Pular para o conteúdo principal

Dia Nacional do Controle das Infecções Hospitalares


ORIGEM DA DATA

O Dia Nacional do Controle das Infecções Hospitalares é comemorado anualmente no dia 15 de maio e objetiva conscientizar autoridades sanitárias, diretores de hospitais e trabalhadores de saúde sobre a importância do controle das infecções hospitalares.

Este dia foi instituído pela Lei nº 11.723, de 23/6/2008 e, durante a semana, o Ministério da Saúde e os serviços de saúde, em especial os hospitais são autorizados a desenvolver campanhas de comunicação social e ações educativas com o objetivo de aumentar a consciência pública sobre o problema representado pelas infecções hospitalares e a necessidade de seu controle.

O QUE É INFECÇÃO HOSPITALAR

Infecção hospitalar é uma síndrome infecciosa adquirida dentro das Unidades de Saúde (durante uma internação ou um atendimento ambulatorial). Qualquer pessoa está sujeita a contrair uma infecção hospitalar, que está diretamente relacionada ao tempo de internação e procedimento a ser realizado.

Quando um vírus  bactéria, protozoário ou fungo penetra no ser humano, prolifera e os agentes infecciosos estão em todos os lugares, inclusive nos hospitais e postos de saúde. Nos hospitais, por realizarem cirurgias e tratamento de fraturas, com o ferimento aberto ou uma incisão é maior a possibilidade da penetração de microorganismos, causando a Infecção Hospitalar, que é caracterizada como uma infecção que surge após 72 horas que o paciente esteve (ou está) no ambiente hospitalar, tendo dado entrada sem a infecção adquirida.

Quando a infecção é percebida após a alta, é diagnosticada como infecção hospitalar se for diretamente relacionada com o procedimento realizado no hospital, com sintomas que são relacionados ao local onde foi efetuado o procedimento cirúrgico ou suturas, atendimento de emergência de fraturas, ambulatorial (cateterismo cardíaco, exames radiológicos com utilização de contraste, retirado de pequenas lesões de pele e retirado de nódulos de mama, entre outros). Logo, o paciente apresenta estado febril.

PORQUE OCORRE SE ESTAMOS EM UM LOCAL QUE CUIDA DA SAÚDE?

Geralmente as infecções hospitalares são causadas por falta de assepsia e não existe local onde mais encontramos microorganismos que os Hospitais, Postos de Saúde e Ambulatórios porque as pessoas vão até lá justamente em busca da cura. Por isso, a assepsia é fundamental, pois o meio ambiente, o material, o paciente e a equipe podem estar contaminados.

O maior risco de contrair uma infecção hospitalar está nos procedimentos cirúrgicos, já que as UTIs e Centros Cirúrgicos são locais onde há mais vulnerabilidade. Entretanto, as condições de saúde do paciente também são fatores de risco: idade, higiene, estresse psíquico e físico, cuidados com a alimentação, condições sanitárias de seu ambiente etc. podem levá-lo a estar com o organismo pré-disposto a adquirir uma infecção no ambiente hospitalar.

ASSEPSIA

A assepsia é o processo que são afastados os microorganismos patogênicos de um local ou objeto, um conjunto de meios para prevenir infecções, por exemplo:

- Lavar as mãos constantemente impede a transferência de microrganismos das mãos para o paciente assim como o uso de papel toalha;
- Esterilização do materiais usados em procedimentos e não colocar materiais no chão (comadres, bacias e afins);
- O profissional de saúde ter o cuidado de não tossir, espirrar ou falar sobre o material esterilizado e cuidar do asseio pessoal e também trocando de luvas e algumas peças de vestuário a cada procedimento (máscaras, aventais, pantufas);
- Troca constante de lençóis, fronhas, toalhas, aventais e demais tecidos que envolvem o paciente;
- Não sentar-se na cama do paciente é um procedimento importante para quem visita ou acompanha um enfermo num ambiente hospitalar e os funcionários devem estar atentos.

A prevenção das infecções hospitalares é responsabilidade dos hospitais, ambulatórios e postos de saúde que devem ter uma CCIH - Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), com a finalidade de diagnosticar casos de infecção hospitalar, padronizar as técnicas de assepsia, promover o treinamento de funcionários, controlar o antibiótico usado em pacientes que adquiriram a infecção.

O tratamento das infecções hospitalares é feito com uso de antibióticos injetáveis por um período que varia entre 14 e 30 dias.


Se possível, antes de submeter-se a uma cirurgia ou internar uma pessoa da família, visite o site http://www.helpsaude.com/ que pode indicar hospitais e clínicas.




Fonte: Editoria HelpSaúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.

Comentários

  1. Bom dia!
    É fato comprovado. Infecção hospitalar mata, e muito, todos os anos. Boas práticas em higiene pessoal, limpeza de ambientes e utensílios utilizados para atender clientes/pacientes são medidas preventivas eficientes, porém dentro de um processo contínuo, em que um grande número de pessoas são envolvidas e que também envolve equipamentos e acessórios médicos/hospitalares de áreas distintas, com alto “toque” o risco de contaminação cruzada cresce de uma forma intensa, por que o volume de atendimentos são altos e caso alguém da equipe não respeita as boas práticas, todo o esforço do conjunto de medidas caem por terra. Dessa forma os aditivos antimicrobianos ou antibacterianos incorporados em resinas plásticas, tecidos e tintas durante a fabricação, podendo ser um bem descartável ou durável mostram o seu “valor de uso”. Esses aditivos aliados às boas práticas ampliam a barreira de proteção quanto à contaminação cruzada, reduzindo a contaminação cruzada e consequentemente a infecção hospitalar , mas nunca abandonando as normas recomendadas de limpeza e procedimentos.
    Um bom aditivo antimicrobiano tem as funções bactericida, bacteriostática, fungicida e fungistática . Um produto eficiente também deverá eliminar além das bactérias, os bolores, as leveduras e os vírus. Os benefícios dessas tecnologias são amplos, mas é preciso saber quantificar e valorar os resultados para que possam ser comparados com o acréscimo dos custos. A tradicional relação CUSTO X BENEFÍCIO será o ponto de decisão. Certamente todo aditivo agrega um custo na matéria prima por que ele trará um resultado desejado, nesse momento conte com uma alternativa econômica, eficiente e duradoura, consulte a Provida Antimicrobianos, site www.provida.ind.br, nele você encontrará 03 linhas de antimicrobianos para tintas e resinas plásticas. Antimicrobianos Orgânicos "Nanoclean 80 e Nanoclean 500", Antimicrobianos Inorgânicos "Nanoclean Glass" produzido com silver glass (íons de prata em matriz vítrea) e Antimicrobiano 100% natural "Nanoclean Active" desenvolvido para transformar embalagens convencionais em embalagens ativas, produzido com ácidos orgânicos (100%). Das 3 linhas de produtos certamente uma resolverá o seu problema de microrganismos com eficiência e economia. Você encontrará também no www.provida.ind.br várias matérias técnicas sobre plásticos, boas práticas, bactérias, fungos, bolores, leveduras e vírus. Além de ter acesso a várias matérias de institutos ligados à saúde e a indústria alimentícia.
    Rúbio Ribas

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa