Pular para o conteúdo principal

Dislexia

O que é?

Além da dificuldade do aprendizado e da leitura, a dislexia é caracterizada de forma mais frequente pela dificuldade na aprendizagem da decodificação de palavras. Também é notável no problema de associação de som com letras e na troca de letras.

Por exemplo: Uma pessoa disléxica pode trocar o “B” com o “D” e na hora de escrever “Papai” se enganar e escrever “Apapi”.
O ideal é que se faça o diagnóstico da dislexia o mais rápido possível, pois assim, ameniza e evita um comprometimento social e emocional do indivíduo.

A dislexia é hereditária e genética, portanto se houverem casos anteriores na família, é bom desde cedo levar a criança em um médico para fazer o teste e ter o diagnóstico.


Sintomas
Para saber se você ou alguém de sua família é disléxico, preste atenção nos seguintes fatores:

Haverá sempre:

dificuldades com a linguagem e escrita;
dificuldades em escrever;
dificuldades com a ortografia;
lentidão na aprendizagem da leitura;

Haverá muitas vezes:

disgrafia (letra feia);
discalculia, dificuldade com a matemática, sobretudo na assimilação de símbolos e de decorar tabuada;
dificuldades com a memória de curto prazo e com a organização’;
dificuldades em seguir indicações de caminhos e em executar seqüências de tarefas complexas;
dificuldades para compreender textos escritos;
dificuldades em aprender uma segunda língua.

Haverá às vezes:

dificuldades com a linguagem falada;
dificuldade com a percepção espacial;
confusão entre direita e esquerda.

Tratamento

A cura para a dislexia ainda não é conhecida. O tratamento exige a participação de especialistas em várias áreas (pedagogia, fonoaudiologia, psicologia, etc.) para ajudar o disléxico a superar, na medida do possível, o comprometimento no mecanismo da leitura, da expressão escrita ou da matemática.

Curiosidade:  Alguns famosos disléxicos:

Albert Einstein
Agatha Christie
Charles Darwin
Franklin D. Roosevelt
Fernanda Young
George Washington
Leonardo da Vinci






Fonte: Editoria HelpSaúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.



Comentários

  1. Eu era ótima quando criança para aprender a ler e escrever com 6 meses de escolaridade ja lia e escrevia mais a partir da quinta série fui tendo dificuldade com cálculo o mesmo aconteceu a meus filhos liam com perfeição aprenderam rápido, mais em cáculo sempre devagar,pelo menos o cálculo que tiveram mais dificuldade foi a matemática, química e física tbm mais com muitas horas de dedicação superavam o problema. antigamente os disléxicos eram chamados de burro, bom que hj tem um nome científico mais bonito, eu quando fiz o magistério conhecia como aprendizagem lenta, disgrafia etc... a vida é um eterno aprendizado.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER: