o primeiro elemento da busca. Sendo ela bem clara e definida, é possível obter o resultado esperado. O profissional perante o caso concreto de um paciente para o qual existe uma dúvida deverá pensar o que é relevante ter conhecimento, ou seja, identificar o problema e formular uma pergunta que seja relevante para sua resolução a fim de facilitar a busca por uma resposta.

Neste processo, há quatro elementos: pacientes, intervenção, comparação e desfecho (outcome). Analisando:

(P) Pacientes (ou população): “como posso descrever um grupo de pacientes que sejam semelhantes ao paciente que eu estou acompanhando?”.

(I) Intervenção: “que intervenção ou tratamento quero avaliar com esse questionamento?”.

(C) Comparação: “com o que quero comparar a intervenção que estou avaliando?”. Pode-se comparar a intervenção que se quer avaliar com um tratamento já experimentado previamente e que se mostrou eficaz em determinada condição médica. Outra opção consiste na utilização de placebo, que corresponde a um tratamento sem qualquer ação biológica.

(O) Outcome (desfecho): “que desfechos quero analisar nos pacientes expostos a essa intervenção?”. Como se pode perceber, combinando-se as letras iniciais dos quatro elementos, se obtém a abreviatura PICO, comumente descrita em artigos de revisão relacionados à MBE. Utilizando-se o princípio PICO, é possível localizar artigos mais relevantes e precisos durante o levantamento bibliográfico. Um exemplo: em pacientes idosos (P), será que os inibidores da enzima conversora de angiotensina (I), em comparação com os β-bloqueadores (C), são mais eficazes em controlar a pressão arterial e minimizar os efeitos colaterais (O)?

Além disso, dependendo de como a questão clínica for formulada, a evidência pode ser direcionada e focada para se responder a diferentes aspectos clínicos. Por exemplo: podemos focar em um tratamento. Será que a prescrição de sumatriptano é eficaz em reduzir a intensidade das crises de cefaleia em mulheres com enxaqueca?

Também podemos focar em prevenção: se determinada estratégia de prevenção resulta em uma ocorrência menor de novos casos ou mesmo no diagnóstico precoce de uma doença. Exemplo: será que a determinação seriada dos níveis séricos do antígeno prostático específico (PSA) em pacientes idosos assintomáticos reduz o risco de morte por câncer de próstata?

Outro foco pode ser na etiologia, avaliando qual(is) fator(es) pode(m) estar relacionado(s) na gênese de doenças. Exemplo: será que a exposição crônica ao tabaco está relacionada com um risco maior de desenvolvimento de câncer de pulmão? Portanto, fazendo as melhores perguntas, com certeza, encontraremos as respostas mais adequadas a nossos pacientes. Como dizia Claude Bernard, pai da Medicina experimental: “quem não sabe o que procura não reconhece aquilo que encontra”.

Encontrando as melhores respostas disponíveis, aliaremos a nossa vivência e a de sábios colegas à opinião dos pacientes para fazer uma Medicina embasada na competência.


Conteúdo fornecido pela Editora DOC, parceira do HelpSaúde.
Fonte: Dr. Fábio Freire, CRM: SP105425, é Reumatologista cadastrado no HelpSaúde. Precisando de um Reumatologista busque um perto de você em nosso site.



DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa