Pular para o conteúdo principal

Dislexia

O que é?

Além da dificuldade do aprendizado e da leitura, a dislexia é caracterizada de forma mais frequente pela dificuldade na aprendizagem da decodificação de palavras. Também é notável no problema de associação de som com letras e na troca de letras.

Por exemplo: Uma pessoa disléxica pode trocar o “B” com o “D” e na hora de escrever “Papai” se enganar e escrever “Apapi”.
O ideal é que se faça o diagnóstico da dislexia o mais rápido possível, pois assim, ameniza e evita um comprometimento social e emocional do indivíduo.

A dislexia é hereditária e genética, portanto se houverem casos anteriores na família, é bom desde cedo levar a criança em um médico para fazer o teste e ter o diagnóstico.


Sintomas
Para saber se você ou alguém de sua família é disléxico, preste atenção nos seguintes fatores:

Haverá sempre:

dificuldades com a linguagem e escrita;
dificuldades em escrever;
dificuldades com a ortografia;
lentidão na aprendizagem da leitura;

Haverá muitas vezes:

disgrafia (letra feia);
discalculia, dificuldade com a matemática, sobretudo na assimilação de símbolos e de decorar tabuada;
dificuldades com a memória de curto prazo e com a organização’;
dificuldades em seguir indicações de caminhos e em executar seqüências de tarefas complexas;
dificuldades para compreender textos escritos;
dificuldades em aprender uma segunda língua.

Haverá às vezes:

dificuldades com a linguagem falada;
dificuldade com a percepção espacial;
confusão entre direita e esquerda.

Tratamento

A cura para a dislexia ainda não é conhecida. O tratamento exige a participação de especialistas em várias áreas (pedagogia, fonoaudiologia, psicologia, etc.) para ajudar o disléxico a superar, na medida do possível, o comprometimento no mecanismo da leitura, da expressão escrita ou da matemática.

Curiosidade:  Alguns famosos disléxicos:

Albert Einstein
Agatha Christie
Charles Darwin
Franklin D. Roosevelt
Fernanda Young
George Washington
Leonardo da Vinci






Fonte: Editoria HelpSaúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.



Comentários

  1. Eu era ótima quando criança para aprender a ler e escrever com 6 meses de escolaridade ja lia e escrevia mais a partir da quinta série fui tendo dificuldade com cálculo o mesmo aconteceu a meus filhos liam com perfeição aprenderam rápido, mais em cáculo sempre devagar,pelo menos o cálculo que tiveram mais dificuldade foi a matemática, química e física tbm mais com muitas horas de dedicação superavam o problema. antigamente os disléxicos eram chamados de burro, bom que hj tem um nome científico mais bonito, eu quando fiz o magistério conhecia como aprendizagem lenta, disgrafia etc... a vida é um eterno aprendizado.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa