Pular para o conteúdo principal

Dia da Saúde e Nutrição

No dia 31 de março é comemorado o Dia Nacional da Saúde e Nutrição e o dia 30 de março é marcado como o dia Mundial da Nutrição.

O Sistema dos Conselhos Federal de Nutricionistas (CFN) e Regional de Nutricionistas (CRN) objetivam desde a campanha de 2011 conscientizar a população sobre três problemas que afetam a humanidade: A FOME, A OBESIDADE E O DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS.

Dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) revelam que, no Brasil, a cada 5 minutos, uma criança morre em consequência de doenças relacionadas à fome.

Quanto à obesidade, o problema também se agravou ao longo dos anos; pesquisa da Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que, atualmente, dos 300 milhões de obesos do mundo, 5,6% deles se encontram no Brasil.

Um levantamento realizado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) também apresentou dados preocupantes: o brasileiro consome, anualmente, 35 quilos de hortaliças, e joga fora outros 37 quilos.

Saúde e Nutrição

Segundo a Organização Mundial de SAÚDE, "Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não, simplesmente, a ausência de doenças ou enfermidades." Ou podemos defini-la em termos de valores, dizendo que estamos saudáveis se a nossa temperatura e a nossa pressão arterial estiverem normais.

A NUTRIÇÃO é a função exercida por seres vivos (animais e vegetais), que consiste na ingestão, digestão, absorção e metabolismo dos alimentos necessários para a construção de tecidos e liberação de energia

Nutrição é a ciência que estuda as diversas etapas que um alimento sofre, desde a sua introdução no organismo (mastigação) até sua eliminação, também relacionando estes fatores à presença ou não de consequências maléficas ou benéficas.

Fome e Desnutrição

Se deve distinguir a fome aguda, momentânea, da fome crônica. A fome aguda equivale à urgência de se alimentar, a apetite. A fome crônica, permanente, ocorre quando a alimentação diária, habitual, não propicia ao indivíduo energia suficiente para a manutenção do seu organismo e para o desempenho de suas atividades.

Como conceito, a subnutrição é o estágio denominado leve da desnutrição. Pelo fato da subnutrição ser a forma mais amena da consequência da fome, tende a ser subestimada, já que seus efeitos são menos severos, como maior susceptibilidade às doenças infecciosas, levando ao agravamento da desnutrição e suas consequências.

A desnutrição é o melhor indicador de pobreza. Tal como as outras dimensões de saúde precária, ela está concentrada entre as populações mais miseráveis, normalmente não alcançadas por políticas definidas em termos de médias populacionais.
As condições de moradia precárias estão intimamente associadas à desnutrição e à frequência de infecções.

Desperdício de Alimentos

O mundo é capaz de produzir alimentos para toda a população. Porém, mesmo no mundo globalizado e com tecnologias, não existe um planejamento para a distribuição dos excedentes nos países mais pobres e às vezes, nos próprios países produtores, onde há desperdício e "sobra" de alimentos.

A FAO define segurança alimentar como a situação em que todas as famílias têm acesso físico e econômico à alimentação adequada para todos os seus membros, sem correr o risco de desabastecimento. Esta definição envolve três aspectos: disponibilidade, estabilidade e acesso.

Os Sais Minerais

Quem tem uma dieta equilibrada entre carnes, vegetais, ovos e leite não precisa se preocupar com a falta desses ingredientes químicos. Alguns estão presentes em maior quantidade nos vegetais verdes, outros na carne, mas todos são comuns na maioria dos alimentos

O homem necessita de cerca de 21 elementos químicos diferentes. Desses, a matéria viva se constitui principalmente de carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio. Por isso, os quatro são chamados de elementos de constituição. O carbono forma a estrutura básica de todas as moléculas orgânicas.

A maneira mais fácil e barata de se obter a longevidade através da nutrição e saúde é seguir as seguintes dicas:

•Aleitamento materno exclusivo nos primeiro seis meses de vida.

•Evitar o consumo de alimentos ricos em calorias e industrializados, gordurosos e salgados.

•Aumentar o consumo de frutas, verduras e legumes, cereais integrais e feijões.

•Faça exercícios físicos regulares, diariamente ou pelo menos três vezes por semana por 30 minutos, após consultar o seu médico.

•Reduza ou evite o consumo de bebidas alcoólicas e o uso do cigarro

•Faça exames preventivos e consulte sempre o seu médico.

•Beba cerca de 10 copos de água ao dia

•Durma pelo menos 08horas num período de 24 horas

•Evitar as dietas da moda e suas consequências para a saúde.

Obesidade

Segundo a Organização Mundial da Saúde, "apesar do problema da subnutrição em larga escala, a obesidade hoje é um dos problemas mais alarmantes da saúde pública, coexistindo com a subnutrição, está se tornando uma epidemia global - globesidade - se alguma providência não for tomada imediatamente, milhões de pessoas no mundo sofrerão com problemas de saúde decorrentes da obesidade".

A ciência comprova que a mudança nos hábitos alimentares, e nos padrões dos níveis de atividade física pode influenciar fortemente vários fatores de risco na população, sendo os mais comuns: a obesidade, hipertensão arterial, alteração nos níveis de glicose sanguínea e colesterol.

Pesquisa revelou que a cada ano, cresce em 1,5% o número de pessoas acima do peso no Brasil.
Pesquisa do Ministério da Saúde revelou que a cada ano, cresce em 1,5% o número de pessoas acima do peso no país e que 52,1% da população masculina e 44,3% da feminina estão com o Índice de Massa Corporal (IMC) acima da média. Praticamente metade da população está acima do peso ideal.

Saúde e Nutrição? Informe-se

Dúvidas sobre saúde e nutrição?  O Ministério da Saúde lançou em 2006 o Guia Alimentar para a População Brasileira. Visite o site da Política Nacional de Alimentação e Nutrição: www.saude.gov.br/nutricao .





Fonte: Editoria HelpSaúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do